Menu Fechar

Euro 2016: Análise Grupo D

A Croácia, República Checa, Espanha e Turquia formam, provavelmente, um dos grupos mais equilibrados deste Europeu.

Os campeões em título, Espanha, partem como favoritos à reconquista do Euro mas para isso precisam de passar num grupo que tem como adversários a Cróacia da dupla Modric e Rakitic, a República Checa do guardião Cech e a Turquia do inquietante Turan.

 

Croácia: A selecção comandada por Ante Cacic disputou com a Itália o 1º lugar do Grupo H, ficando a 4 pontos de distância dos italianos. Com 20 golos marcados e 5 sofridos, os ‘Vatreini’, como são conhecidos, só perderam um jogo, derrota por 2-0 frente à Noruega.

O sector intermédio da Croácia é dos mais fortes deste Europeu. Com dois mágicos capazes de encontrarem espaços onde não existem, Modric e Rakitic assumem um papel fundamental na manobra ofensiva da equipa.

São várias as referências ofensivas deste conjunto que vale pelo seu colectivo. Muitos jovens preparados para assumirem outro estatuto como é o caso de Coric e Pjaca. Este ano pretendem apagar a imagem de 2012 onde não foram além da fase de grupos.

XI Tipo (4-2-3-1): Subašić; Srna, Ćorluka, Schildenfeld, Vida; Brozović, Modrić, Rakitić, Pjaca, Perišić; Mandžukić.

modric

 

República Checa: Apesar dos 14 golos sofridos durante a qualificação, os checos venceram o grupo mais competitivo da fase de qualificação, à frente da surpreendente Islândia, Turquia e Holanda.

Defensivamente, a República Checa é a selecção apurada que sofreu mais golos. Um aspecto para ser revisto urgentemente. Se a defesa é um problema, mesmo com Cech, no ataque já não se pode dizer o mesmo. Com nomes menos conhecidos, os homens de Pavel Vrba apontaram 19 golos e foram a equipa mais finalizadora do seu grupo.

Petr Cech é a grande referência desta selecção e pode ser determinante em mais um sucesso europeu depois das meias-finais de 2004 e os quartos-de-final em 2012.

XI Tipo (4-2-3-1): Čech, Kadeřábek, Sivok, M Kadlec, Limberský, Darida, Plašil, Dočkal, Rosický, Krejčí e Necid.

cech

 

Espanha: ‘La Roja’ chega a França como a grande favorita à vitória juntamente com a Alemanha. Um apuramento quase irrepreensível, não fosse a derrota contra a Eslováquia a estragar a tradição dos últimos anos em que garantia a qualificação sem qualquer derrota. Apontaram 23 golos e sofreram 3.

As rotinas da selecção espanhola é um dos pontos mais positivos do conjunto de Vicente del Bosque, apesar de nos últimos anos terem surgido jovens no seio do grupo que tem dominado o futebol internacional no passado mais recente.

Iniesta, o mago do Barcelona, deve jogar em França o seu último torneio internacional ao serviço da Espanha depois de mais de 100 internacionalizações. O cérebro e o motor do conjunto espanhol.

XI Tipo (4-3-3): De Gea; Juanfran, Piqué, Ramos, Alba, Busquets, Iniesta, Thiago, Silva, Nolito e Morata.

 iniesta

 

Turquia: Fatih Terim levou de forma inesperada a Turquia ao Euro 2016 depois de um arranque negativo na fase de grupos. Duas derrotas e um empate, colocavam praticamente o conjunto turco fora de França. O ponto de viragem acabou por acontecer e garantiram o acesso directo por terem terminado como o 3º melhor classificado da prova.

O espírito competitivo, paixão e agressividade com que a equipa se alimenta faz com que a Turquia seja um adversário muito complicado. Com 14 golos marcados e 9 sofridos, apresentam-se como um grupo consistente e equilibrado.

Çalhanoğlu desequilibra no meio da organização e Arda Turan comanda as tropas com a sua voz, liderança e capacidade de sacrífico. Um capitão cerebral mas também imprevisível.

XI Tipo (4-2-2-1): Babacan, Gönül, Topal, Balta, Erkin, İnan, Tufan, Çalhanoğlu, Özyakup, Arda Turan e Burak Yılmaz.

turan

Calendário:

12 Junho

Turquia – Croácia 14h (Parc des Princes, Paris)

13 Junho

Espanha – República Checa 14h (Stadium Municipal, Toulouse)

17 Junho

República Checa – Croácia 17h (Stade Geoffroy-Guichard, Saint-Étienne)

21 Junho

Croácia – Espanha 20h (Matmut Atlantique, Bordeaux)

República Checa – Turquia 20h (Stade Felix Bollaert-Delelis, Lens)