Menu Close
[:pt]

«Os franceses deviam estar feliz por ele ter saído, porque agora têm uma Liga.» Foi desta forma que José Mourinho se referiu à saída de Zlatan Ibrahimovic do PSG e consequentemente, ao aumento da competitividade da liga francesa. Quem tem tirado vantagem da ausência do avançado sueco, é o Mónaco de Leonardo Jardim que ocupa o 1º lugar do campeonato com 48 pontos e o Nice de Lucien Favre, 2º classificado com 46 pontos.

Com uma equipa jovem, dinâmica e irreverente do ponto de vista ofensivo, mas ao mesmo tempo cautelosa, agressiva e pragmática, defensivamente, à imagem do seu treinador. O Mónaco merece ser destacado por contar com um dos melhores ataques da Europa com 64 golos marcados no campeonato em apenas 21 encontros.

O processo ofensivo do conjunto monegasco pode ser distinguido em cinco pontos.

Jogo Directo

O clube orientado por Leonardo Jardim não procura sair a jogar com um futebol apoiado na primeira fase de construção. O guarda-redes, Subasic, e os centrais, Glik e Jemerson, optam por um jogo mais directo para o meio-campo ofensivo. Prova disso é a média de posse de bola do Mónaco, 52%, contra 61% e 57% do PSG e Nice, respectivamente. Outro dado importante para perceber a falta de paciência na fase de construção é a média de passes de Daniel Subasic, 40 metros. Com 29% da posse de bola no meio-campo contrário, o Mónaco é a equipa que mais joga no terreno do adversário.

vo_capture_Equipa Visitante_vs_Equipa Visitante_01
Imagem 1 – Subasic podia sair a jogar face à falta de pressão ofensiva do PSG mas opta por jogar longo para a Bernardo Silva, no corredor esquerdo.

Transições

Com um sistema assente num 1x4x4x2, a equipa privilegia os ataques rápidos por intermédio da velocidade de Lemar e também da imprevisibilidade de Bernardo Silva que parte de uma das faixas para depois flectir para o meio. O extremo francês já leva sete golos e quatro assistências mas é nos passes chave que tem sido destaque com 1,8 por jogo. Por outro lado, o jovem português tem tantos golos como assistências, quatro, e em média por jogo realiza 1,6 remates e arrisca com 1,7 dribles.

Papel muito importante de Falcao que recua no terreno para apoiar e oferecer qualidade e critério na definição das jogadas. Recebe, roda e entrega a Germain que está encostado à direita. Lemar e Sidibe em posição para atacarem o espaço e oferecerem soluções na saída rápida.

vo_capture_Equipa Visitante_vs_Equipa Visitante_04
Imagem 2 – Bakayoko recupera e entrega para Bernardo. O português toca curta em Falcao que define a jogada ofensiva. Inteligência e maturidade do avançado colombiano nas transições ofensivas. Pode esticar na velocidade dos extremos ou jogar na profundidade para Germain.

Cruzamentos

Com dois laterais de cariz ofensivo, Djibril Sidibé e Benjamin Mendy, e dois extremos capazes de desequilibrarem por dentro e por fora, Thomas Lemar e Bernardo Silva, o Mónaco completa em média 24 cruzamentos por jogo para o Campeonato. Em 60 apontados esta temporada, 13 foram de bola parada e 37 de jogo corrido. Números que demonstram a importância dos cruzamentos e dos lances de livres e cantos, muitas vezes desbloqueadores de resultados.

Leonardo Jardim direcciona a sua equipa para explorar os corredores laterais, com passes em profundidade para os extremos, ainda na primeira fase de construção. Lemar e Bernardo, muitas vezes em organização ofensiva, procuram zonas mais interiores para permitirem a subida dos laterais nas suas costas, aproveitando características como velocidade, técnica, imprevisibilidade e sobretudo qualidade no cruzamento com uma boa leitura táctica dos lances.

A equipa promove situações de superioridade com o lateral a incorporar o ataque e a juntar-se ao extremo, criando sempre dificuldades ao defesa contrário.

vo_capture_Equipa Visitante_vs_Equipa Visitante_03
Imagem 3 – Raggi a conduzir na direita para depois soltar a Sidibe que levanta a cabeça e descobre João Moutinho a atacar o espaço à entrada da grande área. A bola a sair para o homem melhor posicionado para finalizar.

