Menu Close

A primeira volta da Liga NOS 2019/2020 já teve o seu capítulo final. O SL Benfica comanda a classificação, com o FC Porto no seu encalço e um Sporting CP a ser uma das maiores decepções da Liga até ao momento, estando já a uns longínquos 19 pontos da liderança. No entanto, este artigo não se debruça sobre esses 3 clubes.

A ProScout, através das redes sociais, lançou o desafio aos seus seguidores de eleger qual o melhor XI que pisou os relvados nacionais de Agosto a Janeiro e os resultados são agora conhecidos: Amir (Marítimo); Sacko (Vitória SC), Nehuén Pérez (Famalicão), Tapsoba (Vitória SC), Sequeira (SC Braga), Gustavo Assunção (Famalicão), Uros Racic (Famalicão), Lucas Evangelista (Vitória SC), Francisco Trincão (SC Braga), Fábio Martins (Famalicão) e Paulinho (SC Braga).

GR: Amir (Marítimo)

Outro nomeados: Cláudio Ramos (Tondela), Makaridze (Vitória FC) e Marco Pereira (Santa Clara)

O internacional iraniano de 26 anos, que curiosamente até começou a época como suplente de Charles, tem sido o grande destaque da equipa madeirense desta época desde que assumiu a titularidade na jornada 6 frente ao SC Braga. Desde então, conta com 1080 minutos repartidos por 12 jogos, tendo sofrido 14 golos (1,16/jogo). Dos 12 jogos disputados, passou 4 deles sem sofrer qualquer golo.

Do ponto de vista estatístico tem apresentado números bastante encorajadores para as cores maritimistas: 3,3 defesas/jogo, correspondendo a uma taxa de 74% entre defesas e remates à baliza. Conta igualmente com uma grande penalidade defendida no decorrer desta 1ª volta.

Individualmente, Amir é um guarda redes muito ágil e com boa capacidade de posicionamento. Destaca-se essencialmente pela qualidade na distribuição de jogo em passes curtos e por ter um sentido de controlo da profundidade bem acima da média do campeonato.

DD: Sacko (Vitória SC)

Outros nomeados: João Aurélio (Moreirense) e Ricardo Esgaio (SC Braga)

O lateral maliano, também já várias vezes internacional pelo seu país, apesar de apenas ter participado em sensivelmente metade dos jogos do Vitória nesta primeira volta, ganhou o voto popular dos nossos seguidores. A efetuar na sua 5ª época ao serviço dos vimaranenses, leva então 810 minutos na Liga em 9 partidas disputadas.

Do ponto de vista estatístico conta com duas chances claras de golo criadas, duas assistências para golo, 1,4 passes chave/jogo, 0,8 dribles com sucesso/jogo e cerca de 3 passes longos certeiros por jogo. Defensivamente apresenta 1,3 interceções/jogo, 2,1 desarmes e os seus adversários apenas o ultrapassaram em drible 0,6 vezes/jogo (praticamente 1 drible a cada 2 jogos).

Com uma capacidade física excepcional – possui grande resistência, velocidade e força – é um lateral capaz de fazer a diferença em toda a ala direita. Difícil de bater no 1v1 defensivo, boa coordenação e comunicação com a restante linha defensiva, muita qualidade na progressão com bola e facilidade em fazer overlap para causar desequilíbrios na defesa contrária. Sacko é já reconhecidamente um dos melhores defesas laterais da Liga NOS.

DC: Nehuén Pérez (Famalicão)

Outros nomeados: Artur Jorge (Vitória FC), Nuno Coelho (Belenenses SAD) e Zainadine (Marítimo)

O defesa central do lado direito mais votado pelos nossos seguidores é Nehuén Pérez, jogador de apenas 19 anos de idade, emprestado aos famalicenses pelo Atlético de Madrid. A sua época de estreia na Liga NOS tem sido muito positiva, mostrando muita qualidade, apesar de ainda muito jovem e de já ter tido diferentes parceiros na defensiva do Famalicão.

Na Liga tem 14 jogos, 1266 minutos e um golo em seu nome no jogo frente ao CD Aves na 4ª jornada. Outros números interessantes são: 6.6 passes longos bem sucedidos/jogo, 1 intercepção/jogo, 3.2 desarmes/jogo, 0.4 dribles permitidos/jogo e 44% de duelos aéreos ganhos a adversários (tem sido onde o seu jogo denota mais dificuldades)

Tem impressionado pela enorme capacidade de desarme e na defesa 1vs1, capacidade de liderança, leitura e intercepções e pela contribuição na construção ofensiva, quer através de passes curtos ou passes longos.

