LIGA NOS: Os números que vai querer conhecer

LIGA NOS: Os números que vai querer conhecer

Raio X Liga NOS

Existem números que podem passar despercebidos à maioria das pessoas, mas que bem analisados podem ajudar a perceber muitos detalhes acerca das equipas, seus momentos de forma e até acerca do próprio campeonato. São esses números “esquecidos” que pretendemos desvendar e que certamente terá todo o interesse em conhecer.

 

Porto defesa de “betão”?

O Futebol Clube do Porto lidera nesta fase a Liga NOS e consultando a tabela classificativa constatamos ser a defesa menos batida do campeonato com apenas 6 golos sofridos. Contudo, há números que nos podem revelar muito mais e responder à questão:  O reforço Éder Militão terá, segundo análise dos números, a preponderância na equipa que as recentes exibições parecem querer demonstrar?

Antes do mais será necessária uma viagem ao passado recente para verificarmos que o  clube “azul e branco” à 4ª jornada (quando o central assumiu a titularidade) até então ocupava o 5ª lugar da classificação, apresentando 5 golos sofridos. Desde a estreia do central canarinho, o FCP realizou mais 7 jogos, sofrendo apenas mais 1 golo no exigente clássico disputado no Estádio da Luz, frente ao rival SL Benfica.

Resumindo, a dupla de centrais Militão/Felipe contabiliza em 7 jogos, apenas 1 golo sofrido, enquanto a dupla Felipe/Diogo Leite à 3ª jornada já contava com 5 golos sofridos.

Outra curiosidade dos números, revela que o FC Porto neste campeonato ainda não sofreu qualquer golo na 1ª parte dos jogos, sendo que todos os seus 6 golos foram concedidos nas 2ª partes.

Não restam dúvidas, a estatística mais detalhada revela que o líder da Liga NOS até ao momento, apresenta a defesa menos batida do campeonato, seguida dos “outros” azuis do Belenenses que sofreram apenas 8 golos, 5 deles na 2ª parte dos jogos (63%) e apenas 3 nas primeiras partes (38%).

 

Os rivais Sporting e Benfica, estatisticamente confirmam o momento de crise?

Em termos defensivos, encontram-se em situações muito distintas. Enquanto o Sporting CP ocupa a posição de 3ª equipa que menos golos sofre do campeonato português (em “ex aequo” com SC Braga), já o SL Benfica ocupa a 7ª posição, bem mais preocupante para o estatuto de um candidato ao título.

Será ainda curioso analisar o antes e o pós José Peseiro, tentando decifrar se em termos defensivos a equipa estaria assim num momento tão negativo que justificasse a dita chicotada psicológica. Até ao momento, e em 10 jogos disputados, a equipa de Alvalade consentiu apenas 10 golos, bem dispersos entre os 1º tempos (5 golos sofridos / 50%) e os 2ª tempos (5 golos sofridos /50%). O técnico foi demitido à 8ª jornada, com a equipa com um score de 8 golos sofridos em 8 jogos disputados, uma média de 1 golo por jogo. O técnico interino Tiago Fernandes apresenta exatamente os mesmo números do antecessor, ao que aos jogos para o campeonato diz respeito, assumiu a equipa em 2 jogos (Santa Clara e GD Chaves) sofrendo 2 golos, um em cada jogo.

Relativamente ao Sport Lisboa e Benfica, os números defensivos são bem mais preocupantes. A equipa apresenta nesta altura 11 golos sofridos em 10 jogos disputados, registo idêntico aos apresentados pelo Vitória FC (8º classificado da Liga Nos) e Feirense (16ª classificado e em zona de descida ao momento).

Parece existir um antes e um após clássico frente ao Futebol Clube do Porto: isto porque, antes desse jogo os encarnados encontravam-se, em conjunto com o SC Braga, no 1º lugar da Liga NOS, somando apenas 5 golos sofridos em 7 jogos decorridos (melhor defesa do campeonato até esse momento).  A partir  da derrota no Jamor frente ao Belenenses, os encarnados iniciaram uma fase de 3 jogos, onde sofreram 6 golos (mais golos sofridos nas últimas 3 jornadas que nos 7 jogos iniciais)!