Pressão

Como uma equipa que vive muito das transições e dos ataques rápidos, o Mónaco procura reagir à perda de bola ainda não seu meio-campo ofensivo e pressionar os adversários na saída de bola. Dificultando os contra-ataques e condicionando a estratégia contrária, com a opção de recuperar a posse em terrenos ofensivos para depois atacar com o adversário desposicionado defensivamente.

Os jogadores têm plena noção do tempo e espaço a atacar quando o adversário não aparenta ter o controlo da posse. Fabinho e Bakayoko pressionam, recuperam e entregam. Falcao, Germain, Bernardo Silva e Lemar recorrem às suas capacidades de decisão para criarem situações de golo para a equipa, sendo fundamentais neste momento do jogo.

No processo defensivo, é possível ver os extremos a fecharem por dentro e a conduzirem o adversário para os corredores para depois pressionarem. Uma estratégia pensada e que faz com que o Mónaco tenha vantagem numérica no corredor central. Defensivamente, o conjunto monegasco concede em média 10,2 remates por jogo, completa 19,6 desarmes e 15,1 intercepções por jogo.

vo_capture_Equipa Visitante_vs_Equipa Visitante_02
Imagem 4 – Equipa a reagir rápido depois de perder a bola em organização ofensiva, pressão a ter resultado com a bola a sobrar para Bernardo Silva que numa iniciativa individual faz o golo. Se a pressão falhasse a bola entrava em zona perigosa com o Tottenham a poder aproveitar o balanceamento ofensivo do Mónaco.

Príncipes & Reis

O Mónaco de hoje é diferente daquele que o seu dono, Dmitry Rybolovlev idealizou há uns anos atrás. Os Príncipes do Mónaco procuram fazer história esta época rumo ao título francês. O Principezinho, Bernardo Silva, tem comandado com classe e mestria o Mónaco às vitórias mas não é o único jovem em destaque. A dupla do meio-campo, composta por Bakayoko e Fabinho de 22 e 23 anos, respectivamente, tem despertado a atenção de grandes clubes europeus. Nos corredores, os laterais Mendy, Sidibe e o extremo Lemar com idades inferiores a 24 anos, mostram que existe qualidade de sobra no Principiado. Guido Carrillo, Boschilia, Mbappe, Traoré, Jemerson, Touré e Jean completam o restante lote de jovens promessas.

No clube dos Reis, Subasic é o esteio defensivo mas conta com a ajuda de jogadores mais experientes como Dirar, João Moutinho e Falcao, todos eles com 30 anos. O médio português tem perdido espaço no sector intermédio do Mónaco mas continua a oferecer soluções de grande qualidade. Por outro lado, o avançado e capitão de equipa parece ter voltado ao seu melhor momento de forma, depois das lesões que o fustigaram no passado recente. Perdeu algumas características físicas importantes mas ganhou em equilíbrio, maturidade e sentido posicional. Um avançado diferente mas igualmente com faro de golo como comprovam os 12 golos em 14 partidas para o Campeonato. Ao seu lado, conta com o apoio do francês Germain que tem sido importante na nova realidade do clube. Dois avançados que se complementam e que sabem atacar os espaços na área como poucos.

Link: Blog VideObserver

[:en]“The French should be happy that he left, because now they have a league.” This was how José Mourinho referred to Zlatan Ibrahimovic departure from PSG and consequently, to the increased competitiveness within the French League. Leonardo Jardim´s Monaco has been taking advantage of this, being currently in 1st place with 48 points, and also, Lucie Favre’s Nice in 2nd place with 46 points.

A young, dynamic and irreverent team from an offensive point of view, but at the same time cautious, aggressive and pragmatic, defensively, just like Leonardo Jardim.

Monaco deserves to be highlighted for having one of the best attacks in Europe, counting with 64 goals with only 21 matches in the League.

The Monegasque offensive process can be distinguished in five points.

Direct Play

In the first phase of construction, Monaco doesn’t start with a supported football. The goalkeeper, Subasic, and central defenders, Glik and Jemerson, chose a direct style to the offensive midfield. Proof of this is the average possession of Monaco, 52%, against 61% and 57% of PSG and Nice, respectively. Another important thing to understand the impatience in the construction phase is the average distance covered by Daniel Subasic passes – 40 meters. With 29% of ball possession in the opponent’s half, Monaco is the team that plays most time in the offensive midfield.

vo_capture_Equipa Visitante_vs_Equipa Visitante_01
Image 1 – Subasic could play easily due to the lack of pressure from PSG, but chooses to play long for Bernardo Silva, on the left wing.

