Europeu Sub-21: o último obstáculo

Europeu Sub-21: o último obstáculo

No caminho para o Europeu Sub-21, Portugal encontra no playoff (com jogos a 16 e 20 de Novembro) a selecção da Polónia. Não sendo um conjunto de grande nível internacional, a equipa polaca conta com uma geração interessante, com vários valores individuais que merecem destaque.

Para aqui chegar, a Polónia terminou o grupo 3 de qualificação no 2º lugar, fruto de 6 vitórias e 4 empates – não teve, por isso, qualquer derrota na fase antecedente aos jogos diante de Portugal. Trata-se de uma equipa com uma certa variabilidade ao nível do sistema táctico que apresenta, podendo-se dispor mais próximo de um 4-2-3-1 ou de um 4-1-4-1.

Partindo desta base, pelo menos para a primeira partida, Czeslaw Michniewicz deverá escolher o seguinte onze titular:

Kamil Grabara (Liverpool) – Guarda-redes muito seguro e confiante entre os postes. Ágil e rápido a decidir. Tem qualidade a defender grandes penalidades.

Pawel Stolarski (Legia) – Lateral direito possante (181 cm e 74 kg). Rápido e com muita facilidade em chegar à área contrária. É muito competente no processo defensivo, mas também se destaca pela sua capacidade defensiva. 43 passes, 2.6 cruzamentos e 2.8 dribles em média por jogo.

Mateusz Wieteska (Legia) – Defesa central que também pode jogar a defesa direito. Jogador muito forte nas bolas paradas ofensivas.

Pawel Bochniewicz (Gornik) – Defesa central sólido e a ter em conta nas bolas paradas. Elemento com boa capacidade defensiva e forte nos desarmes.

Kamil Pestka (Cracovia) – Lateral esquerdo forte fisicamente (188 cm e 67 kg). É um jogador de cariz defensivo, acompanhando o extremo contrário e fechando bem o seu flanco. Tem uma média de 4.1 desarmes por jogo com 67% de eficácia. No plano ofensivo só sobe pelo lado esquerdo com critério.

Patryk Dziczek (Piast) – Médio defensivo com boa capacidade de desarme (média de 6 por jogo) mas que se destaca mais pela sua qualidade de passe. Tem uma eficácia de 83% neste item e gosta de assumir a primeira fase de construção. Excelente sentido posicional.

Szymon Zurkowski (Gornik) – Jogador-chave no centro do meio campo. Elemento fisicamente forte e muito combativo. Além disso, apresenta ainda predicados no drible, passe e remates de longe.

Bartosz Kapustka (Oud-Heverlee Leuven) – Elemento acima da média na sua selecção, pela inteligência e qualidade técnica de que dispõe. Pode jogar como extremo (preferencialmente pela esquerda) ou médio ofensivo.

 

Sebastian Szymanski (Legia) – Extremo direito dinâmico e rápido. Demonstra uma boa capacidade de controlo da bola e privilegia um ataque combinativo. Muito eficiente em espaços curtos e sempre em movimento.

 

Kamil Jozwiak (Lech Poznan) – Extremo esquerdo muito virtuoso, rápido e evoluído tecnicamente. Arrisca, em média, 8 dribles por jogo e consegue desequilibrar facilmente as defesas contrárias.

Dawid Kownacki (Sampdoria) – A grande figura polaca e capitão da selecção. Melhor marcador da fase de qualificação com 10 golos. No momento de finalização aparece a partir da marca de penalty a atacar os espaços, à espera de um cruzamento de um colega. Também joga bem entre linhas e sabe ligar os sectores com 3/4 passes-chave por jogo. É ainda muito competente nos duelos aéreos.

 

Além destes nomes, destaque ainda para Bartlomiej DragowskiKrystian BielikKarol Swiderski – todos eles jogadores que se revelaram em idades ainda mais precoces e que, mantendo o potencial que lhes era reconhecido, ainda não deram o salto para um patamar mais competitivo.

Sobre o Autor

Filipe Coelho

Desde sempre apaixonado por Desporto em geral e Futebol em particular, procura conhecer cada vez melhor este jogo que faz o Mundo girar. O Scouting é uma das suas áreas predilectas, pela mescla exploração-surpresa que comporta.

Artigos relacionados