Menu Close

The kids from Stamford Bridge

Que o Chelsea FC tem uma das melhores formações do futebol inglês, já toda a gente o sabia, resultado disso é, por exemplo, o número de vezes que já venceu a UEFA Youth League: 2. Aliás, desde que esta competição existe (6 edições) os jovens blues já chegaram à final 4 vezes, perdendo no jogo decisivo nas últimas duas campanhas, a última das quais frente ao FC Porto.

Atualmente, o clube enfrenta uma suspensão da UEFA que o impede de contratar novos jogadores e teve, assim, que recorrer a alguns jovens que tinham saído das suas camadas jovens para compor o plantel. O que quase ninguém esperava é que algumas destas promessas se revelassem tão importantes neste início de época. Mason Mount, Tammy Abraham, Fikayo Tomori e Reece James são jogadores que passaram a época 2018/19 emprestados a outros clubes e que foram chamados à casa-mãe nesta temporada para se juntarem, por exemplo, a Loftus-Cheek e Hudson-Odoi que já se encontravam no plantel principal dos londrinos na época transata.

O histórico Frank Lampard é o treinador que tem apostado nestes jovens. Mount e Abraham têm sido as apostas mais vincadas do técnico. Ambos vêm de empréstimos a clubes do Championship, onde realizaram excelentes desempenhos, o avançado foi até o segundo melhor marcador do Championship só atrás de Teemu Pukki. Mount tem jogado na faixa central ou descaído para o lado esquerdo no sistema de Lampard. É exímio no passe e muito criativo com a bola nos pés. Conta já com 4 golos na Premier League. Abraham tem sido a referência atacante do Chelsea. Alto, rápido e absolutamente letal em frente à baliza, é neste momento o melhor marcador da Premier League juntamente com Kun Aguero. Ambos chegaram, viram e…”pegaram de estaca”.

Na defesa mais dois jovens regressados: Reece James e Fikayo Tomori. Tal como Mount e Abraham, jogavam na época passada no Championship. James fez 46 jogos pelo Wigan e Tomori 55 pelo Derby sob o comando de Lampard. Este último, defesa-central de posição, foi quem mais beneficiou com a saída de David Luiz para o Arsenal, garantindo, dessa forma, um lugar no plantel do Chelsea e desde então tem ganho protagonismo no centro da defesa londrina. A rapidez é a sua maior arma, no entanto, salta também à vista a sua qualidade de passe na primeira fase de construção. Reece James está no Chelsea FC desde os seis anos de idade. Versátil, pode desempenhar as funções de lateral-direito, médio-defensivo e até defesa-central, no entanto, é no lado direito da defesa que a sua qualidade mais se evidencia. Muito forte fisicamente, é um autêntico comboio pelo lado direito do campo, em constante vaivém entre defesa e ataque. A sua capacidade de cruzamento é também um predicado que chama à atenção em James.

Callum Hudson-Odoi já se encontrava no plantel londrino na temporada passada, onde realizou 24 jogos e marcou 5 golos. Durante a segunda metade da época transata foi bastante noticiado o interesse do Bayern Munique no jovem extremo, no entanto uma rutura no tendão de Aquiles num jogo frente ao Burnley, deitou por terra uma possível transferência para os bávaros. Em Setembro voltou aos relvados pela equipa sub-23 do Chelsea. Já internacional A com apenas 18 anos, é um extremo muito rápido e forte no 1×1. Excelente capacidade de passe, gosta também de aparecer em zonas interiores do ataque, onde pode fazer uso da sua boa capacidade de finalização. É, sem dúvida alguma, um dos jogadores mais entusiasmantes da sua geração.

O Chelsea tem tudo para ser das equipas mais interessantes de se acompanhar nesta temporada, Todos estes jovens, juntamente com jogadores como Jorginho, Kanté, Pedro ou Kepa, por exemplo, vão tentar levar o Chelsea ao top 4 da Premier League e o mais longe possível na Liga dos Campeões, sob o comando do também ele jovem treinador, Frank Lampard.