Menu Close

Lazio – pressão, intensidade e velocidade

A Lazio está a ser uma das melhores equipas em Itália e uma das grandes surpresas esta temporada. Ao comando de Simone Inzaghi atingiram um nível exibicional muito elevado, encontrando-se, de momento, no segundo lugar da Serie A. São a melhor defesa do campeonato com 23 golos sofridos, são o segundo melhor ataque com 60 golos marcados (atrás dos 70 da Atalanta), são a equipa com menos derrotas (2) e são a segunda equipa com mais vitórias com 19 (atrás das 20 da Juventus).

O percurso da Lazio na Liga tem sido impressionante. A sua última derrota na competição foi a 25 de setembro, quando foram derrotados por 1-0 frente ao Inter de Milão. Desde então, venceram AC Milan, Nápoles, Inter e Juventus, por duas vezes, uma delas na final da Supertaça de Itália.

Onze base

A Lazio alinha num 3-5-2 no momento ofensivo que se pode transformar num 5-3-2 a defender. Lucas Leiva é o médio mais recuado que dá equilíbrio à equipa, enquanto Luis Alberto e Milinkovic-Savic têm funções mais ofensivas. Os dois alas são responsáveis por dar largura e linha de passe no momento ofensivo, e desempenham um papel importante na organização defensiva e transição defensiva para ocupar esse espaço lateral e formar a linha de 5. Um dos avançados pode recuar mais para atrair um defesa ou receber a bola entre linhas, mas as indicações dadas à dupla atacante são de constantes movimentações e procura da profundidade.

Momento ofensivo

Organização ofensiva

Em organização ofensiva a equipa estrutura-se no 3-5-2. Os três centrais jogam abertos, principalmente Radu que oferece muita largura. Lucas é o médio mais recuado, dá equilíbrio e precave a equipa para a transição defensiva, mas também é uma opção de passe para os defesas. No momento de construção pode inclusive juntar-se aos centrais.

Luis Alberto é o médio mais criativo e joga de forma livre. Ocupa sobretudo a meia esquerda e recua por vezes para pedir jogo, mas também joga à entrada da área para ser influente no último passe. Mas Inzaghi dá liberdade ao espanhol para ocupar vários espaços no meio campo da Lazio, visto que é um médio que encontra linhas de passe e define com muita qualidade.

Milinkovic-Savic é um box-to-box que é estrutural no futebol da Lazio. Ocupa a meia direita e ofensivamente oferece qualidade na progressão com muita visão de jogo e ótimo gesto técnico. É uma referência para o pontapé longo do guarda-redes e vence muitos duelos aéreos para os colegas ganharem a segunda bola. Ao contrário de Luis Alberto, aparece muitas vezes na área sendo referência aérea e procurando zonas de finalização.

Lazzari e Jony são os dois alas que no momento ofensivo progridem no terreno de forma a darem largura, serem opção de passe, e fazerem movimentações de ataque à profundidade para aparecerem, sobretudo, em zona de cruzamento. A dupla de avançados, tradicionalmente Immobile e Correa, mas que também podemos incluir Caicedo, tem funções de procurar frequentemente o ataque à profundidade, movimentos de rotura e desmarcação. Inzaghi pretende que os seus avançados estejam em constante movimento e, em certos momentos, que um possa recuar para ser apoio frontal para os médios na fase de criação.

Transição ofensiva

A equipa promove uma circulação rápida da bola, com principal foco no passe vertical e na descoberta de espaços criados pelos avançados ou alas. A forma mais privilegiada da Lazio atacar é através de ataques rápidos que surgem sobretudo na transição ofensiva. Este momento do jogo é um dos mais fortes da equipa, que em poucos segundos cria uma situação clara de golo.

Uma das formas da equipa transitar é através de combinações entre médios e avançados. Neste exemplo observamos que Correa recua para combinar com Luis Alberto, enquanto Immobile já procura o movimento de rotura. Toda a jogada é feita de forma rápida para não permitir que o adversário consiga organizar-se.

Neste caso, mal a equipa recupera a bola Immobile procura logo atacar a profundidade. Apenas com um passe, Lucas encontra o italiano e cria-se assim uma situação de golo para a Lazio.

Esta situação exemplifica outro tipo de transição, mais lenta e mais pensada, mas também muito eficaz. Assim que Milinkovic-Savic recebe na direita, tem quatro opções de passe. A tarefa do ala no lado da bola é procurar movimentos de rotura ou de ataque à profundidade e assim o faz Lazzari, criando uma situação de golo. Não há tantas combinações, trocas posicionais, ou futebol a um/dois toques de forma tão acelerada, mas há uma transição ofensiva eficaz e mais simples.

