Menu Close

Análise Tática – Shakhtar Donetsk

O Shakhtar Donetsk vai ser o adversário do Benfica nos 1/16 de final. Tal como o clube da Luz, também os ucranianos caíram da Liga dos Campeões. Num grupo com Manchester City, Atalanta e Dínamo Zagreb, a equipa de Luís Castro fez 6 pontos em 6 jogos. Na liga interna, o Shakhtar Donetsk não enfrenta grande competitividade, levando já 14 pontos de vantagem para o segundo classificado, sendo que ainda não somou nenhuma derrota.

Equipa provável

Equipa provável do Shakhtar Donetsk

Alternativas:

  • Marlos – Pode jogar no lugar de Tetê, embora Tetê tenha estado bem, esta longa paragem do Shakhtar e a maior experiência de Marlos podem ditar a titularidade de Marlos no lugar de Tetê.
  • Konoplyanka – Será uma questão de opção, por parte de Luís Castro. O período de paragem que a equipa enfrentou mascarou a perceção sobre a escolha de Luís Castro para o onze inicial. A jogar Konoplyanka seria no lugar de Taison.

Luís Castro monta a equipa num 4x1x4x1. Pyatov é o guarda redes titular que, aos 35 anos, continua dar grande segurança a esta equipa. No quarteto defensivo, forma uma linha de quatro com: Dodô, Kryvtsov, Matvienko e Ismaily. Dodô foi expulso no último jogo da fase de grupos da Liga dos Campeões e por isso está indisponível. Entra, assim, para o seu lugar Sergiy Bolbat. Os laterais, os extremos e os dois médios centro (Alan Patrick e Kovalenko) são os motores desta equipa e, ao mesmo tempo, as engrenagens, quer do processo defensivo, quer do processo ofensivo.

Organização Defensiva

Assente num 4x1x4x1, formando duas linhas de quatro bem visíveis, o Shakhtar Donetsk é uma equipa de posse mas que se organiza de forma muito eficaz no seu processo defensivo. Num contexto mais competitivo, recuam as linhas de forma a jogarem num bloco médio-baixo, permitindo a saída a jogar desde trás ao seu adversário.

Raramente se vê Júnior Moraes a ser o primeiro homem a pressionar. A equipa espera que o adversário chegue ao meio campo, deixa a bola entrar nos laterais e inicia aí o seu processo de pressão ao portador da bola. O extremo e o médio desse lado fazem a pressão, o avançado faz a aproximação, se conseguirem recuperar bola saem em rápidas transições ou optam por manter a posse de bola.

Se perderem a bola no seu último terço, exercem uma pressão rápida e agressiva sobre o portador da bola, evitando que o adversário consiga sair em transição ofensiva.

Organização Ofensiva

Ofensivamente a equipa ucraniana é bastante perigosa no jogo de transições, apesar de ser mais conhecida por ter iniciativa e uma relação muito forte com a posse de bola. Quando dão a iniciativa ao adversário, procuram recuperar a posse no momento de desorganização adversária. Kovalenko, Alan Patrick, Taison e Tetê são os desequilibradores que, através de acelerações no processo de transição conseguem encontrar espaços na defensiva contrária.

Os laterais são muito ofensivos, pelo que se vê muitas vezes quase uma linha de três no processo ofensivo (Kryvtsov, Stepanenko e Matvienko). No Shakhtar não existe a regra de só poder subir um lateral, muitas vezes sobem os dois. Exploram os corredores, procurando bastantes triangulações entre extremo – médio centro – lateral.

Laterais bastante projetados, ajudando bastante no processo ofensivo. Médio a baixar, buscar jogo e ultrapassar a 1ª fase de construção

Procuram bastante jogo entre linhas e explorar as costas da defesa. Sabendo, à priori, das debilidades neste capítulo por parte do Benfica, o Shakhtar poderá apostar bastante neste tipo de jogo. Executam passes longos, desde o central até ao extremo ou lateral contrário. Kovalenko e Alan Patrick tem uma grande definição de passe, explorando as costas da defesa com colocação de bolas em profundidade entre o central e o lateral.

Procura do jogo entre linhas e capacidade ofensiva do Shakhtar

Se não forem pressionados, procuram jogar pelos laterais, se não for possível, um dos médios baixa para iniciar a 2ª fase de construção, desbloqueando espaço na zona interior onde aparece Júnior Moraes para receber de costas para a baliza e em apoio frontal. Quando bem pressionados, apresentam algumas dificuldades de construção, recorrendo ao futebol direto, que não é a melhor arma dos ucranianos.

Médio recua para dar início à 2ª fase de construção da equipa

Nota: o Shakhtar marcou dois golos em segundas bolas após pontapé de canto, nos dois últimos jogos do campeonato.

Destaque Individual

Matvienko – Defesa central de 23 anos de idade. Foi uma das revelações nesta edição da Liga dos Campeões. É um jogador rápido e agressivo na disputa de bola, ganhando grande parte dos duelos que disputa. Tem também uma boa capacidade de passe.

Dados de Matvienko esta temporada na Liga dos Campeões