Menu Close

Bundesliga 2019/2020 – Parte 1/3

O dia 16 de maio vai marcar o tão desejado regresso à competição na Alemanha e a ProScout não quis deixar este acontecimento de lado. Dois meses e meio após o último encontro, a espera parece ter terminado e a Bundesliga vai finalmente reatar, para êxtase dos apaixonados pelo jogo. Esta é a primeira das principais ligas europeias a voltar aos relvados, contornando assim a situação pandémica que ainda vivemos.

Para facilitar o regresso aos relvados, pois todos os olhos vão estar em terras germânicas, decidimos elaborar este Guia que resumisse as equipas e os seus craques. Começamos pelo contexto de cada clube, passamos pelos seus pontos forte e fracos e terminamos com as suas referências individuais. Aqui estão reunidas todos as condições para te tornares um especialista assim que a bola começar a rolar. Que comece o jogo!

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Contexto Actual do Clube

O Paderborn encontra-se numa situação bastante complicada. A descida de divisão é o cenário mais provável, visto que se encontra no último lugar com 16 pontos, menos 10 que o Mainz que está acima da linha de água. Em 2020 ganharam apenas um jogo em oito possíveis e a situação está difícil para os comandados de Steffen Baumgart.
O modelo de jogo idealizado não está a dar resultado na Bundesliga, a falta de qualidade individual é óbvia e traduz-se numa falta de qualidade coletiva, tornando assim ainda mais difícil o trabalho do treinador.

Pontos Fortes

O Paderborn baseia o seu jogo ofensivo nas laterais, procurando explorar a velocidade dos seus jogadores nos corredores. O passe direto é uma das principais apostas, sendo que o flanco esquerdo é o preferido para criar situações de perigo.

Pontos Fracos

A equipa apresenta dificuldades nos dois momentos defensivos. A transição defensiva é lenta e desorganizada, sendo que os jogadores aparecem nas posições erradas e criam muitas descompensações que são facilmente aproveitadas pelos adversários.

A organização defensiva é defeituosa: os jogadores permitem espaços ao adversário e por norma orientam mal o corpo quando é necessário rodar para acompanhar um jogador. A pressão do Paderborn é ineficaz, sendo que a equipa define mal as referências de marcação e esta pressão é facilmente ultrapassada através passe.

Jogadores-Chave

Sebastian Schonlau

O defesa central é um dos aspetos positivos dentro da fraca organização defensiva do Paderborn. Mostra segurança com bola, sobretudo pela capacidade de passe que possui, inclusive no passe longo. Cumpre 1.8 interceções e 2.8 desarmes por jogo. Ainda com 25 anos é possível que se mantenha na Bundesliga na próxima temporada, numa equipa de qualidade superior.

Kai Pröger

Atua como extremo direito e é um dos desequilibradores da equipa. Procura ser o recetor dos passes longos e diretos, tirando vantagem da capacidade de ataque ao espaço que possui. Pode apostar também no drible, visto que tem qualidade no 1v1.

Christopher Antwi-Adjei

Antwi-Adjei é o extremo esquerdo da equipa e um dos mais influentes naquilo que são as movimentações e procuras de criar espaço para os colegas. Também se destaca pelo drible, e pela forma como progride com bola.

Contexto Actual do Clube

O Werder Bremen chega a esta fase da época sem vencer nos seus últimos 5 jogos. Encontra-se na penúltima posição da classificação, a 8 pontos da linha de água e a 4 pontos do lugar ocupado pelo Fortuna Düsseldorf que permite disputar o playoff de despromoção. Apesar de ter uma série de jogos particularmente complicada até ao final, esta paragem poderá ter permitido ganhar um novo fôlego na luta pela manutenção.

Pontos Fortes

Embora com algumas alterações pontuais, a estrutura mais frequentemente utilizada é a de 3-4-3, assumindo um posicionamento 5-4-1 no momento defensivo. Ocupando a penúltima posição da tabela classificativa, a equipa de Florian Kohfeldt é, simultaneamente, o pior ataque e pior defesa da Bundesliga.