 

Golos sofridos ditam quem luta pela manutenção

Outra curiosidade interessante, será verificar que as equipas que mais golos consentem nesta edição do nosso campeonato são as mesmas que estão numa disputa acesa pela manutenção, excluindo os casos de: Feirense que tendo um registo defensivo muito interessante e positivo (11 golos sofridos/10 jogos disputados), encontra-se também nesta luta pela permanência e do Santa Clara que no lado totalmente oposto, pois tem um registo defensivo algo permeável e negativo (16 golos sofridos em 10 jogos realizados), consegue permanecer no 9º lugar da Liga, a apenas 4 pontos do 5º lugar

  1. Nacional (19 golos sofridos / 15º classificado)
  2. Portimonense (18 golos sofridos / 11º classificado)
  3. GD Chaves (17 golos sofridos / 18º classificado / lugar descida)
  4. Santa Clara (16 golos sofridos / 9º classificado)
  5. CD Aves (15 golos sofridos / 13º classificado)
  6. Tondela (14 golos sofridos / 14º classificado)
  7. Boavista (14 golos sofridos / 17º classificado / lugar descida)

 

Rio Ave e o seu futebol de qualidade

Os vilacondenses já nos vêm habituando nas últimas épocas a produzir futebol ofensivo e com muita qualidade de jogo, fruto de bons plantéis e orientados por treinadores de renome nacional como Nuno Espírito Santo, Pedro Martins, Luís Castro ou Miguel Cardoso. Agora com José Gomes ao comando, os números comprovarão uma mudança de paradigma?

Não! O plantel do Rio Ave continua a produzir bom futebol, segundo o que as estatísticas nos dizem. Em primeiro lugar, têm no plantel o 2º melhor marcador do campeonato com 5 golos, o estreante Carlos Vinicius, o que já de si diz muito. Depois, lideram as estatísticas de “duração de ataques que terminam em golo” (38,4 segundos) e o “número médio de passes em ataques que terminam em golo” (11.2 passes).

De realçar ainda, o facto de em ambas as listas, o recém-promovido e na luta pela permanência Portimonense, ocupar o 3º lugar com (21,3 segundos) e (6,5 passes) respetivamente. Ou seja, em Portimão também se assiste a bom futebol!

Para finalizar esta temática acerca do bom futebol produzido no Estádio dos Arcos, de mencionar ainda que noutros itens estatísticos mais relacionados com qualidade de futebol ofensivo, o Rio Ave ocupa sempre posição de destaque entre os 3 melhores, sendo apenas superado pelos números de um dos grandes mas sempre à frente do “possível candidato ao título” SC Braga.

Posse de Bola (média):

  1. Benfica – 62.5 %
  2. FC Porto – 59.7%
  3. Rio Ave – 58.3%

Passes Precisos por jogo (média):

  1. Benfica – 414
  2. Rio Ave – 371
  3. FC Porto – 367

Fintas bem sucedidas por jogo (média):

  1. FC Porto – 8.7
  2. Rio Ave – 7.4
  3. Benfica – 6.9

Tentativa de Dribles por jogo (média):

  1. Rio Ave – 42
  2. FC Porto – 31
  3. Portimonense – 31

 

Benfica em crise? Qual crise?

Do ponto de vista ofensivo e estatisticamente analisando, o Sport Lisboa e Benfica não parece viver nenhuma crise de rendimento.

Os números acima apresentados, deixam isso bastante claro. Lidera os índices de maior posse de bola, mais ataques por jogo, mais passes certeiros por jogo e ainda é a 2ª equipa que mais remata por jogo, sendo apenas superada pelo FC Porto:

Remates por jogo (média):

  • FC Porto – 13.8
  • Benfica – 13.7
  • Sporting – 13.5

Mais ataques por jogo (média):

  1. Benfica – 103 ataques
  2. Sporting / Nacional / Portimonense – 97
  3. Porto – 95

Números que contradizem um pouco as críticas que têm sido feitas ao seu plantel e ao treinador Rui Vitória, tanto pelos media, como pela própria massa associativa do clube da Luz que afirmam existir um futebol “sem ideias”, sem “fio de jogo”, sem qualidade ofensiva e muito entregue às individualidades.

Outra curiosidade, será o facto da equipa não ter ainda celebrado qualquer golo de fora da área. Todos os seus 19 tentos para o campeonato foram realizados dentro da área adversária, o que será algo de estranhar dado a presença de elementos no plantel com boa meia distância como será o caso de Gabriel, Jonas ou até o próprio Gedson. Pelo contrário, os seus rivais FCP e SCP somam ambos 3 golos de fora da área.

Também ainda realçamos o facto da turma encarnada, ainda não somar até ao momento, qualquer golo marcado de bola parada, o que poderá indicar falta de jogadas ensaiadas no laboratório do Seixal.

Nacional e Portimonense, ambos na luta para a não descida de divisão, são ainda, a par do candidato ao título Sporting, a 2ª equipa que mais ataques têm por jogo, superando inclusive o actual campeão nacional FC Porto.

