Menu Close

 Contexto

Há anos que os fiéis adeptos do Famalicão, ansiavam pelo regresso do clube ao principal escalão do futebol português.

Enchiam estádios atrás de estádios nos escalões secundários, fosse onde fosse, nunca abandonavam a sua equipa.

Com este regresso à Liga Nos, a estreia e recompensa para a sua massa Associativa não poderia estar a ser melhor: isolados à 6ª jornada no primeiro lugar da classificação.

Treinador

Aposta arriscada por parte da direcção famalicense, ao entregar neste regresso ao principal escalão, o leme a um desconhecido treinador. De João Pedro Sousa, natural de Luanda de 48 anos de idade,  pouco ou nada mais se conhecia, apenas o facto de ter sido adjunto de Marco Silva, acompanhando-o na Premier League.

Contudo, muito mais do que os brilhantes resultados obtidos neste início de carreira na Liga Nos, surpreenderam sobretudo as ideias positivas do seu modelo de jogo e um futebol ofensivo, a privilegiar o espectáculo.

Plantel

Reformulação total do quadro de jogadores do plantel principal, com a entrada de 20 caras novas, todos eles oriundos das mais variadas paragens.

Muito terá inegavelmente, contribuído a capacidade financeira ao permitir adquirir valor/qualidade em equipas europeias com um poderio financeiro bastante superior ao seu: Valência, Stoke City, Wolverhampton, Atlético de Madrid, Benfica, entre outros.

No entanto, não apenas de dinheiro se tratou! Aliado a esta capacidade de investimento de capital, há todo um auspicioso projecto a alicerçar a busca constante de talento, a atacar de forma cirúrgica os mais diversos mercados de forma inteligente, chegando aos melhores nomes para formar um plantel competitivo, integrá-los num contexto idealizado pela sua equipa técnica e conseguir em tão curto espaço de tempo, retirar rendimento de forma quase instantânea.  

Titulares   

  • Várias opções válidas para cada posição
  • Média de idades a rondar os 23/24 anos

O modelo de jogo

  • Futebol apoiado, paciência a construir jogo desde trás, muita circulação e posse de bola, são as premissas essenciais
  • Preocupação desde a sua primeira fase de construção de jogo em ir desmontando o adversário, disposicioná-lo e ter total iniciativa/controlo do jogo
  • Mesmo perante adversários com blocos subidos e a exercerem pressão, procuram manter a serenidade na posse e circulação e sair a jogar com o mesmo critério
  • Defesas centrais muito interventivos e participativos na construção de jogo, dando corpo às ideias de jogo da equipa e seu treinador
  • Guarda Redes interventivo ofensivamente, saindo por diversas vezes da sua área de acção (grande área) para prestar soluções de passe
  • Na construção de jogo, importância dos médios interiores a subir no terreno para arrastar consigo, o máximo de adversários para trás. Isto permite, numa construção 4 defesas + 1 médio, o máximo de espaço/liberdade e tranquilidade para poder pensar/executar sem pressão
  • A importância do médio defensivo Gustavo Assunção: mais do que presença para terminar com as jogadas adversárias, essencialmente pensa o jogo da equipa com qualidade de passe, sendo o primeiro organizador da equipa, conseguindo transitar da defesa para o ataque em passe e com visão de jogo incomum para essa zona do terreno
  • Importância da titularidade de Racic, essencialmente devido ao equilíbrio defensivo que é capaz de prestar ao médio defensivo. Médio centro forte fisicamente e capaz de complementar defensivamente, o médio mais recuado (com alto pendor ofensivo por sinal)
  • Variações rápidas do estilo de jogo, em passe longo para os corredores laterais (procura de situações de igualdade/superioridade para extremos desequilibrarem)
  • Capacidade em reconhecer quais os mais indicados momentos de jogo para atuar: temporizar jogo, pensar e organizar ou consoante o adversário/jogo lhe pede naquela exata altura, acelerar e saídas rápidas em contra-ataques velozes
  • De reforçar a presença crucial no plantel de extremos com as características de Fábio Martins, Ruben Lameiras ou Diogo Gonçalves: ambos muito fortes no 1×1, alta criatividade técnica e com um poder de aceleração importante. Sabem tanto explorar transições defesa-ataque em velocidade, como em organização ofensiva e fruto da sua virtuosidade técnica, conseguem sempre criar desequilíbrios para a equipa adversária
  • Defensivamente procuram pressionar de forma alta e agressiva o portador da bola, composta por uma linha defensiva em linha e sempre a jogar o mais alto possível, conseguindo tirar vários foras de jogo ao longo de todas as partidas.
  • Defesas centrais fortes e dominantes no jogo aéreo
  • De realçar (especialmente num contexto de grupo ainda em fase de crescimento com tanto jogador que nunca trabalhou junto no mesmo balneário) a grande maturidade competitiva e segurança que transmitem em todas as suas ações dentro do campo, sejam desde lances menos bem conseguidos, até jogadas brilhantes que empolgam o mais entusiasta adepto: em todos eles, a equipa aborda-os de forma extremamente profissional e sabe manter sempre, o alto-controlo e os índices de concentração sempre no máximo.  

Aspetos a melhorar

  • Alguma lentidão de velocidade por parte dos centrais, expõem em demasia o modelo de jogo com linha subida da defesa
  • Algumas dificuldades de marcação dentro da área, ao conceder espaço/liberdade a atacantes adversários para finalizar.
  • Perante impossibilidade do lateral direito Lionn jogar, alternativa será sempre a adaptação de um central ao posto (habitualmente o defesa central Patrick). Com isto, o Famalicão perde:
    • Profundidade ofensiva; 
    • Velocidade para acompanhar extremo adversário a defender;
    • Exige ao extremo Famalicense que tenha de recuar um maior número de vezes e força-o a ser mais participativo defensivamente ;
  • Perante formações individualmente/ colectivamente altas, agressivas e tecnicamente dotadas com forte capacidade para reagir à perda da bola, o querer assumir o jogo “olhos nos olhos”, mantendo-se fiel a todos os seus princípios de posse e iniciativa pelo domínio de jogo desde trás, poderá levá-los ao cometer erros que os pode expor em demasia (exemplo do golo consentido ao Sporting.)

Principais Figuras

Fábio Martinsem destaque neste arranque de temporada, desequilibrador no 1×1, veloz, criatividade técnica, diagonais com bola controlada, remates de longe, diversa imprevisibilidade de movimentos e com instinto finalizador apurado.

Gustavo Assunção – Filho do ex-atleta do Futebol Clube do Porto e Atlético de Madrid Paulo Assunção, dota a equipa de uma capacidade de passe e visão de jogo a cima da média e com elevada leitura táctica e de posicionamento defensivo. Consegue saber quais os terrenos a pisar e quais as decisões mais acertadas a tomar;

Ruben Lameiras – De nacionalidade portuguesa, mas a jogar desde muito cedo, nas camadas inferiores em Inglaterra. Regressa este ano ao nosso país, demonstrando ser um jogador forte no 1×1, qualidade técnica, velocidade e de visão de jogo.