Como referido, um dos objetivos de Inzaghi para os seus alas é que estes procurem também movimentos de ataque à profundidade ou que se movimentem para zona de cruzamento. Neste exemplo podemos observar que assim que Lucas recebe a bola, Lulic procura logo desmarcar-se e procura a zona de cruzamento para servir Immobile.

Variantes ofensivas

Apesar de privilegiar os ataques rápidos, nem sempre isso é possível. Mas a Lazio mostra qualidade também quando pausa a jogada e procura jogar de forma mais apoiada. Neste exemplo observamos que quando Lazzari tem a bola na direita, o Bolonha fecha bem os espaços nessa zona do campo condicionando as opções de passe para o ala. Então a equipa joga para trás, reorganiza os seus posicionamentos ofensivos e transporta o ataque para a lateral esquerda. Com isto abriram espaço e Radu tem uma linha de passe para Immobile, que já analisou o posicionamento de Milinkovic-Savic, e engana a defesa por deixar a bola passar. Boas movimentações de uma equipa bem treinada para conseguir ferir o adversário de várias formas.

Como referido, um dos avançados tem instruções para recuar e ser linha de passe frontal para o portador. Neste exemplo vemos que as linhas de passe no corredor central estão condicionadas, então Immobile recua e serve de apoio.

A aposta no passe vertical é algo frequente na Lazio. Seja para aproveitar o recuo do avançado, seja para queimar linhas e fazer a bola chegar rapidamente aos homens da frente.

A Lazio é uma equipa forte a ganhar a segunda bola. Milinkovic-Savic é muito importante nesta tarefa, sendo ele referência para o guarda-redes caso haja um pontapé longo, mas também é eficaz a vencer um duelo aéreo junto à área para servir os colegas que estejam prontos para receber. Neste exemplo vemos que há várias opções para ganharem a segunda bola.

Saída no guarda-redes e primeira fase de construção

A Lazio inicia a jogada na saída no guarda-redes com os três defesas alinhados, mas Radu mais aberto que os restantes. Isto atrai a pressão do adversário, mas os apoios dos médios e do ala facilitam a construção da equipa.

Quando há mais espaço os centrais já sobem um pouco no terreno e abrem mais para aproveitar todo o espaço do campo. Neste momento é quando há mais procura do passe vertical para os movimentos dos avançados ou para os alas, que estão projetados.

Momento defensivo

Organização Defensiva

A Lazio estrutura-se num 5-3-2 a defender, com os laterais Lazzari e Jony a recuarem para completar a linha de 5. Lucas fica mais central para equilibrar a equipa e até cobrir algum espaço caso haja uma saída de um dos defesas. Milinkovic-Savic divide com Lazzari as tarefas no corredor direito, sendo que é o sérvio que vai pressionar o médio interior ou lateral contrário, deixando o italiano responsável pela marcação ao extremo. Um dos avançados, normalmente Correa, recua mais para tentar condicionar a ação dos centrais e ser apoio para a transição ofensiva.

Pressão – definição da zona e encurralar o adversário

A Lazio pratica um futebol intenso, cujo principal objetivo no momento defensivo é recuperar a bola e transitar rapidamente para criar uma situação de golo. A equipa não pressiona a primeira fase de construção adversária, mas através do posicionamento condiciona as linhas de passe verticais e força o jogo do adversário para a lateral, de forma a definir essa zona de pressão e criar superioridade numérica. Consegue assim condicionar a ação do jogador porque lhe retira as linhas de passe e aumenta o tempo de execução. Após recuperar a posse, uma das vantagens de ter superioridade numérica é que o portador tem vários apoios para sair em transição.

Neste exemplo, na imagem acima, vemos que o movimento dos jogadores da Lazio e a forma como se dispõem em campo vai forçando lentamente o adversário a transportar o jogo até à lateral. Assim que a bola chega a essa zona, a equipa procura condicionar as opções de passe do adversário. Vemos que o portador da bola (Smalling) é imediatamente pressionado por Immobile, o que condiciona o seu tempo de análise e execução. A única linha de passe progressiva está dentro da “teia” da Lazio, e esse jogador está a ser vigiado por Lucas Leiva.

Os médios, alas e avançados têm um papel importante no momento de definir a zona de pressão. Como vemos neste exemplo, Lucas junta-se a Radu para criar uma situação 2v1 com o portador, Jony mais à esquerda impede que ele rode e jogue atrás e Immobile vai condicionar a possível linha de passe. A Lazio cria uma situação de 4v2 e consegue ter apoios para transitar após recuperar a posse.

Um dos objetivos desta pressão é condicionar ao máximo a ação do jogador. Apesar de se encontrar aqui uma situação de 3v3, a Lazio coloca dois jogadores a condicionar diretamente o portador da bola, encurralando-o, não permitindo que ele desenvolva a jogada.

