Menu Close

[:pt]AC Milan: Organização defensiva[:en]AC Milan: Defensive organization[:]

[:pt]Analisámos a organização defensiva do AC Milan com Vincenzo Montella. O técnico italiano não aguentou com a crise de resultados e deixou o comando técnico dos ‘rossoneris’, abrindo espaço para Gattuso que assumiu a liderança da equipa esta semana.

Desde a derrota por 4-1 frente à Lazio, o AC Milan apresentou uma organização defensiva em 1-3-5-2, tendo conseguido desde esse jogo 4 vitórias e uma derrota com um saldo de 12 golos marcados e 6 golos sofridos.

Apresentamos de seguida uma análise à organização defensiva da equipa italiana após observação do jogo Sampdoria – AC Milan.

A equipa do AC Milan procura manter os alas subidos, na linha do pivot defensivo, estruturando-se em 1-3-5-2. Consegue contrariar a 2.ª fase de construção dos adversários e impedir a sua progressão pelos seus extremos nos corredores laterais. Quando necessário ajusta o posicionamento dos seus alas e transforma-se em 1-5-3-2.

Organiza-se defensivamente em bloco médio/baixo, com todos os jogadores no seu meio campo defensivo com o guarda-redes Donnarumma e três defesas – Zapata, Bonucci e Romagnoli. Desta forma mantêm a última linha defensiva baixa e revelam grande qualidade no controlo da profundidade e do corredor central defensivo.

Os alas Abate e Rodriguez procuram manter-se alguns metros à frente da linha dos defesas centrais numa linha defensiva com os médios da equipa, a fim de condicionar o jogo ofensivo do adversário.

 

1.

Três linhas defensivas bem definidas com os alas em linha com os médios da equipa, criando assim um bloco de 5 jogadores, funcionando como tampão e primeira linha de pressão.

 

Os médios Biglia, Kessie e Bonaventura são responsáveis por impedir a 2.ª fase de construção e criação do adversário no corredor central. E ainda têm as tarefas de dobrar os alas, principalmente Kessie e Bonaventura, quando o adversário coloca bolas em profundidade nas suas costas e perseguir os médios adversários quando estes fazem movimentos diagonais para os corredores laterais. Suso e Kalinic, os jogadores mais avançados condicionam a construção do adversário, realizando a primeira linha de pressão.

 

2.

Com o bloco mais baixo, mantêm-se os alas na linha dos médios, verificando-se nesta fase alguma fragilidade nos corredores laterais, com as coberturas defensivas muito distantes do ala defensivo.

 

3.

Os interiores do AC Milan têm um papel fundamental na sua organização defensiva, tanto a condicionar a criação adversária pelo corredor central como efetuando as dobras aos alas quando estes procuram efetuar a contenção numa zona mais ofensiva.

 

4.

 

 

5

Zona de pressão bem definida, com aproximação e pressão coletiva da equipa do AC Milan, conseguindo muitas recuperações de posse de bola no corredor lateral médio/defensivo e à frente da sua área, com realce para os três defesas centrais.

 

Através do Videobserver foi possível analisar os dados de recuperações de posse de bola. Identificámos tanto as zonas de pressão e a zona do campo na qual o Milan coloca os seus jogadores. A zona de pressão que registou maior sucesso foi o corredor lateral direito. Verificou-se também uma tendência para a recuperação de bola acontecer no setor médio defensivo. Confirmou-se assim que a equipa opta por um bloco médio/baixo.

 

Artigo escrito para o VideObserver[:en]AC Milan has changed to a 3-5-2 ever since the 4-1 defeat against Lazio. The Italian team has now 4 wins and 1 loss, having scored 12 goals and conceded 6. We now present our analysis on the AC Milan’s defensive organization, after watching the match against Sampdoria.

The Italians maintain their full-backs high up the pitch; they’re positioned on the same line as the defensive midfielder in a 1-3-5-2, preventing the opponent’s from using their wingers. When necessary, the team adjusts the full-backs positioning and the 1-3-5-2 transforms into a 1-5-3-2.

All players defend in their own half; the goalkeeper Donnarumma and the three defenders Zapata, Bonucci, and Romagnoli remain deep on the pitch, controlling the depth and the central defensive space.

The full-backs Abate and Rodriguez are positioned on the same line as midfielders, and their aim is to condition the opponent’s offensive process.

 

1.

Three well-defined defensive lines with the full-backs positioned on the same line as the midfielders, creating a 5-player block that presses as a whole.

 

The midfielders Biglia, Kessie, and Bonaventura aim to prevent the opponent from creating chances in the central space, as well as 1) ensure coverage to the wing-backs (especially Kessi and Bonaventura) when the opponent explores the spaces behind them, and 2) chase the opponent midfielders when they move to the side spaces. Suso and Kalinic form the first pressing line.

 

2.

With the team playing deeper, the full-backs remain on the same line as the midfielders. This means the defensive covers are far from the full-backs, which weakens the defensive structure.

 

3.

Milan’s inside players play a key role in the defensive organization, either conditioning the opponent from creating chances or covering the full-backs when they press the opponent high up the pitch.

 

4.

 

5

The pressing zone is well-defined. AC Milan moves and presses collectively and so it is able to recover many balls on the defensive/intermediate side lanes, as well as on the space ahead of the box (the three center-backs play a key role here).

 

When we look at the data registered through Videobserver regarding the ball recoveries, we can easily detect the pressing zones (side spaces – there were more ball recoveries on the right side) as well as the areas where Milan players are positioned on the defensive organization. Nearly all balls are recovered in the intermediate defensive sector, supporting the idea that the team defends deep on the pitch.

Through the Videobserver it was possible to analyze the data of ball recoveries. We have detected both the pressure zones and the area of the field in which Milan places its players. The lateral corridor was the zone of pressure that registered greater success. There was also a tendency for ball recovery to take place in the defensive midfield. It was thus confirmed that the team opts for a medium/low block.[:]