 

Equipas que mais marcam

Também neste parâmetro, temos de destacar a liderança dos homens de Sérgio Conceição, com 21 golos marcados em 10 jornadas, sendo seguidos de perto pelos rivais lisboetas do SL Benfica com 19 golos em 10 jogos.

A realçar, o poderio ofensivo do SC Braga que neste momento parece ser um dos 4 candidatos à conquista da Liga NOS 2018-2019. Além de colocar no topo da lista de marcadores o seu atacante Dyego Sousa com 7 golos marcados, é também a par do Benfica a 2ª equipa com mais golos marcados até à data (19 em 10 jogos disputados).

Focamos o facto dos Guerreiros do Minho terem entradas fortes nos minutos iniciais dos jogos, pois os números revelam que 63% dos seus golos foram marcados ainda na 1º tempo do jogos (12 golos) e apenas 37% no 2º tempo dos jogos (7 golos), sendo que apenas 1 desses golos foi marcado de fora da área. A equipa bracarense costuma celebrar os seus golos na fase inicial dos jogos, normalmente entre o minuto 15 e o minuto 45.

De destacar ainda as equipas que sabem como marcar golos: os açoreanos do Santa Clara, recém promovidos ao principal escalão conseguem até esta data contabilizar uns espantosos 17 golos em 10 partidas (11 deles marcados nas segundas partes/65%); o ofensivo Rio Ave que contabiliza os mesmos 17 golos; o Vitória SC com 15 golos marcados (11 deles também marcados nas segundas partes dos jogos / 73%)

 

Os mais indisciplinados são

Tondela com 5 cartões vermelhos (dois deles no último jogo em casa frente à equipa de Rui Vitória), Benfica e Santa Clara ambos com 3 cartões vermelhos, são as equipas que mais vezes se viram privadas de acabar os jogos com os 11 elementos.

Quanto aos amarelos, Boavista com 36, Feirense com 30 e Vitória FC com 29 são as equipas mais admoestadas.

 

O prémio de equipa mais azarada

O SC Braga com 9 remates aos postes, seguido de Portimonense e FC Porto com 6 podem se considerar as equipas com mais azar desta edição da Liga NOS até ao momento.

De outro ponto de vista, em termos de penaltys sofridos temos o azarados Santa Clara com 6, seguido do Belenenses com 4 e Moreirense com 3.

 

Os sortudos são

Com mais penaltys assinalados a seu favor, podem ser consideradas como as equipas com maior sorte:  Sporting com 5 (todos convertidos / 100% eficácia); Nacional com 4 ( apenas 3 convertidos / 75 %) e Belenenses e Vitória SC ambos com 3 (todos convertidos / 100 % eficácia).

 

Portimonense um candidato à descida mas bom de bola

Pode ser um dos candidatos para a não permanência no principal escalão, mas os comandados de António Folha e que contam com nomes de grande qualidade como Nakajima ou Jackson Martinez no seu plantel, ofensivamente é uma equipa sedutora e que procura produzir bom futebol, prova disso são os seus 12 golos marcados em 10 jogos realizados, ser uma das equipas que mais dribles por jogo procura realizar, ser a 3ª equipa que mais procura pressionar em zonas altas do terreno (meio campo adversário), só atrás do FC Porto e Belenenses e ainda consegue ser a equipa que maior % de passes-chave realiza em todo o campeonato com 55% (em 11 passes-chave acertou 6).

 

Algumas estatísticas individuais

Quem não tem interesse em conhecer quais os números relacionadas ao rendimento/produtividade dos “artistas”  dentro das quatro linhas?

Analisar quem mais assiste, quem mais passes acertados consegue obter por jogo, quem mais remata à baliza, entre tantos outros.

Como não queremos que nada falte, apresentamos de seguida todos esses números desejados.

Pizzi é quem mais golos dá para os colegas faturarem! O camisola 21 do SL Benfica é quem mais assiste na Liga NOS, logo seguido do colega de equipa André Almeida e do rival do FC Porto, Otávio.

Não deixa de ser curioso, não só o fato do lateral direito dos encarnados aparecer nesta lista, ele que tem sido alvo de vários juízos de valor por supostamente não ser o mais indicado a assumir a titularidade absoluta de um grande ou de ser caracterizado por alguns como um lateral demasiado defensivo. No top 3 também aparece o nome de Otávio que não tem sido titular indiscutível dos azuis e brancos mas consegue mesmo assim, ter uma enorme preponderância no processo ofensivo.

 

E quem conseguirá realizar mais passes na Liga NOS? 

Pois bem, aqui também há algumas surpresas.