São uma equipa que explora muito situações de ataque rápido, envolvendo geralmente poucos jogadores, assumindo pouco risco a nível de transição defensiva, no entanto, devido à capacidade individual dos jogadores mais avançados, conseguem criar situações de golo iminente.

Pontos Fracos

A nível defensivo, revelam muita descoordenação tanto ao nível da linha defensiva, bem como na perceção coletiva dos momentos de pressão, facilitando bastante ao adversário a chegada a zonas de finalização.

Revelam ainda dificuldade de coordenação entre a linha defensiva e o guarda-redes Pavlenka, sendo por diversas vezes explorado o espaço na profundidade defensiva.

Jogadores-Chave

Max Eggestein

Médio alemão de 23 anos com boa capacidade posicional e de ocupação de espaços. Com uma boa envergadura física, que lhe permite ganhar muitos dos duelos a meio campo. Forte no passe longo e na forma como reage rapidamente à perda de bola, prevenindo muitas transições rápidas dos adversários. Apesar de ainda jovem, é um dos jogadores mais utilizados da equipa.

Davy Klaassen

O médio holandês de 27 anos é totalista na presente edição da Bundesliga. Na segunda época ao serviço do Werder Bremen, é um dos pilares da equipa, sendo o jogador com mais critério na definição da manobra ofensiva. Excelente capacidade no último passe, bem como a surgir em zonas de finalização. Apesar das dificuldades da equipa nesta época, contabiliza 6 golos e 5 assistências.

Milot Rashica

Extremo de 23 anos, internacional pelo Kosovo. Com 10 golos, é o melhor marcador da equipa, juntando ainda 5 assistências. Jogador irreverente na forma como encara situações de 1vs1. Muito rápido e com grande iniciativa em ações individuais. Tem ainda uma grande facilidade no remate, tanto de meia distância como quando surge em frente ao guarda-redes. É o elemento mais desequilibrador do Werder Bremen, sendo uma das esperanças na árdua luta pela manutenção.

Contexto Actual do Clube

A equipa de Dusseldorf apresenta-se neste momento numa frágil posição da Bundesliga, ocupando a primeira posição da linha de água do campeonato, 16º lugar que dá acesso ao playoff de despromoção. A equipa comandada por Uwe Rosler apresenta-se normalmente num sistema tático de três centrais: 1-5-2-3.

Apesar da classificação, e após a mudança de treinador, os homens de Uwe Rosler apresentam potencial de crescimento para uma subida na tabela e consequente manutenção na Bundesliga.

Pontos Fortes

Ofensivamente, possuem uma interessante capacidade de sair a jogar a partir detrás. Quando não conseguem sair limpo, com a bola controlada de forma curta, destacam-se pela sua capacidade em bolas longas. Normalmente a principal referência, o ponta de lança, ou procura a profundidade, ou mesmo em apoio, consegue ganhar a primeira bola com facilidade, e estando a equipa próxima deste jogador, são capazes de ganhar a segunda bola e acelerar, criando perigo para o adversário que está a pressionar mais alto.

Possuem interessantes dinâmicas na procura pela profundidade, quando no momento de Transição Ofensiva. Semelhante aos processos de organização ofensiva, procuram a profundidade com sucesso, ganhando a primeira bola seja pelo ar ou pelo chão, e a partir daí aceleram com os jogadores mais avançados

Pontos Fracos

Em Organização Defensiva, possuem uma boa capacidade de pressão, em que destacamos uma pressão média-alta no terreno de jogo. Porém, é neste momento onde vão apresentando algumas fragilidades defensivas: se o adversário for capaz de ultrapassar a primeira linha de pressão com três avançados, que normalmente pressionam de fora para dentro, há demasiado espaço entre a linha avançada-média-defensiva, sendo que há espaço para acelerar.

Jogadores-Chave

Kaan Ayhan

Médio alemão de 23 anos com boa capacidade posicional e de ocupação de espaços. Com uma boa envergadura física, que lhe permite ganhar muitos dos duelos a meio campo. Forte no passe longo e na forma como reage rapidamente à perda de bola, prevenindo muitas transições rápidas dos adversários. Apesar de ainda jovem, é um dos jogadores mais utilizados da equipa.

Kenan Karaman

Internacional turco, avançado de 26 anos é uma das referências: tal como foi identificado acima, apresenta uma enorme capacidade de movimentos em apoio, jogando de costas para a baliza e ligando as fases mais ofensivas, bem como um bom jogo aéreo na 1º bola ou a procura pela profundidade

Valon Berisha

Internacional pelo Kosovo emprestado pela Lazio. Muito forte no 1×1, é um dos mais importantes jogadores no último terço, criando oportunidades, finalizando com frequência ou servindo os colegas. Rápido, ágil e inteligente na tomada de decisão.

Contexto Actual do Clube

Após o 6º lugar em 2015/2016, com Martin Schmidt, que deu acesso à fase de grupos da Liga Europa no ano seguinte, o Mainz não consegui mais voltar a ser competitivo. Na temporada passada terminou em 12º e foi a melhor classificação nas últimas três temporadas. Este ano, a equipa sofreu chicotada psicológica, ao ver o seu técnico despedido à 11º jornada, onde tinha três vitórias e oito derrotas.

Saiu Sandro Schwarz, entrou Achim Beierlorzer (que havia sido despedido nessa mesma jornada do FC Köln). Mudança no comando técnico, mudança no sistema tático. A equipa jogava habitualmente num 4-3-1-2 e passou a jogar num 3-4-1-2 ou 3-4-2-1.

Pontos Fortes

A equipa baixa bastante o bloco, jogando em bloco médio-baixo. Szalai ou Onisiwo iniciam a pressão à primeira linha defensiva do adversário. Tentam manter sempre o bloco compacto, não oferecendo muitos espaços entre linhas.

Após a recuperação da posse de bola, o Mainz opta por um jogo vertical. Em virtude de passarem grande parte do tempo de jogo em organização defensiva (média de 44,5% p/jogo), o Mainz opta por jogar em contra-ataque e em transições ofensivas rápidas. Projetando os laterais e explorando a profundidade, através dos jogadores mais ofensivos.

Pontos Fracos

Em 11 jogos o Mainz tinha sofrido 30 golos (média de 2,73 golos p/jogo – pior defesa do campeonato). Após a entrada de Achim Beierlorzer, o Mainz, em 14 jogos disputados para a Bundesliga, sofreu 23 golos (média de 2,73 golos p/jogo).

Jogadores-Chave

Jean-Paul Boëtius

Deslocado do corredor para o meio, é onde Boëtius tem rendido mais. Mais bola, mais jogo, mais criatividade, mais Boëtius. É o jogador mais criativo do Mainz. Capaz de desequilibrar através de passe ou de jogadas individuais. Tem drible, é ágil com bola e compacta estas capacidades numa boa capacidade de progressão com bola. Esta temporada soma cinco assistências na Bundesliga.

Karim Onisiwo

Enquadrado num sistema de dois avançados, Onisiwo funciona como a referência ofensiva. Alto e forte fisicamente, tem capacidade para jogar de frente. Apresenta boa capacidade de rotação e procura das zonas de finalização. Esta temporada soma 5 assistências e 4 golos.

Robin Quaison

Está a realizar a sua melhor temporada a nível de golos marcados. Passou a jogar em posições mais centrais, funcionando como segundo avançado, e a aparecer mais em zonas de finalização. Tem uma capacidade de aceleração interessante e uma potência de remate muito positiva. Destaca-se, igualmente, a capacidade de remate de primeira. Esta temporada soma 12 golos marcados em 24 jogos.

Contexto Actual do Clube

À partida para a edição 2019/20 da Bundesliga, o FC Augsburg tinha como claro objetivo a manutenção no principal escalão do futebol alemão.

Olhando para o que a equipa tinha feito na edição anterior – terminara no 15º lugar da tabela classificativa, dois lugares acima daqueles que dariam acesso direto à despromoção à Bundesliga 2 e um lugar acima de evitar jogar um play-off de despromoção – a tarefa de permanecer entre os grandes germânicos não se adivinhava fácil, não só pelo passado recente da equipa em termos classificativos mas, sobretudo, pelas saídas em definitivo de jogadores importantes do setor defensivo que poderiam acentuar ainda mais as debilidades consentidas pela equipa no passando recente, casos das saídas de Hinteregger e Danso.

Pontos Fortes

A equipa procura, ainda que menos observável e de forma mais organizada, potenciar várias situações de cruzamento para a área através dos seus laterais, que garantem também eles profundidade aos corredores, com os alas em zonas mais interiores neste momento do jogo. É essencialmente no momento de transição ofensiva que a equipa é altamente letal.

A velocidade e capacidade de aceleração dos alas e dos próprios laterais (em particular de Max) é uma constante, e é precisamente pelos corredores laterais que a equipa procura sair e chegar rapidamente a situações de finalização e é desta forma que o Augsburg tem marcado a maioria dos seus golos. Num dado disponível pelo site oficial da Bundesliga, este, diz-nos que o Augsburg é a 3ª equipa do campeonato com um maior nº médio de acelerações realizadas em intensidade máxima, e aqui percebemos a vertigem e intensidade que a equipa coloca nesses momentos de ataque após ganho da bola.

Pontos Fracos

Se no ataque a equipa é vertiginosa nas suas investidas, em particular no momento de transição ofensiva, no momento defensivo a equipa sente muitas dificuldades, fundamentalmente, no controlo da profundidade, onde aqui, se denotam comportamentos setoriais (articulação da última linha defensiva) e individuais (posicionamento dos apoios) que levam a que o Augsburg apresente lacunas bastante acentuadas na sua organização defensiva e em particular no comportamento da sua última linha.

Outro dos pontos fracos visíveis, é a tendência dos elementos da última linha relacionarem-se individualmente com os adversários, esses relacionamentos individuais permitem que estes sejam facilmente arrastados e que se crie muito espaço nas suas costas.

Subjacente a esses arrastamentos, está muitas vezes associado a dificuldade no controlo de cruzamentos, isto é, dificuldade no controlo e fecho da largura e profundidade dos corredores, permitindo muitas ações de cruzamento ao adversário.

Jogadores-Chave

Florian Niederlechner

Ponta de lança alemão de 29 anos realizou 25 jogos, contabilizando 11 golos e 8 assistências. Em termos ofensivos, procura ser solicitado em profundidade, sobretudo no momento de TO (pode funcionar como 1º apoio frontal) da equipa, é móvel, rápido e tem capacidade para atacar essa mesma profundidade, essencialmente, como desmarcações de dentro para fora (para os corredores). Para além dessa solicitação em profundidade, procura atacar, de forma mais incisiva, a zona de penalti/pequena área para finalizar. Num dado estatístico disponibilizado pelo site da Bundesliga, Nierderlechner, surge como o 4º jogador mais rematador de toda a competição com 68 remates efetuados.

Philipp Max

Lateral Esquerdo alemão de de 26 anos, realizou esta época 23 jogos, apontou 7 golos e efetuou 5 assistências para golo. É claramente aquilo a que muitas vezes se denomina de o “lateral moderno”. Muito participativo no processo ofensivo da equipa, aliando grande capacidade de oferecer largura e profundidade ao seu corredor, velocidade e capacidade de aceleração que o levam a surgir facilmente em zonas de finalização. É um exímio executante de bolas paradas. No processo defensivo, tem algumas dificuldades no momento de pressão/antecipação ao seu portador direto, procura relacionar-se individualmente com este(s), destapando em muitas dessas situações as suas costas. Dificuldades visíveis também no momento de transição/recuperação defensiva.

