Menu Close

Guia MLS 2019

A MLS 2019 arranca hoje e a ProScout vai acompanhar a edição desta temporada. Elaborámos um guia sobre as 24 equipas da prova.

Atlanta United

Os campeões em título começam a época de 2019 com um novo treinador, Frank de Boer, que vem trazer um cunho mais europeu ao clube. Apesar de tradicionalmente o holandês utilizar um esquema 4x3x3, aparentemente manterá o esquema que fez do Atlanta campeão (3x4x3) introduzindo, no entanto, algumas nuances tácticas. Declarações na imprensa do capitão da equipa levantam o véu à abordagem que o treinador ex-Inter de Milão quer introduzir: uma abordagem defensiva mais conservadora, com os laterais menos projectados e mais fechados, bem como a introdução de mais coberturas defensivas durante a posse de bola.

Espera-se mais uma temporada forte dos homens de Atlanta e certamente serão um dos principais candidatos à vitória final. Perderam Almirón mas continuam a contar com Josef Martínez, o melhor marcador na época passada com 35 golos, e ainda assinaram com a antiga estrela do River Plate, Pity Martínez.

Entradas: Pity Martínez (River Plate), Brek Shea (Vancouver Whitecaps), Florentin Pogba (Sem clube), Eric Remedi (Banfield), Brendan Moore (Rochdale)

Saídas: Chris McCann (DC Utd), Miguel Almirón (Newcastle), Greg Garza (Cincinnati), Andrew Wheeler-Omiunu (FC Tucson)

XI Base Provável:

Chicago Fire

O treinador Paunovic é conhecido por não ter apenas um esquema táctico como constante ao longo das épocas e certamente que esta edição não será diferente. Prevê-se uma alternância entre o 4x2x3x1, que foi o modelo mais utilizado em 2018 e um 3x4x3 assimétrico, com a possível entrada de Frankowski para o 11 inicial e a ser-lhe concedido um papel mais semelhante ao de extremo do que propriamente ao de avançado.

Chicago é uma equipa que pode aspirar a uma chegada aos playoffs, se conseguirem retirar o rendimento desejado dos reforços para esta época. No entanto, a margem de erro é bastante curta.

Saídas: Daniel Johnson (Legion FC), Rafael Ramos (FC Twente), Michael de Leeuw (FC Emmen), Marcus Ureña (LD Alajuelense), Jon Bakero (Toronto FC), Matt Polster (Rangers)

Entradas: Przemyslaw Frankowski (Jagiellonia), Marcelo (Sporting CP), Sapong (Philadelphia), Raheem Edwards (Montreal Impact), Alexander Katai (Alavés), Martinez (C. Crew), Ousted (D.C United), Nico Gaitán (DL Yifang)

XI Base Provável:

FC Cincinnati

Pela primeira vez a competir na MLS, em 2018 Cincy foi o clube com mais pontos da história da USL, apesar de não terem conseguido conquistar o campeonato secundário americano. Nas mãos do treinador Alan Koch, poderíamos esperar uma equipa montada em 4x4x2 losango, semelhante ao que apresentou na época passada, mas nos jogos de pré-temporada realizados até agora, o FCC tem se mostrado em 3x4x3.  Será uma equipa mais focada no aspecto defensivo do jogo, com bastante qualidade na linha defensiva.

Uma chegada aos playoffs seria uma estreia fantástica, mas é um objetivo um pouco irrealista para estes newcomers.

Saídas: Evan Newton (Indy Eleven), Lahoud (San Antonio FC), Matt Bhaner (St. Louis), Will Seymore (San Reno), Russel Ciccerone (St. Louis), Richie Ryan (El Paso), Paddy Barrett (Indy Eleven), Daniel Haber (Ottawa Fury), Danni Konig (Lyngby FK)

Entradas: Fernando Adi (Timbers), Kendall Watson (Vancouver), Greg Garza (Atlanta), Nick Hagglund (Toronto), Alvas Powell (Timbers), Caleb Stanko (Freiburg), Fatai Alashe (Quakes), Kekuta Manneh (St.Gallen), Mathieu Deplagne (Troyes)