O tecnicista lateral esquerdo Grimaldo é quem realiza mais passes (84% de passes certos), acompanhado do médio Pizzi (82% passes certos), do central da equipa da cruz de Cristo, Sasso, e do também central Rúben Dias.

 

Quando falamos na percentagem de passes bem sucedidos, aí as coisas já mudam de figura. Com 91%, Fejsa é quem tem melhor relação de passes realizados e passes bem sucedidos, o central do Rio Ave Borevkovic e Sasso do Belenenses com eficácia de 90% ocupam ambos o 2º lugar do Top 5! Com 89 % aparece o médio João Schmidt, também ele pertencente aos quadros do clube vilacondense, seguido por Rúben Dias (SLB), Bruno Viana (Braga) e Nuno Coelho (Belenenses) com eficácia de 88%.

Curioso, além do facto de haver um lateral com maior número de passes realizados, detetarmos a presença de vários defesas centrais e médios mais defensivos nos números de passes conseguidos e eficazes. Há duas conclusões a considerar:

  • No futebol português, as equipas cada vez mais procuram jogar apoiado desde zonas recuadas, com defesas e médios defensivos a terem cada vez mais qualidades técnicas, sem receios de ter a bola e assumir o jogo;
  • Nessas zonas mais recuadas existirá também uma menor pressão adversária, o que permite uma circulação de bola mais passiva, mais lateralizada, procurando na maioria das vezes atrair o adversário, convidando-o a subir mais no terreno, realizando passes mais seguros,  sem arriscar possíveis perdas da bola em zonas consideradas de perigo.

 

Quem realiza mais passes-chave?  

Neste capítulo poucas surpresas. Os médios criativos assumem essa preponderância no jogo das suas equipas com destaque para Otávio (FCP/39 passes-chave), Pizzi (SLB/35 passes-chave), Bruno Fernandes (SCP/34 passes-chave), Brahimi (FCP/28 passes-chave). 

Curioso, o topo da lista contar apenas com a presença de jogadores provenientes dos 3 grandes do futebol nacional.

 

Será que quem realiza mais passes-chave também é quem consegue ter maior % de eficácia? 

Segundo os dados, ambos não estão directamente relacionados!

No Top-5 aparece com 75% de eficácia de passes-chave o médio Paulinho (Portimonense), 69% Pizzi (SLB), com 67%  Maxi Pereira (mais um lateral a destacar-se no passe), 63% o possante atacante Dyego Sousa (SC Braga) e para finalizar a lista, no 5º posto Diego Lopes (Rio Ave).

 

Número de remates

Quem mais remata nesta edição do campeonato português é o atacante do Rio Ave Galeno com 37 “tiros”.

Merecem ainda lugar de destaque: Bruno Fernandes do Sporting CP com 32 remates, o bracarense Dyego Sousa com 31 remates, o benfiquista Salvio com 28 remates e o nipónico Nakajima do Portimonense com 25 remates.

 

E quanto ao número de remates à baliza? 

O ex FC Porto Galeno mantém o 1º posto com 13 remates realizados nas balizas adversárias, o mesmo número de13 remates efectuados pelo argentino Eduardo Salvio, Nakajima terá 12 remates no alvo e o bracarense Wilson Eduardo, a apresentar também ele números bastante sugestivos com 11 remates.

 

Quem apresenta maior eficácia na hora de chutar à baliza??

No rácio entre o número de remates efectuados e o número de remates realizados à baliza adversária, quem demonstra ter maior eficácia é o maliano Marega (56%).

Seguem-se Fernando Andrade do Santa Clara (56%), Wilson Eduardo (55%), o atacante encarnado Sferovic (48%) e o japonês Nakajima (48%) fecha as contas do TOP5.

 

Os “brinca na areia”

Os que mais arriscam no drible: Galeno (Rio Ave), o português Rochinha (Boavista), o brasileiro Bruno Tabata (Portimonense), o criativo Brahimi (FC Porto) e o preponderante Nakajima (Portimonense).

Interessante verificar que emPortimão temos jogadores que arriscam do ponto de vista ofensivo, fortes tecnicamente, capazes de tornar a Liga NOS bem mais atrativa na perspetiva do espetáculo.

Dos clubes ditos candidatos a títulos, apenas o argelino Brahimi atreve-se a desafiar oponentes através dos seus recursos técnicos apurados.

Com maior eficácia na capacidade de drible temos o portista Otávio (70%)Nakajima (64%), Brahimi (62%), Fredy do Belenenses (62%), Correa do Marítimo (61%) e Edson do Feirense (61%).    

Os maus da fita ou os salvadores?

