Menu Close

Enquanto treinadora de futebol formação, penso que existe uma incompatibilidade de palavras usadas sobre aquilo que a realidade do futebol que treino se caracteriza.

Treinamos, muitos de nós e não todos nós, porque o mais importante para nós são eles. Eles que se definem por “Crianças”, onde é normal existirem faltas de desatenção, momentos de extrema descontracção, erros descontrolados.

Nesses momentos é complicado chegar á sensibilidade daquilo que nos é encarregue de fazer: Trabalhar. Dar trabalho. Mostrar trabalho.

Chega a ser difícil provar o que realmente valemos, o que realmente sabemos, porque muitos de nós prefere mostrar que o que realmente vale são os sorrisos deles, a felicidade deles e por vezes isso não se encontra nos esquemas tácticos, às vezes encontra-se naquele abraço a meio do exercício que lhes dá mais força para o concluir com sucesso.

Formamos porque temos tempo para competir. Temos e têm eles tempo, para subirem ao patamar mais alto das competições, mostrando que a formação de um ser humano, é o início da formação de um atleta de alta competição.