Menu Close

Pela sexta vez nos últimos quinze anos (quarta nos últimos sete), o Sevilha venceu a Liga Europa (antiga Taça UEFA). A equipa de Lopetegui terminou assim uma campanha fantástica na competição, onde defrontou vários candidatos à vitória: Roma, Wolverhampton, Manchester United e Inter de Milão. Num confronto entre duas equipas com projetos recentes e treinadores a realizar a sua primeira época, o troféu era um bom prémio para qualquer uma das equipas após temporadas muito positivas.

De um lado um Inter conhecido pela maneira como sai a jogar de forma apoiada e criativa, com várias soluções bem preparadas independentemente do adversário e que utiliza muito bem a sua dupla da frente: Lukaku e Lautaro Martínez. Do outro, o Sevilha que também gosta de ter bola, organiza-se muito bem defensivamente e constrói ao detalhe os momentos e circunstâncias exatas para atacar a área adversária.

O jogo foi intenso, animado e com muitos golos, mas os desequilíbrios foram maioritariamente através de bolas paradas. Dois lances para cada lado, onde os ataques e os cruzamentos certeiros se sobrepuseram às tradicionais defesas organizadas de ambas as equipas. Em jogos a eliminar, o resultado por vezes é consequência de várias circunstâncias que podem ser aleatórias e contra natura, influenciadas pela concentração, adrenalina e imprevistos do jogo, algo que explica a dependência das bolas paradas em muitas finais jogadas. Neste caso, decidi ir rever o comportamento do Sevilha no seu segundo golo (marcado por De Jong).

Ao analisar o comportamento e posicionamento dos defesas do Inter em vários lances, a zona do segundo poste nem sempre era protegida da melhor maneira, sem o acompanhamento de jogadores que começavam noutras zonas da área. Coincidência ou não, o Sevilha aproveitou essas lacunas para criar vantagem com o seu melhor cabeceador, que através de uma excelente finalização marcou um golo importantíssimo nesta vitória. No vídeo seguinte, a análise ao lance e às situações que o Sevilha tentou explorar nas bolas paradas defensivas do Inter: