Menu Close

O Benfica chegou à 6ª e última jornada da fase de grupos da prova milionária numa situação complicada. Como se previa, este foi um grupo extremamente equilibrado, sendo que nenhuma das equipas tinha ainda a sua classificação definida. Assim, o Benfica precisava de vencer o Zenit por 2-0 (ou qualquer diferença de 3 golos) ou apenas vencer e esperar que o Leipzig derrotasse o Lyon, para poder garantir o 3º lugar e seguir para a Liga Europa.

Provavelmente por este contexto, vimos na 1ª parte a equipa de Bruno Lage a procurar com alguma urgência chegar ao golo, promovendo muitas situações de cruzamento (somou 15), quando por vezes não seria a melhor solução. Apesar do Benfica colocar vários jogadores (Vinicius, Chiquinho, Pizzi, Cervi, Taarabt) em zonas de finalização, a forte presença de jogadores do Zenit e a maior envergadura dos mesmos (Ivanovic, Osorio, Barrios, Ozdoev) foi sendo suficiente para resolver as situações que o Benfica foi criando, concretizando apenas 1 remate à baliza no livre direto de Grimaldo.

A equipa russa assumiu uma postura mais expectante, procurando chamar o Benfica para, em transições rápidas, criar espaço para os fortes avançados Azmoun e Dzyuba aproveitarem situações de 1vs1/2vs2 com os centrais Rúben Dias e Ferro.

Na 2ª parte, o Benfica demonstrou maior capacidade e variabilidade na forma de entrar em zonas de finalização, chegando à natural vantagem de 3-0. E é precisamente o momento do primeiro golo, por Cervi, que vimos destacar, pelas várias ações de diferentes jogadores que acabaram por criar um dos melhores lances ofensivos ao longo do jogo:

  • Simulação de Grimaldo que permite a Gabriel ficar com bola em zona já próxima da área adversária.
  • Boa leitura do espaço livre por Gabriel, fazendo o passe para a zona contrária ao movimento dos defesas do Zenit.
  • Excelente ação de temporização de Carlos Vinicius que permite a Pizzi abrir e ganhar espaço em relação ao seu adversário mais próximo.
  • Antecipação de Cervi à zona onde deveria atacar para finalizar.

Apesar de não ter conseguido o apuramento para os oitavos de final da Liga dos Campeões, a equipa de Bruno Lage segue, ainda assim, para a Liga Europa, tendo fortes possibilidades de chegar longe nesta competição.