DC: Tapsoba (Vitória SC)

Outros nomeados: Aderlan (Rio Ave), Jadson (Portimonense) e Fábio Cardoso (Santa Clara)

Mais um defesa do Vitória no XI dos nossos seguidores e também mais um que é já internacional pelo seu país. Edmond Tapsoba tem sido a grande revelação desta edição da Liga NOS. A cumprir a sua primeira época ao serviço da equipa principal do Vitória, é um dos indiscutíveis titulares para Ivo Vieira e segundo a imprensa desportiva já é seguido por alguns clubes nacionais e internacionais.

Apesar de ser um defesa central, tem mostrado valias de goleador, levando já 4 golos no campeonato, fruto da sua qualidade na marcação de grandes penalidades. Conta também com uma assistência para golo, obtida na jornada inaugural frente ao Boavista.

Muito forte fisicamente e no jogo aéreo, grande capacidade de desarme, seguro no 1vs1 defensivo e qualidade no passe longo. As suas estatísticas traduzem-se em 4.1 duelos ganhos/jogo, 1,5 desarmes/jogo, 0.9 intercepções/jogo, 0,7 drible permitidos/jogo, 60% de sucesso nas bolas aéreas e quase 70% (!) de acerto em passes longos.

DE: Sequeira (SC Braga)

Outros nomeados: Centelles (Famalicão), Henrique Gomes (Gil Vicente) e Bruno Teles (Paços de Ferreira)

Nuno Sequeira já começa a ser um nome habitual neste tipo de nomeações, mesmo quando ainda era jogador do Nacional. O lateral português de 29 anos está a chegar ao ponto de carreira onde potencialmente poderá apresentar o seu maior nível, devido à experiência e maturidade associadas às consecutivas épocas a este nível e ao sistema táctico onde agora se encontra, que permite grande liberdade ofensiva ao lateral.

Nesta primeira metade da época, tem sido dos jogadores mais utilizados por ambos os treinadores que já orientaram a equipa de Braga. 1344 minutos divididos por 15 jogos e onde já contribuiu com 2 assistências para golo, além de outras 4 grandes oportunidades de golo criadas. Apresenta também uma média de 2,7 passes chave/jogo (4º mais elevado de todos os jogadores), uma taxa de acerto de passe de 77% e 1.5 dribles/jogo. No lado defensivo do campo tem vindo também a crescer de época para época, o que é também visível pelas 1,8 intercepções/jogo, 7.1 recuperações de bola/jogo e média de menos 1 drible permitido por jogo.

Caracteriza-se essencialmente pela capacidade de cruzamento e passes em profundidade para as costas da linha defensiva adversária, bem como na sua capacidade de execução nas bolas paradas. Começa a reunir argumentos fortes para ser considerada uma chamada à seleção nacional.

MD: Gustavo Assunção (Famalicão)

Outros nomeados: Diaby (Paços de Ferreira), Palhinha (Braga) e Pêpê (Vitória)

Mais um jogador da geração de 2000 da equipa do Famalicão. Gustavo Assunção chega à equipa sensação da Liga após se desvincular dos quadros do Atlético de Madrid e de ter passado também pela formação do FC Porto e do São Paulo. Tem dupla nacionalidade (portuguesa e brasileira) e ainda está por conhecer a sua decisão em relação a qual dos países escolherá representar. Aos 19 anos e na sua época de estreia na Liga, perfila-se desde já como um dos maiores talentos a atuar em Portugal.

É o médio mais recuado no sistema de jogo de João Pedro Sousa, papel que se adequa na perfeição às características deste jogador: agressivo quando a equipa não tem a bola em sua posse, com grande qualidade na técnica de desarme e bom sentido posicional. Além das qualidades defensivas, destaca-se igualmente pela capacidade de drible e na transição ofensiva.

Somou 1387 minutos na primeira volta desta edição da Liga o que o coloca como um dos jogadores mais utilizados em toda a competição. Apresentou números francamente positivos: 2 desarmes/jogo, 5,9/duelos ganhos/jogo, 1 intercepção/jogo, 1,5 intercepções/jogo e 39 passes/jogo, com uma taxa de acerto de 86%.

MC: Lucas Evangelista (Vitória SC)

Outros nomeados: André Horta (Braga), Osama Rashid (Santa Clara) e Diego Lopes (Rio Ave)

Neste regresso bem-vindo ao campeonato, Lucas tem-se apresentado no meio campo do Vitória a um nível muito elevado – tal como fez enquanto jogador do Estoril em 2017/2018, onde trabalhou com Ivo Vieira – desde que ganhou a posição na equipa titular do Vitória, na Jornada 4. Desde então, raramente tem saído das escolhas do treinador, contando com 992 minutos, em 12 jogos e já fez balançar as redes da baliza adversária por uma vez, além das duas assistências.