Ruben Vargas

Extremo Esquerdo, internacional suíço participou em 24 jogos, fez 4 golos e 2 assistências. A sua principal característica reside na grande capacidade de aceleração que apresenta, com e sem bola. Alia essa capacidade de aceleração para ultrapassar os seus adversários diretos através de drible. É um jogador vertical, mais de linha (joga preferencialmente aberto no corredor, para que possa acelerar e entrar em ações de fora para dentro) e não tanto de espaços interiores (maior dificuldade em espaços curtos). Necessita de ter espaço em profundidade para que as suas principais qualidades sobressaiam. Apresenta uma boa chegada (rápida e agressiva) a zonas de finalização.

Contexto Actual do Clube

O Hertha é um clube que está prestes a entrar num novo paradigma face ao investimento feito pelo magnata alemão Lars Windhorst. Nos próximos anos espera-se que tal investimento se consolide em lutas pelos lugares europeus e quem sabe, a entrada na Liga Dos Campeões. O emblema da capital encontra-se no 13º lugar, ainda muito longe desses objectivos. O clube tem neste momento de encontrar estabilidade e uma identidade de jogo para poder construir o seu futuro com bases mais sólidas.

Pontos Fortes

Apesar de não ser das equipas mais excitantes da Bundesliga, o Hertha é uma equipa com algumas qualidades, à volta das quais pode potencialmente se tornar mais forte no futuro. Um dos seus pontos mais fortes é a sua flexibilidade táctica, tanto se pode apresentar num 4-4-2, 4-2-3-1 ou até em 5-4-1 e 5-3-2, não só de jogo para jogo, mas dentro também dos 90 minutos, capaz de se adaptar ao adversário e às necessidades do jogo.

Um dos aspectos mais fortes da equipa é o controlo da profundidade, algo que já vem desde o consulado de Klinsmann, onde a equipa era bem estimulada a responder a bolas mais longas nas suas costas.

Pontos Fracos

Ainda no momento defensivo, não são só positivos. A forma como a equipa pressiona e se posiciona em campo deixa muitos espaços entre os sectores. A equipa sofre um pouco ainda de uma espécie de crise de identidade ainda, não sabendo ainda muito bem se pressiona mais alto ou se baixa o bloco e junta mais as linhas, uma indefinição de sector para sector que tem vindo a prejudicar o Hertha.

Outro aspecto negativo é o seu jogo com bola, que se apresenta ainda um pouco rudimentar e existe uma falta de proximidade entre unidades, muitas vezes o portador da bola encontra-se sozinho numa ilha rodeado de adversários, sendo forçado ao erro, ou forçado a jogar mais longo, impedindo o Hertha de fazer mais jogadas de envolvência.

Jogadores-Chave

Jordan Torunarigha

Um dos defesas mais promissores da Bundesliga e que pode vir a crescer imenso no clube, fisicamente poderoso e também se mostra confortável com a bola nos pés.

Matheus Cunha

O jovem atacante brasileiro de 20 anos chega do Leipzig naquele que foi um dos primeiros novos investimentos avultados do clube. Explosivo e irreverente, que promete, encontrada uma estabilidade onde posso crescer, dar muitas alegrias ao clube de Berlim.

Krzysztof Piątek

O avançado polaco dispensa apresentações. Chega do Milan onde chegou a ser um dos avançados mais pretendidos do futebol europeu e chega ao Hertha sob a forma de uma das contratações mais sonantes da história do clube. Dele espera-se um jogador de rendimento imediato, mas para já conta com 2 golos marcados.