XI Base Provável:

Columbus Crew

A equipa do português Pedro Santos, ex-SC Braga. Os Crew serão uma equipa que deverá ter um campeonato tranquilo, com o claro objectivo de voltar aos playoffs. Apesar de ter um novo treinador, Caleb Porter, este deverá manter a base da equipa da época anterior. Geralmente apresentando-se em 4x2x3x1, com duplo pivot defensivo no meio campo. Segundo declarações de Porter, Columbus quer ser uma equipa equilibrada em todos os momentos do jogo, com especial intensidade na pressão ao adversário após perda da bola.

Saídas: Mohammed Abu (Valerenga), Christian Martinez (Chicago Fire), Logan Ketterer (El Paso), Adam Jahn (Pheonix Rising)

Entradas: Justin Meram (Orlando City), Patrick Mullins (D.C United), Robinho (Ceará), Milton Valenzuela (Newell’s), Joe Bendik (Orlando City)

XI Base Provável:

DC United

Treinados por Ben Olsen, a equipa da capital caracteriza-se por defender com uma linha defensiva bastante alta no terreno e com pressão a campo inteiro, tentando recuperar a bola o mais à frente possível.  Alinhados em 4x2x3x1, pretendem sempre sair a jogar em posse a partir da defesa, sempre com a intenção de envolver Luciano Acosta na organização ofensiva.

Com um 11 base forte e boa profundidade de plantel, assim como um novo estádio e staff, o D.C poderá ser uma das equipas mais fortes desta época e chegar às rondas mais avançadas dos playoffs.

Saídas: Taylor Kemp (fim de carreira), Steve Clark (Timbers), Ousted (Chicago Fire), Nick DeLeon (Toronto), Kofi Opare (Colorado), Ian Harkes (Dundee), Patrick Mullins (C. Crew)

Entradas: Leonardo Jara (Boca Juniors), Lucas Rodriguez (Estudiantes), Chris McCann (Atlanta)

XI Base Provável:

Montreal Impact

Após falharem os playoffs na temporada transacta, a equipa canadiana quererá certamente deixa uma melhor imagem em 2019. Treinados por Rémi Garde, experiente técnico francês com passagens pelo Aston Villa e Lyon, perspectiva-se uma equipa alinhada em 4x3x3, tentando tirar partido da criatividade e irreverência de Ignacio Piatti, destacadamente o melhor jogador da equipa e um dos melhores de toda a MLS. Se Rémi Garde conseguir melhorar o registo defensivo da equipa nesta época, poderá ser uma das boas surpresas desta conferência este.

Saídas: Alejandro Silva (Olimpia), Raheem Edwards (Chicago Fire), Rod Fanni (fim de contrato), Matteo Mancosu (Virtus Entella), Maxime Crépeau (Vancouver Whitecaps), Chris Duval (Houston)

Entradas: Bakary Sagna (Benevento), Orji Okwonkwo (Bologna), Urruti (FC Dallas), Mike Azira (Colorado)

XI Base Provável:

New England Revolution

Os revolucionários da Nova Inglaterra são treinados pelo aclamado antigo guarda redes Brad Friedel, 82 internacional A pela selecção dos Estados Unidos e lenda do Blackburn Rovers. Como treinador vai para a sua terceira época da carreira (segunda pelo clube sediado em Boston) com a ânsia de melhorar o registo da última época.  São uma equipa de mentalidade mais cautelosa, fazendo da organização defensiva mais subida e da pressão ao portador da bola as suas grandes armas. As esperanças ofensivas recaem em Carles Gil, médio ofensivo ex-Deportivo da Coruña, que poderá ser a peça fundamental para que a equipa de Brad Friedel dê o salto competitivo.