Transitions

With a 1-4-4-2 formation, the team privileges the fast transitions by means Lemar´s speed, and also by Bernardo Silva´s unpredictability who starts in one of the wings and deflects to the middle. The French winger already has 7 goals and 4 assists, staring in the key passes – 1,8 per game. On the other hand, the young Portuguese has the same amount of goals and assists, 4, accomplishing an average of 1,6 shots and  1,7 dribles by match.

Falcao has an important role as he gets back on the field in order to support and offer quality and criteria in the play´s definition. He receives, turns and delivers to Germain on the right. Lemar and Sidibe in position to attack the space and offer a solution for the quick play.

vo_capture_Equipa Visitante_vs_Equipa Visitante_04
Image 2 – Bakayoko recovers and passes to Bernardo. The Portuguese plays short for Falcao, who defines the offensive play. Cleverness and maturity from the Colombian forward in the offensive transition – he can stretch in the speed of the wingers or in depth for Germain.

Crosses

With 2 offensive full backs – Djibril Sidibé and Benjamin Mendy, and 2 wingers that can unbalance inside and outside – Thomas Lemar and Bernardo Silva, Monaco completes on average 24 crossings per game for Ligue 1. In 60 goals scored this season, 13 were from set plays and 41 from offensive plays. This numbers illustrate the importance of indirect free kicks and corners, often results´s unlockers.

Leonardo Jardim directs his team to explore the side corridors, with passes in depth to the wingers, still in the first phase of construction. Lemar and Bernardo, often in offensive organization, search for interior zones in order to allow the full backs upturn on their back, taking advantage of speed, technique, unpredictability and above all, quality in the crosses with a good tactical reading of the plays.

The team frightens the opponent’s defense by having their full back embedding the attack and joining the winger.

vo_capture_Equipa Visitante_vs_Equipa Visitante_03
Image 3 – Raggi progression on the right, delivering to Sidibe that raises his head high and finds João Moutinho attacking the space in the area entrance. The ball is going out for the better placed man to finish.

Pressure

As a team that relies on fast attacks and counter attacks, Monaco reacts to the ball loss still in the offensive midfield, pressing the opponent at the start of the play. They make counter-attacks difficult and restrict the opponent’s strategy, with the option to regain possession on an offensive ground, and then attack an unbalanced defensive opponent.

Players have full sense of time and space attacking the opponent when this does not appear to control the ball possession. Fabinho and Bakayoko pressure, recover and deliver the ball. Falcao, Germain, Bernardo Silva and Lemar use their decision-making abilities to create goal situations for the team, crucial in this moments.

In the defensive process, it’s possible to see the wingers closing inside, leading the opponent to the side lanes to pressure, then. A thought strategy that allows Monaco to have numerical advantage in the central lane. Defensively, the Monegasque team grants an average of 10,2 shots per game, completes 19,6 disarms and 15,1 interceptions.

vo_capture_Equipa Visitante_vs_Equipa Visitante_02
Image 4 – The team reacts quickly after losing the ball in an offensive organization. The pressure results in a ball set to Bernardo Silva who, in an individual initiative makes the goal. If the pressure didn’t work, the ball would get in a danger zone for Tottenham to take advantage of Monaco’s offensive balancing.

Princes & Kings

Today’s Monaco is different from the one its owner Dmitry Rybolovlev dreamed of a few years ago. The Princes of Monaco seek to make history this season towards the French title. The Little Prince, Bernardo Silva, has been commanding with class and mastery the team to victories, but it’s not the only youngster in the spotlight. The midfield duo Bakayoko and Fabinho, 22 and 23 years old respectively, have been catching the attention of major European clubs. On the wings, the full backs Mendy, Sidibe and the winger Lemar, all under 24 years old, have also been showing us that there’s so much quality in Leonardo Jardim´s Monaco. Guido Carrillo, Boschilia, Mbappe, Traoré, Jemerson, Touré and Jean complete the remaining batch of young promises.

In the club of Kings, Subasic is the defensive mainstay, but he counts with the help of more experienced players like Dirar, João Moutinho and Falcao, all of them with 30 years. The Portuguese midfielder has lost ground in the middle sector but continues to offer high quality solutions. On the other side, the striker and team’s captain seems to be back to his best form, after the recent injuries. He lost some important physical abilities but gained balance, maturity and positional sense. A different striker but still with with goal nose, as evidenced by the 12 goals in 15 matches for the League. At his side, Germain has been important in the club’s new reality. Two forwards who complement each other and know how to attack spaces in the area like few others.

Link: Blog VideObserver

[:]