Menu Fermer

CD Mafra – A surpresa proposta ofensiva de Vasco Seabra

A equipa sensação da 2º Divisão Portuguesa, com Vasco Seabra no seu comando e com um dos orçamentos mais baixos da Liga PRO, continua jogo após jogo a demonstrar a sua espectacular proposta de jogo. Controlo com a bola e preparação para a perda da mesma. Falando em números, neste momento têm 14 jogos sem uma única derrota! Ocupando o 3o lugar da II Liga.

“Têm de trocar a bola, hoje eles vão jogar bem outra vez. Eles jogam bem”, ouvia sócios de +65 anos a comentarem na bancada de Mafra, com entusiasmo.

Eu ao lado deles com bloco de notas e caneta na mão, esbocei um prazeroso sorriso.

Uma ideia de jogo pensada para se posicionarem maioritariamente em Organização Ofensiva. Não obstante, porque o jogo é todo contínuo para falar do seu momento ofensivo, temos que identificar a sua qualidade na Transição Defensiva. É nesta interligação de controlo no momento que possuem a bola, com o momento em que perdem (a forma como se preparam para a perda) que faz do Mafra uma equipa diferenciada na Liga PRO, e uma das melhores equipas (salvo claras limitações orçamentais) dos campeonatos profissionais.

O objetivo é a manutenção. Porém, facilmente se percebeu que o Mafra pode estar na luta pelos lugares cimeiros: por uma ideia de jogo sólida, controladora, equilibrada. E acima de tudo, uma ideia comum, entendida por todos.

Zé Tiago e João Tavares são as principais referências desta equipa do Mafra. Comandam o meio campo, com enorme qualidade técnica, mas sobretudo a nível das decisões: entendem quando acelerar, antecipam o jogo e fazem o jogo da equipa fluir. São dois jogadores com claras capacidades para o mais alto escalão do futebol português. Zé Tiago, com 31, surpreende-me o facto da oportunidade nunca ter aparecido. João Tavares, com 21 anos e emprestado pelo Feirense, tem todo o potencial para lá chegar.

11 habitual em 4-2-3-1 no momento Ofensivo, sendo que em Organização Defensiva transforma-se num 4-4-2 clássico, com Zé Tiago a juntar-se a Ayongo.

Na fase de Construção, é este o posicionamento habitual:

Organização Ofensiva

✅ Procura pelo jogo interior, entre sectores;

✅ Quando atraem no corredor central, há espaço para libertar nos laterais;

✅Laterais em (extrema) Profundidade e Largura;

✅ Dinâmica do 3º Homem, grande capacidade em gerar espaços;

✅ Bons timmings de aceleração quando conseguem vantagem espacial.

Transição Defensiva

✅ Preparam perda de bola em Organização Ofensiva;

✅ 2DC’s + 2MC’s numa linha mais recuada a precaver a perda de bola;

✅ Enorme capacidade para recuperar após a perda de bola (disponibilidade coletiva);

✅Referências Individuais + Cobertura, em Superioridade Numérica;

Uma sólida e deliciosa ideia de jogo por parte de Vasco Seabra. A forma como os jogadores entendem o jogo e o modelo de jogo é assinalável. Uma ideia coletiva com algumas referências individuais.

O objetivo é curto para tanta qualidade de jogo, porém é verdadeiro face ao orçamento da equipa de Mafra. A Liga PRO está recheada de qualidade, nos bancos e no campo. É possível ter qualidade de jogo independentemente do orçamento. É necessário competência, e quando existe, as coisas acontecem com naturalidade.