Saídas: Kelyn Rowe (Sporting Kansas), Samayoa (Comunicaciones), Christian Machado (Royal Pari), Claude Dielna (Timbers), Krisztian Németh (Sporting Kansas)

Entradas: Luis Caicedo (Cortualá), Edgar Castillo (Monterrey), Carles Gil (Deportivo da Coruña), Cristian Penilla (Pachuca), Juanfer Caicedo (Medellín), Michael Mancienne (Nottingham Forest)

XI Base Provável:

New York City FC

A equipa de Domènec Torrent procurará alcançar novamente bons resultados e uma temporada sólida com o comando do técnico francês, por muito que nada seja certo a este ponto. Com algumas contratações interessantes, após as saídas de David Villa, Herrera ou Mcnamara, a equipa de Nova Iorque tentará manter o bom nível de futebol apresentado na época transacta, em que conseguiram alcançar um satisfatório terceiro lugar na Conferência Este.

A contratação de Alexandru Mitriţă veio criar muitas expectativas no clube nova-iorquino, além também do destaque Keaton Parks, que vem de empréstimo do SL Benfica, onde procurará ter o seu espaço para se afirmar em grandes palcos. Espera-se que o NYFC atue num 4x2x3x1 com espaço para fluidez nas acções dos jogadores, e espaço para mobilidade e deambulação dos jogadores dentro do modelo do técnico francês.

Entradas: Valentin Castellanos (Torque), Tony Rocha (Orlando), Keaton Parks (SL Benfica), Ebenezer Ofori (Stuttgart), Juan Pablo Torres (sem clube), Alexandru Mitriță (Universitatea Craiova)

Saídas: Eloi Amagat (Olot), David Villa (Vissel Kobe), Tommy McNamara (Houston), Andre Rawls (Colorado), Rodney Wallace (Sporting Kansas City), Yangel Herrera (Manchester City), Saad Abdul-Salaam (Seattle Sounders), Jo Inge Berget (sem clube), Cédric Hountondji (sem clube).

XI Base Provável:

New York Red Bulls

Depois da mudança a meio da época de treinador adjunto para treinador principal, Chris Armas pode agora preparar a época com critério e tudo pensado através das suas ideias o que poderá ser fundamental para os Red Bulls atingirem o sucesso que faltou na época passada, apesar da vitória da Support Shields Cup e de terem conseguido bater o recorde de pontos numa época regular.

A perda de Tyler Adams será bastante notada pois a sua capacidade de recuperação de bola foi das melhores da liga no ano transacto. Para manter o seu estilo de jogo de pressão alta que Chris Adams tanto gosta terá de arranjar um substituto a altura e introduzi-lo o melhor possível no seu 4x2x3x1.

Entradas: Amro Tarek (Orlando), Marcus Epps (Philadelphia Union), Mathias Jorgensen (Odense Boldklub), Sean Nealis (Hofstra Pride)

Saídas: Tyler Adams (RB Leipzig), Fidel Escobar (Fim de Empréstimo); Tommy Redding (Fim de contrato), Hassan Ndam (FC Cincinnati)

XI Base Provável:

Orlando City SC

Os adeptos do Orlando certamente não recordam a temporada passada como uma época de boa memória. A equipa esteve furos abaixo daquilo que se esperava e só conseguiu somar 28 pontos, tendo passado por uma “chicotada psicológica” a meio do campeonato (Jason Kreis deu lugar a James O’Connor).

A equipa demonstrou muitas debilidades defensivas, mas também o ofensivo era muito débil, tendo contabilizado 41 golos, naquele que foi o segundo pior registo da MLS. No meio do caos, Yoshi Yotun foi uma das boas surpresas da equipa. O peruano comandou as operações no sector intermédio da equipa e as boas exibições levaram-no a uma transferência para o Cruz Azul.

A chegada de Nani ao clube é o início da reconstrução que o clube pretende operar. O português é visto como uma solução para os problemas ofensivos da equipa. Contudo, os nomes da defesa continuam a deixar muito a desejar e esse é, sem dúvida, o sector mais debilitado do Orlando City. Pode-se destacar a contratação do lateral português João Moutinho e de Sebastián Méndez para colmatar a saída de Yotun.