Este é um dos exemplos da forma como a Lazio tenta “sufocar” o adversário com a pressão. Se o portador da bola continuar a procurar a lateral, está lá Lazzari pronto para desarmar. Se tentar rodar para a sua esquerda, Immobile já está próximo para pressionar. Se tentar fazer um passe progressivo a Lazio tem dois jogadores prontos para saltar à pressão e recuperar a posse.

Variantes defensivas

Uma das formas de defender que Inzaghi pretende para a sua equipa é criar um overload numa das laterais. A Lazio não pressiona de forma tão intensa neste momento, como é habitual, mas cria na mesma superioridade numérica. Caso consiga recuperar a posse, tem várias linhas de passe para transitar com mais espaço.

Estes overloads por norma são feitos com o ala a condicionar os movimentos adversários na lateral, um dos médios interiores a controlar o portador e Lucas a tapar a linha de passe para o centro.

Em organização defensiva a Lazio forma uma linha de 5, mas as marcações são diferentes em ambas as laterais. Na esquerda, Jony por norma sobe mais no terreno para pressionar o lateral adversário, enquanto Radu abre mais para marcar o extremo contrário. Posto isto, Lazzari fixa como lateral direito e não sobe de forma a manter uma linha de quatro defesas.

Na direita, Lazzari é responsável por acompanhar e marcar o extremo adversário, mas é Milinkovic-Savic que tem a função de abrir para pressionar o lateral contrário. Com isto Jony fixa-se como lateral esquerdo sem sair de posição.

Lucas Leiva é um jogador muito importante na Lazio de Inzaghi. Como médio mais recuado a sua função é essencial para garantir os equilíbrios defensivos da equipa. No momento em que a equipa define a zona de pressão na lateral, ou procura criar os overloads referidos, Lucas é importante porque com a sua capacidade defensiva ajuda a criar superioridade numérica, posiciona-se bem para condicionar as linhas de passe e tem as habilidades técnicas de desarme e interceção necessárias para a recuperação da posse de bola.

Uma das formas da Lazio se organizar no momento defensivo pode ser também em 5-3-1-1. Um dos avançados recua mais enquanto o outro fica mais fixo na frente (por norma Immobile). O atacante que recua é mais um homem que pode ajudar na criação de superioridade numérica e serve de ligação entre meio campo e ataque, sendo também um apoio no momento de transição ofensiva.

Referências individuais

Ciro Immobile e Joaquín Correa

A dupla de atacantes da Lazio é um dos motivos do grande sucesso da equipa esta temporada. Desempenham um papel fulcral no estilo de jogo que Inzaghi pretende, pela forma como trabalham em campo, pela procura de constantes movimentos de rotura e desmarcação, e pela forma como pressionam no momento defensivo.

Immobile é o melhor marcador da equipa com 30 golos marcados e 7 assistências completadas em todas as competições. Por sua vez, Correa já leva 8 golos e 4 assistências na temporada.

Luis Alberto e Sergej Milinkovic-Savic

A dupla mais ofensiva do meio campo da Lazio dá gosto de ver. Luis Alberto é o rei das assistências da equipa com 14 completadas até ao momento. Joga com liberdade porque tem qualidade para isso. Tem uma capacidade de definição, de descobrir linhas de passe, de progressão e de ligação de jogo fora do normal. É um dos principais responsáveis pelo processo criativo da Lazio.

Milinkovic-Savic é um autêntico box-to-box. Cumpre com extrema qualidade as tarefas defensivas, pela forma como pressiona, se posiciona e desarma o adversário. É referência para o pontapé longo do guarda-redes para a equipa conseguir ganhar a segunda bola, aparece na área para responder a cruzamentos, e oferece qualidade na progressão, no remate e no gesto técnico.

Lucas Leiva e Francesco Acerbi

Lucas Leiva ganhou uma nova vida na Lazio. Ocupa uma posição de exigência máxima pela importância que tem nos equilíbrios defensivos. Cobre muito bem os espaços e é fulcral no condicionamento de linhas de passe e em ajudar a equipa a criar superioridade numérica nas zonas de pressão. Através do passe é importante para iniciar a transição ofensiva e na forma como encontra o espaço para os colegas de equipa.

Aos 32 anos Francesco Acerbi está a fazer uma das melhores épocas da carreira. É um central muito competente, inteligente na forma de jogar e muito bom tecnicamente. Raramente compromete o alinhamento defensivo e oferece segurança pela sua capacidade de desarme e ocupação dos espaços.

Perspetivas futuras

A qualidade da Lazio é fruto de um ótimo trabalho de desenvolvimento do projeto por parte de toda a equipa técnica do clube e de Simone Inzaghi. Nestes últimos quatro anos ao comando do treinador italiano, a Lazio tem vindo a melhorar época após época. Na presente temporada pode alcançar um objetivo que falha há 13 anos: a Liga dos Campeões. E quem sabe, terminar o reinado de oito anos da Juventus e sagrar-se campeã de Itália.