Menu Fechar

Marcus Edwards, o “Messi inglês”

Marcus Edwards, 21 anos, uma das contratações sonantes no passado verão da Liga NOS 2019/2020, procura nesta época confirmar o porquê da alcunha.
Nascido em Londres a 3 de Dezembro de 1998, proveniente da equipa inglesa Tottenham Hotspur, onde foi formado enquanto jogador. Aquisição de grande destaque para os Vitorianos, através de um acordo realizado pela nova direção do clube, que tomou posse no verão passado de 2019. O atleta custou ao Vitória Sport Clube 1,25 milhões de euros, que ficou com 50% do seu passe.

O jogador tem neste momento um valor atual de mercado de 3,5 milhões de euros e uma cláusula de rescisão de fixada nos 15 milhões de euros, com contrato até 2023. Internacional pelas camadas jovens da seleção Inglesa e campeão da Europa em sub 19 no ano de 2017, tem neste momento 27 jogos oficiais ao serviço do Vitória, contabilizando 6 golos e 6 assistências, ainda com grande parte do campeonato por realizar. No passado recente, conta com empréstimos a outros clubes, tendo sido o mais recente na equipa do Excelsior, equipa Holandesa, onde participou em 28 jogos e marcou 2 golos.

É um médio talentoso, pé esquerdo, de características ofensivas, rápido, ágil, forte na progressão, com capacidade para acelerar, procura preferencialmente desequilibrar em último terço através das ações de um contra um, para depois realizar cruzamento ou remate, encontra muito bem os espaços que o adversário oferece para poder causar estragos. No momento atual tem jogado na posição de extremo, no corredor direito (lado oposto ao pé), potenciando a movimentação interior, garantindo mobilidade no jogo, de modo a surgir entre linhas ou com movimentações de fora para dentro, de modo a enquadrar-se com a baliza e finalizar.

Dotado de uma excelente visão de jogo, a sua inclusão em espaço interior potencia ações como o último passe. Por outro lado, é um atleta franzino, de baixa estatura (1,76 m), com pouca capacidade para o jogo aéreo e duelos, tecnicamente muito dependente do seu pé esquerdo, tornando-se algo previsível nas suas ações, deverá ainda melhorar a sua tomada de decisão e timing de entrega da bola. Foi sem dúvida uma boa contratação para os conquistadores, que junta ao futebol positivo da equipa uma certa irreverência e talento.