São vistos por muitos como os que impedem outros de serem felizes. Para outros, já são vistos como quem os salvou em situações complicadas.

Passamos a apresentar quem realiza mais desarmes no principal escalão português:

A completar a sua 3ª temporada em Santa Maria da Feira, Edson Farias já realizou 63 desarmes, tanto na posição de médio direito, como na de lateral direito, o que permite à equipa do Feirense contar com um jogador polivalente, tendo um defesa bom no desarme, como também um médio capaz de ajudar o seu lateral a fechar o seu corredor direito.

Quem não fica muito distante desses números é Pedro Sá. O médio de vocação mais defensiva do Portimonense, contabiliza uns incríveis 62 desarmes realizados nos 10 jogos, sendo seguido bem de perto de outro lateral direito Marcelo Goiano do SC Braga (57 desarmes), do seu companheiro de equipa nos arcebispos Ricardo Esgaio (57 desarmes) e do experiente central do GD Chaves Bruno Gallo (56 desarmes).

Não será de estranhar que no topo destes dados estatísticos, estejam presentes médios direitos que têm (ou já tiveram) experiências como defesas laterais (os casos de Edson e Esgaio), bem como a presença de um lateral mais defensivo como Goiano e de um defesa central Bruno Gallo.

Quanto à eficácia demonstrada no desarme, Joãozinho representando o Tondela, mais um lateral, destaca-se com 75% seguido de mais 2 laterais direitos! Bebeto do Marítimo com 73% de eficácia e Goiano com 68%, para além de conseguir muitos desarmes também os realiza de forma extremamente eficaz.

Alertamos ainda para o facto de tanto em desarmes realizados como na sua eficácia, apenas encontramos em Fejsa (51 desarmes/ 61% eficazes)o fiel representante dos candidatos ao título SL Benfica, Sporting CP e FC Porto numa lista composta por 20 jogadores.

E os mais faltosos não contam?

Na Proscout não excluímos ninguém, todos têm a sua importância!

Assim, Jonatan do Belenenses é quem mais faltas realiza na Liga NOS (29), acompanhado de Tiago Silva do Feirense (27), Semedo do Vitória de Setubal (26), Pedro Sá do Portimonense (26), Neto do Moreirense(26)  e o trinco Wakaso do Vitória SC (26).

 

E quem sofre mais Faltas em toda a Liga NOS?

Como diz o velho ditado “Cá se fazem, Cá se pagam”.

Rochinha do Boavista, 2º classificado nas estatísticas de quem mais procura o drible no nosso campeonato, é curiosamente (ou não) quem mais faltas sofre, 49 mais concretamente!

E então quem tenta mais o drible não é tão castigado?

Desengane-se quem pensa isso!

Galeno é considerado o “brinca na areia” da Liga, mas também sofre com esse facto, sendo o 2º que mais faltas sofre (42).

Para fechar o Top 5 temos Edson Farias do Feirenese com 34 faltas sofridas, o tecnicista Fredy do Belenenses com 29 e o ponta de lança do Tondela Tomané com 28.

 

Há ainda faltas mais problemáticas do que outras

Sem dúvida alguma, não será certamente o mesmo, fazer uma falta a meio campo ou realizá-la dentro da nossa própria área!

Desta feita, apresentamos Nadjack do Rio Ave que realizou 2 faltas cometidas que originaram penalidade e César, defesa central do Santa Clara (antigo jogador do SL Benfica) com o mesmo número de penaltys cometidos…

Há outras faltas que até dão mais gosto de sofrer

Falamos agora daquelas faltas que proporcionam à nossa equipa usufruir de um pontapé de grande penalidade, e assim ficar bem mais perto do golo.

O goleador holandês do Sporting CP Bas Dost com 2 faltas sofridas dentro da área rival, o possante extremo argentino Eduardo Salvio também com duas e o nosso bem conhecido Ola John (agora no Vitória SC proveniente do SLB) são quem mais faltas com direito a penalty têm.

Curioso o facto de nesta lista de dois penaltys sofridos estarem  presentes 3 jogadores que fazem partes dos quadros (ou já fizeram) dos candidatos ao título SLB e SCP.

Assim como, desses três jogadores, dois serem de nacionalidade holandesa!

Será que na Holanda, além do famoso treino holandês de futebol apoiado, também existem exercícios para treinar “como conquistar penaltys”?

Artigo escrito por Flávio Sousa com estatísticas do InStat e Sofa Score

Sobre o Autor

ProScout

A ProScout analisa o futebol do ponto de vista individual e colectivo, procurando identificar dinâmicas que possam ser discutidas no âmbito do contexto técnico-táctico.

Artigos relacionados