Juntando a estas duas assistências, criou igualmente outras quatro oportunidades de golo, números que espelham bem a sua influência no jogo ofensivo do Vitória. A isso, junta 1,6 passes chave/jogo, acerto de passe de 86%, 1,3 dribles/jogo, 5,5 recuperações de bola/jogo e 2,2 desarmes/jogo.

É um médio com grande capacidade de passe, na ligação de setores e com qualidade no drible.

MC: Uros Racic (Famalicão)

Outros nomeados: Kraev (Gil Vicente), Pepelu (Tondela) e Pedro Gonçalves (Famalicão)

Mais um jogador da equipa de Famalicão no melhor 11 da primeira volta que os nossos seguidores escolheram. Racic é mais uma estreia absoluta na Liga NOS e encontra-se actualmente emprestado pelos espanhóis do Valência. O médio centro de 21 anos é internacional pelos vários escalões de camadas jovens da Sérvia, onde mostrou ter capacidade para voos mais altos e onde convenceu os responsáveis do Valência a investir cerca de 2,5M€ na compra do seu passe.

Jogador muito forte fisicamente, com muita inteligência na utilização do corpo para guardar a bola e com capacidade técnica no drible, tem surpreendido também pela sua ocupação de espaços no terreno de jogo.

Estatisticamente conta com: 2 golos, 1 chance de golo criada, 1,1 passes chave/jogo, 1 drible bem sucedido/jogo (70% de sucesso), 4 duelos ganhos/jogo, 0.8 desarmes e 0.5 intercepções/jogo.

ED: Francisco Trincão (SC Braga)

Outros nomeados: Marcus Edwards (Vitória SC), Tabata (Portimonense) e Murillo (Tondela)

Um dos meninos da geração portuguesa de 99, campeões europeus no escalão de sub-17 e sub-19, Trincão já é um dos nomes mais falados do futebol nacional e apesar de apenas somar 310 minutos na Liga nesta primeira volta, as suas qualidades foram suficientes para ganhar a votação do nosso público para esta posição.

Técnica de drible fantástica, velocidade, agilidade e finalização são os seus pontos fortes. Conta com 1 golo e 1 assistência na Liga, 6 oportunidades de golo criadas, 1.3 passes chave/jogo, 0.9 cruzamentos bem sucedidos, 1,4 dribles/jogo e uma percentagem de acerto no passe de 72%.

EE: Fábio Martins (Famalicão)

Outros nomeados: Ricardo Horta (SC Braga), Galeno (SC Braga) e Nuno Santos (Rio Ave)

O quarto jogador da equipa de Famalicão na lista (espelha bem a fantástica primeira volta que a equipa realizou) é o extremo Fábio Martins, que também se encontra em Famalicão em regime de empréstimo, desta vez por parte do Sporting de Braga. Nas últimas épocas, à semelhança de alguns dos nomes desta lista, já começa a ser habitual este reconhecimento público das suas qualidades, apesar de se ter destacado essencialmente durante o período de empréstimo a outras equipas por parte do SC Braga (Paços de Ferreira, Chaves e agora Famalicão).

Extremo veloz e com capacidade de desequilíbrio no 1v1, é talhado para os momentos de transição ofensiva. A isto ainda junta uma boa meia distância e qualidade na finalização. Não é portanto de surpreender, que nesta edição da Liga leve 7 golos, provindo de uma média de 2.2 remates/jogo. Também tem em seu nome 3 assistências para golo e outras 3 oportunidades de golo criadas, 1,8 passes chave/jogo, 1 cruzamento eficaz/jogo, 1,1 dribles bem sucedidos e 5,6 duelos ganhos/jogo, em média.

PL: Paulinho (SC Braga)

Outros nomeados: Taremi (Rio Ave), Mohammadi (Aves), Sandro Lima (Gil Vicente)

Após passagens por Trofense e Gil Vicente nos escalões secundários do futebol português, Paulinho deu o salto para o SC Braga em 2017 e tem-se afirmado como um dos melhores avançados da Liga desde então. Aos 27 anos, é claramente uma das figuras deste SC Braga, especialmente após a saída de Dyego Sousa no final da época passada e é outro jogador que começa a reunir bastantes argumentos para uma potencial chamada à selecção nacional.

Um avançado forte nos apoios e na associação com os colegas através do passe curto, com grande entendimento do jogo no último terço do terreno e com uma técnica de finalização muito boa.

Na primeira volta fez 14 jogos e apontou 9 golos (0,6 golos/jogo e uma média de um golo a cada 112 minutos), 2,9 remates enquadrados/jogo, 2 assistências e 1 outra grande oportunidade criada, 0,9 passes chave/jogo, 3,7 duelos/jogo e 0,4 dribles bem sucedidos/jogo.