James O’Connor deverá optar pelo 3x5x2, dando prioridade ao momento de organização defensiva e “espreitar” as transições ofensivas rápidas, fundamentalmente pelas linhas. Nani deverá ser um dos homens mais avançados da equipa.

Entradas: Tesho Akindele (Dallas), João Moutinho (LAFC), Greg Ranjitsingh (Louisville City), Kyle Smith (Louisville City), Sebastian Mendez (Independiente del Valle), Danilo Acosta (Real Salt Lake), Alex De John (livre), Santiago Patino (Super Draft), Ruan (livre).

Saídas: Yoshimar Yotun (Cruz Azul), Justin Meram (Columbus Crew), Scott Sutter (Vancouver Whitecaps), Donny Toia (Salt Lake), Stéfano Pinho (XJ T. Leopard), Tony Rocha (New York City FC), Joe Bendik (Columbus Crew), Mohamed El-Muni (Los Angeles FC), PC (Vancouver Whitecaps), Amro Tarek (New York Red Bulls), Earl Edwards Jr (D.C. United)

XI Base Provável:

Philadelphia Union

A época passada foi de afirmação para o Philadelphia Union que atingiu os lugares de playoffs, embora tenha sido eliminado logo na primeira ronda, e chegou à final da US Open Cup.

Jim Curtin, treinador de apenas 39 anos mas já a treinar o Philadelphia Union desde 2014, terá oportunidade de cimentar o lugar do Philadelphia na maior liga de futebol dos EUA. Apesar de ter perdido Borek Dockal, líder nas assistências da época passada na MLS, a contratação de Marco Fabián, ex-Frankfurt, alimenta as esperanças do clube em fazer novamente um campeonato positivo. Deverá apostar num 4x4x2 de pressão alta e promete ser uma equipa agradável de se ver jogar.

Entradas: Marco Fabián (Frankfurt), Aurélien Collin (NY Red Bulls), Yomi Scintu (Eishatatt), Matt Freese (Harvard), Sergio Santos (Audax Italiano), Carlos Miguel (Salzburg), Kai Wagner (Wurzb. Kickers), Kacper Przybylko (Sem clube).

Saídas: C. J. Sapong (Chicago Fire), Eric Ayuk (Osmanlispor), Jake McGuire (Gefle), Marcus Epps (NY Red Bulls), Fabian Herbers (Chicago Fire), Keegan Rosenberry (Colorado), Borek Dockal (Sparta Praha)

XI Base Provável:

Toronto FC

Depois de no final de 2017 o Toronto se ter sagrado campeão da MLS e em Abril de 2018 ter atingido a final da CONCACAF a trajectória da equipa do Canadá entrou em declínio terminando a época de 2018 apenas em 9º lugar da sua confederação a 14 pontos dos playoffs. Em 2019 já entraram em competição e foram eliminados pelo CA Independiente, do Panamá, nos oitavos-de-final do CONCACAF.

Greg Vanney, treinador do Toronto FC desde 2014 e tem agora a tarefa de reencaminhar o clube para os lugares de playoffs numa época em que perdeu jogadores muito importantes como Giovinco, Victor Vázquez e van der Wiel que foi afastado da equipa depois de uma quezília com o treinador.

O Toronto deve alinhar maioritariamente em 4x3x3 depositando as suas esperanças no seu capitão Michael Bradley, que Altidore tenha uma época sem lesões para atingir o seu melhor nível e que seja possível contratar algum jogador que eleve a qualidade da equipa (como Quaresma que foi noticiado na última semana como possível reforço).

Entradas: Laurent Ciman (Dijon), Quentin Westberg (Auxerre), Terrence Boyd (Darmstadt 98), Nick DeLeon (DC United), Griffin Dorsey (Draft), Patrick Anderson (Draft), Adam Wilson (Draft).

Saídas: Giovinco (Hilal), van der Wiel, Victor Vázquez (Al Arabi), Nick Hagglund (Cincinnati), Jason Hernández, Tosaint Ricketts (Suduva), Clint Irwin (Colorado) e Nicolas Hasler (Chicago Fire)

XI Base Provável:

Colorado Rapids

Depois de um movimentado mercado de transferências para a equipa de Colorado, as esperanças de um lugar nos playoffs para a equipa de Anthony Hudson estarão, por muito ambiciosas que sejam, renovadas. Aquela que será a última época de Tim Howard como jogador profissional, será previsivelmente também uma temporada de afirmação dos seus jovens talentos, que espera-se consigam utilizar a época que agora inicia para mostrarem toda a sua valia ao serviço dos Rapids. 

Perspetiva-se que o técnico inglês introduza um sistema táctico dentro do 4x4x2, com a nuance de dois médios procurarem a largura na equipa, enquanto Jack Price e Mezquida ocuparão terrenos interiores, procurando dar consistência tanto ao processo defensivo como ofensivo da equipa. Kamara e Rubio serão, provavelmente, a dupla da frente de ataque, tentando trabalhar em conjunto na criação e concretização de golos para o seu conjunto.

Entradas: Clint Irwin (Toronto FC), Andre Rawls (New York City), Keegan Rosenberry (Philadelphia), Nicolas Mezquida (Vancouver Whitecaps), Benny Feilhaber (sem clube), Kei Kamara (FC Cincinnati), Andre Shinyashiki (Super Draft), Diego Rubio (Sporting KC).

Saídas: Zac Macmath (Vancouver Whitecaps), Edgar Castillo (NE Revolution), Kip Kolvey (fim de carreira), Marlon Hairston (Houston Dynamo), Enzo Martinez (Charlotte Independence), Caleb Calvert (Saint Louis FC), Yannick Boli (Ratchaburi).

XI Base Provável:

FC Dallas

A turma de Dallas prepara-se para uma temporada onde espera atingir novamente os playoffs com o novo técnico Luchi Gonzalez, antigo director da académica da equipa de Dallas. Apesar de perder jogadores de nível, como Maxi Urruti, o antigo Rookie of the Year Tesho Akindele e ainda Victor Ulloa, sentiu-se a necessidade de colmatar estas saídas com contratações que dessem novo vigor à equipa para a temporada que se avizinha. Nesse sentido, foram contratados Zdenek Ondrasek, Bressan, vindo do Grêmio e ainda a contratação de Bryan Acosta, internacional hondurenho para o meio campo da equipa de Luchi Gonzalez.

Será de esperar que a equipa se organize num sistema táctico de 4x2x3x1, com, no entanto, capacidade para se posicionarem num 4x3x3 ou 4x4x2 quando assim entender que tal seja necessário o novo técnico do FC Dallas. 

Entradas: Zdeněk Ondrášek (Wisla Kraków), Bressan (Grêmio), Bryan Acosta (Tenerife), Callum Montgomery (Super Draft)

Saídas: Maynor Figueroa (Houston Dynamo), Abel Aguilar (Union Magdalena), Roland Lamah (FC Cincinnati), Victor Ulloa (FC Cincinnati), Tesho Akindele (Orlando City), Maximiliano Urruti (Montreal Impact)

XI Base Provável:

Houston Dynamo

Wilmer Cabrera segue para a 3ª temporada ao comando do Houston Dynamo, tendo a época transacta sido agridoce. A equipa acabou por não alcançar os playoffs, mas em sentido inverso venceu a US Open Cup.

Esta temporada a ambição deve ser o regresso aos playoffs, tendo para isso a equipa apresentado alguns reforços importantes para o sector defensivo como Maynor Figueroa e Aljaz Struna. Na frente de ataque os nomes sonantes são os mesmos da época passada, os hondurenhos Romell Quioto e Alberth Elis nas alas, com o homem golo Mauro Manotas (jogador já apontado ao Porto) no centro de ataque.

Wilmer Cabrera deverá apostar no habitual 4x2x3x1, não tendo grande interesse em controlar o jogo com bola e oferecendo a iniciativa ao adversário. A equipa procura antes o erro do adversário, tentando chegar ao golo através de transições ofensivas rápidas, com claro destaque para aquilo que os seus extremos lhe podem oferecer, dada a velocidade e qualidade técnica de ambos.

