Menu Close

Eduardo Quaresma – Em terra de extremos, quem tem central assim é Rei

Eduardo Quaresma (2002) é ainda júnior de primeiro ano, mas tem sido aposta de Ruben Amorim, fazendo parte da linha de três centrais montada pelo treinador no seu sistema de 1x3x4x3. Estes jogos têm revelado todo o potencial que já levava o defesa central a figurar nas shortlists de vários gigantes europeus.

Descaído mais sobre a central direita, aparece numa posição que o pode beneficiar e proteger de possíveis duelos perdidos, erros de concentração ou coordenação defensiva (próprios de um jovem jogador ainda em maturação).

Eduardo Quaresma é um defesa moderno. Aliado a um bom perfil morfológico (1.85 m, 76 kg), demonstra ser um central rápido, nas diferentes manifestações dessa capacidade condicional. Além da velocidade de deslocamento propriamente dita, demonstra uma grande capacidade de processar informação de forma célere, lendo a situação de jogo, decidindo e executando da melhor forma. É esta capacidade que faz dele um jogador maduro, nos seus verdes 18 anos e que lhe permite ganhar os seus duelos individuais e ombrear com jogadores seniores.

Eduardo Quaresma – Processo Defensivo

Em processo ofensivo, pode assumir uma grande importância no modelo Amorim. De facto, a sua capacidade técnica aliada à qualidade que demonstra na tomada de decisão, permite-lhe assumir protagonismo na etapa de construção do Sporting.

Para continuar a evoluir e atingir todo o seu potencial, é importante que Eduardo Quaresma continue a jogar em patamares que o estimulem e o desafiem a superar-se. Se tal acontecer, e se o jogador continuar a agarrar as suas oportunidades, poderemos estar a observar a ascensão de um futuro defesa central de referência para a Seleção Nacional.

Eduardo Quaresma – Processo Ofensivo