Importância de Gonçalo Guedes no Valência

Importância de Gonçalo Guedes no Valência

Gonçalo Guedes é um dos mais recentes produtos da aparentemente inesgotável fonte de extremos que Portugal tem para oferecer ao mundo do futebol.

Dotado de uma capacidade física assinalável, consegue aguentar bem o choque com o adversário e a sua potência permite-lhe fazer mudanças de velocidade capazes de deixar os defesas em apuros. Essa mesma capacidade permite-lhe dar uma ajuda preciosa ao lateral no momento defensivo, já que é um jogador voluntarioso também nesse aspecto.

Tendo surgido mais assiduamente no lado direito do meio campo do Benfica de Rui Vitoria, em 2015/2016, foi na temporada seguinte que deu o salto, quando colocado na frente do ataque, fazendo par com o ponta de lança de referência (Mitroglou ou Raul).

Este ano, no Valencia orientado por Marcelino, joga predominantemente no lado esquerdo do meio campo, num 4-4-2, o que lhe permite fazer diagonais interiores venenosas para os adversários.

Outro ponto forte de Gonçalo Guedes, é o seu potente remate de pé direito, que lhe permite fazer uso de remates de meia distancia com alguma frequência.

Assinalável é também a sua capacidade de recepção orientada, o que lhe permite receber e controlar a bola de maneira a tentar dar o melhor seguimento a cada jogada.

Como pontos a melhorar, assinala-se o seu jogo aéreo, alguma precipitação no momento de execução, pois tenta muitas vezes fazer as coisas rápido e bem, o que lhe custa algumas vezes perdas de posse de bola, e, sendo Gonçalo um extremo, poderia ter melhor 1×1, dai considerarmos que a posição onde mais poderá render no futuro, tendo em conta as suas características, será no eixo do ataque. Tem também pouca confiança no seu pé esquerdo, e poderá melhorar a nível de cruzamentos e finalização.

É internacional A por Portugal, contando com 6 internacionalizações e 1 golo marcado, e leva nesta época mais de 30 partidas jogadas.

Enquadramento tático

Tacticamente, o Valencia 2017/2018 joga normalmente em 4-4-2 clássico, com linhas muito bem definidas. Neste esquema, Gonçalo Guedes ocupa mais regularmente o lado esquerdo do meio campo.

Ofensivamente, tem imensa liberdade posicional. Partindo da esquerda, faz diagonais para o centro com muita regularidade, tirando partido da sua velocidade e capacidade física para tentar confundir a linha defensiva adversária; ou pode percorrer o flanco combinando muitas vezes com o lateral esquerdo, Gayá, para tirar cruzamentos à linha. Como tem pouca confiança no seu pé esquerdo, perde muitas vezes a possibilidade de tirar cruzamentos de primeira, preferindo ajustar para o seu pé direito, o que dá oportunidade ao adversário de fechar o espaço e poder desarmá-lo. Pode também melhorar no timing de soltar a bola, visto que tem ainda imensa tendência em progredir com bola, mesmo estando rodeado por 2 ou 3 adversários. Nestas situações, procura o contacto físico em busca da falta.

Em momento defensivo, é disponível na ajuda ao lateral e intenso na disputa de bola, o que leva a que, por vezes, cometa faltas algo desnecessárias. Pela sua liberdade de movimentos no contexto ofensivo, em situações em que faz a diagonal interior e a equipa perde a posse de bola, o seu lado fica muitas vezes exposto. Isto é mais notório nos últimos 15/20 minutos de jogo, quando a frescura física já não abunda e é mais difícil recuperar a posição.

Em suma, Gonçalo Guedes tem características interessantes para se tornar num jogador de topo como a velocidade, resistência física, remate potente e técnica. Para atingir um patamar de topo a nível mundial precisa de melhorar alguns aspectos como a tomada de decisão, utilização do pé esquerdo e 1×1. É um jovem de apenas 21 anos que tem muito para evoluir mas actualmente é já um dos jogadores mais promissores do Mundo.

Sobre o Autor

William Matos

Filho da Diáspora, nascido em Paris, França, a 23-4-1987. Da geração de Messi. Infelizmente, por razões de saúde, nunca deu um pontapé na bola, a nível federado. Sempre foi, no entanto, ávido consumidor de "bola" dos tempos da La Liga na TVI ao domingo à tarde e da Premier League na RTP2. Anos mais tarde, decidiu transformar um hobby em ganha-pão. Estagiou no Gil Vicente e actualmente trabalha como director de produção numa PME, mas sempre à procura de um lugar ao sol, no mundo do futebol.

Artigos relacionados