Entradas: Aljaz Struna (Palermo), Marlon Hairston (Colorado), Maynor Figueroa (FC  Dallas), Tommy McNamara (New York City), Andrew Samuels (Draft), Ronaldo Pena (Caracas FC), Chris Duvall (Montreal Impact), Matias Vera (San Lorenzo), Erik McCue (Houston Dynamo Academy), Sam Junqua (Draft)

Saídas: Árturo Alvarez (Retirado), Leonardo, Mac Steeves (Hartford), Philippe Senderos, Eric Alexander (Cincinnati), Chris Seitz (DC United), Andrew Wenger

XI Base Provável:

LA Galaxy

Depois de quatro épocas no Boca Juniors, Guillermo Barros Schelotto, chega à MLS para comandar os LA Galaxy. O argentino chega para tentar inverter o mau desempenho dos LA Galaxy, que não conseguiram chegar aos playoffs nas últimas duas épocas.

Zlatan Ibrahimovic é a principal figura de uma equipa que ofensivamente produz muito, visto que foram o 3º melhor ataque na fase regular da MLS em 2018 (Conferência Este e Oeste). Contudo, a defesa não está bem oleada e prova disso é o facto de terem sido a 5ª pior defesa da MLS na fase regular da época transacta.

O principal desafio de Guillermo Barros Schelotto, será corrigir as lacunas defensivas, num sector que não viu chegar muitos reforços para esta zona. O 4x4x2 deverá ser o sistema usado pelo técnico argentino, com Zlatan Ibrahimovic a conjugar o seu lugar na frente com outro companheiro que não o da época passada, visto que Ola Kamara, outra das figuras da equipa saiu recentemente para a China. Individualmente no sector ofensivo existe muita qualidade, veremos é se Guillermo Barros Schelotto consegue trazer alguma organização defensiva, de modo a colocar os LA Galaxy de novo na rota dos playoffs.

Entradas: Matt Lampson (Minessota United), Emil Cuello (SMU Mustang, Draft), Don Tchilao (Oregon State, Draft), Uriel Antuna (Manchester City, Empréstimo), Juninho (Sem Clube), Diego Polenta (Sem Clube)

Saídas: Ola Kamara (Shenzen), Ariel Lassiter (LD Alajuelense), Bryan Sylvestre (Forward Madison), Ashley Cole (Derby County), Michael Ciani (Livre), Sheanon Williams (Livre), Emrah Klimenta (Sacramento FC),

XI Base Provável:

Los Angeles FC

Depois de uma época de estreia onde fez uma fase de grupos muito boa, terminando em 3º lugar, as expectativas de um título esbarraram quando o Los Angeles FC foram eliminados na primeira fase do playoff.

André Horta faz parte da equipa onde a figura maior é Carlos Vela que marcou 14 golos e fez 10 assistências. Após a revolução normal do primeiro ano, o LAFC com Bob Bradley, ex-seleccionador americano, aposta agora na estabilidade para chegar mais além na fase de playoffs tendo mantido as suas peças principais. Deverá repetir o 4x3x3 da época passada mas além do bom futebol ofensivo, a equipa terá de melhorar defensivamente se quiser ter mais sucesso.

Entradas: Eddie Segura (Atletico Huila), Mohamed El-Munir (Orlando), Rodolfo Zelaya (Alianza), Pablo Sisniega (Real Sociedade)

Saídas: João Moutinho (Orlando), Nico Czornomaz (CA Mitre), Calum Mallace (Bold FC), James Murphy, Steeve Saint-Duc (Strommen IF), Marco Ureña (Chicago Fire), Benny Feihaber (Colorado), Aaron Kovar (Portland Sounders).

XI Base Provável:

Minnesota United

Depois de uma época em que Minnesota United ficou muito longe dos lugares de playoff e foi a defesa mais batida do seu grupo a par do último classificado, o objectivo passa por fazer uma época mais positiva que se aproxime, pelo menos, do acesso aos playoffs.

Para tentar resolver esse problema defensivo, o clube contratou Vito Mannone, Romain Métanire e Ján Gregus, jogadores com experiência em campeonatos europeus. O treinador inglês Adrian Heath deverá optar por um 4x4x2 tendo Darwin Quintero como a sua principal referência ofensiva.

Entradas: Vito Mannone (Reading), Romain Métanire (Reims), Ján Gregus (Copenhaga), Ike Opaara (Kansas), Romario Ibarra (U. Católica), Osvaldo Alonso (Sounders FC), Ángelo Rodríguez (Deportes Tolima).

Saídas: Christian Ramirez (Los Angeles FC), Matt Lampson (LA Galaxy), Bertrans Eko’o (Forge FC), Tyrone Mears (Wes Brom), Ibson, Jérôme Thiesson (Rapperswil-Jona), Johan Venegas (Saprissa)

XI Base Provável:

Portland Timbers

O finalista vencido da época 2018 parte para a nova época com a ambição de voltar a fazer uma época ao mais alto nível. No entanto, a saída de jogadores importantes como Jake Gleeson, Lawrence Olum, Alvas Powell e Liam Ridgewell e a entrada de poucos jogadores credenciados deixam em dúvida a capacidade dos Timbers em repetir o feito da época passada.

Giovanni Savarese deverá utilizar o esquema de 4x2x3x1 que foi o mais utilizado a época passada, esperando que o capitão Diego Valeri, conhecido pelos portugueses pela passagem pelo FC Porto, consiga estar novamente no seu melhor para conduzir a equipa ao êxito.

Entradas: Aljaz Ivacic (NK Olimpija), Claude Dielna (Revolution), Jorge Moreira (River Plate), Marvin Loría (Saprissa), Andy Polo (Morelia), Lennart Hei (SLU Billikens), Francesco Moore (Chicago FC), Ryan Sierakowski (Michigan State), David Zalzman (Memphis Tigers)

Saídas: Jake Gleeson, Lawrence Olum, Alvas Powell (Cinciannati), Liam Ridgewell (Hull City), Jack Barmby (Santo Antonio FC), Samuel Armenteros (Benevento)

XI Base Provável:

Real Salt Lake

A equipa do estado do Utah manteve praticamente a mesma equipa da época anterior, o que significa a manutenção de um dos ataques mais imprevisíveis e versáteis de toda a liga. 

O treinador Mike Petke, tem assim à sua disposição um leque de jogadores que lhe permite diferentes variações táticas no decorrer da época: 4x2x3x1, 4x3x3 ou 4x4x2. Esta imprevisibilidade torna o Real Salt Lake uma das equipas mais interessantes de acompanhar durante a época. Se a qualidade defensiva da equipa for a par e passo com o processo ofensivo, têm uma possibilidade clara de chegar aos playoffs.

Entradas:  Everton Luiz (SPAL), Donny Toia (Orlando City), Sam Johnson (Valerenga)

Saídas: José Hernandéz (LA Galaxy II), Ricky Lopez-Espin (LA FC), Luis Silva, Danilo Acosta (Orlando City), Stephen Sunday

XI Base Provável:

San Jose Earthquakes

San Jose terminou 2018 como o pior classificado da MLS. Somaram apenas 21 pontos e isso motivou a uma mudança na equipa técnica. Matías Almeyda chega a San Jose com um excelente estatuto, depois de ter conquistado a Liga dos Campeões CONCACAF pelo Chivas.

O grande desafio do treinador argentino é melhorar a classificação da época passada com a mesma base de jogadores. A equipa não realizou muitas contratações, apenas em posições essenciais e procura melhorar o seu registo defensivo, onde teve mais dificuldades em 2018.

Devem alinhar em 4x4x2 com o experiente Chris Wondowloski na frente de ataque. Aos 35 anos persegue o recorde de Landon Donovan e está a um golo de igualar o feito do melhor marcador de sempre da MLS.

Entradas: Judson (Tombense), Cristian Espinoza (Villarreal), Marcos López (Sporting Cristal), Siad Haji (Super Draft), Daniel Vega (Tampa Bat Rowdies), Cade Cowell (Draft)

Saídas: Yeferson Quintana (Peñarol), Jahmir Hyka (Maccabi Netanya), Dominic Oduro (Charlotte Independence)

XI Base Provável:

Seattle Sounders

Brian Schmetzer comanda a equipa de Seattle pela terceira época consecutiva. O ano passado terminaram em 2º lugar na Conferência Oeste mas ficaram pelo caminho nas meias-finais dos playoffs.

Nas últimas épocas começaram sempre a competição a um ritmo lento mas este ano pode ser diferente uma vez que a equipa está na máxima força para os desafios iniciais. Seattle deve alinhar num 4x2x3x1 com Lodeiro e Ruidíaz como jogadores-chave. O médio uruguaio é um jogador muito importante na manobra ofensiva da equipa e espera servir com qualidade o avançado peruano que apontou 13 golos nos seus primeiros 16 jogos na época anterior. Pela qualidade que já demonstraram em épocas anteriores e pela manutenção do grupo base, Seattle é um dos favoritos ao 1º lugar na Conferência Oeste.

Entradas: Jonathan Campbell (Chicago), Trey Muse (Draft)

Saídas: Osvaldo Alonso (Minnesota), Tony Alfaro (Chivas), Waylon Francis (Columbus Crew)

XI Base Provável:

Sporting Kansas City


Depois do 1º lugar em 2018 na Conferência Oeste, a equipa orientada por Peter Vermes perdeu na final dos playoffs da sua série e não alcançou a tão desejada final para apurar o campeão da MLS 2018.

Esta temporada o conjunto de Kansas City que conta com Gerso Fernandes, jogador que passou pelo campeonato português, procura repetir a história e lutar por um lugar na final da competição.

Apresentam um dos plantéis mais completos da prova e são favoritos à conquista da mesma. Iniciaram a temporada com duas vitória (3-0 e 2-0) frente ao Toluca para a Liga dos Campeões CONCACAF. Devem alinhar em 4x3x3 como sistema base. Uma equipa de cariz ofensivo e com jogadores de grande qualidade individual. Andreu Fontàs defesa central espanhol é uma novas caras do Sporting KC.

Entradas: Krisztián Németh (NE Revolution), Andreu Fontàs (Celta de Vigo), Rodney Wallaca (NYCFC), Botond Baráth (Honvéd), Kelyn Rowe (Colorado), Erik Hurtado (Vancouver Whitecaps)

Saídas: Ike Opara (Minnesota), Kharlton Belmar (Nashville SC), Khiry Shelton (SC Paderborn), Diego Rubio (Colorado)

XI Base Provável:

Vancouver Whitecaps

A equipa canadiana terminou a MLS 2018 em 8º lugar da Conferência Oeste, a dois pontos de garantirem um lugar nos playoffs.

Em 2019, a direcção do clube decidiu apostar no luso-canadiano Marc dos Santos. O primeiro convidado do nosso podcast Scout Talks onde falámos precisamente do desafio de orientar a equipa esta temporada. Um projecto que motiva bastante curiosidade nos adeptos da MLS. Os Vancouver Whitecaps foram das equipas mais movimentadas na janela de transferências com 15 entradas e 21 saídas o que torna o conjunto canadiano como um dos mais imprevisíveis neste arranque de época.

Marc dos Santos confirmou ao nosso podcast que o 4x3x3 é um do seus sistemas preferidos e é nessa base que a equipa se tem apresentado nos jogos da pré-época. Uma ideia de jogo ofensiva que privilegia a manutenção da posse de bola. Fredy Montero é um dos jogadores de destaque deste conjunto.

Entradas: Inbeom Hwang (Daejeon Citizen), Fredy Montero (Sporting CP), Lucas Venuto (Austria Vienna), Andy Rose (Motherwell FC), Érik Godoy (Colón)

Saídas: Alphonso Davies (Bayern Munique), Kendall Waston (FC Cincinnati), Brek Shea (Atlanta United), Aly Ghazal (Feirense), Kei Kamara (FC Cincinnati)

XI Base Provável: