Raio X Táctico: Bayern Munique

Raio X Táctico: Bayern Munique

O crónico campeão alemão é o próximo adversário do SL Benfica, neste percurso da Champions League que teve o seu início no mês de agosto.

O Bayern de Munique realizou já três jogos para Bundesliga com 3 vitórias por resultados esclarecedores, tendo até ao momento 9 golos marcados e 2 sofridos.

A equipa alemã ao longo dos 3 jogos da Bundesliga já realizados (não estamos a contabilizar o jogo da Taça Alemã frente a um adversário de escalões inferiores) apresentou onzes iniciais com algumas alterações, o que, associado à onda de lesões que apoquenta o Bayern, dificulta a tarefa de deduzir o onze provável para o jogo de quarta-feira. Caso Robben e Ribéry recuperem das lesões que os impediram de treinar na segunda-feira, serão titulares no lugar de James e Gnabry.

Organização Defensiva

Os germânicos alinham normalmente em 4-1-4-1 em bloco médio, na zona da linha de meio campo, mas não permite ao adversário progredir em condução. Nesta zona sempre que o adversário procura progredir os jogadores da linha média fazem movimentos de encurtamento, obrigando a jogar para o lado ou para trás.

A equipa orientada por Niko Kovač apresenta uma excelente definição da zona (corredor lateral no setor médio) e momento de pressão. O conjunto alemão pressiona em bloco e obriga o adversário a baixar no campo, controlando a iniciativa de jogo.

Não são muitos os pontos fracos do Bayern no momento defensivo mas podemos destacar como fragilidade a recuperação da posse de bola de forma rápida o que cri uma superioridade tão clara na zona da bola, que tem como consequência desorganizar a equipa em largura. Sendo ultrapassada ou o adversário variando o corredor de jogo em velocidade poderá criar perigo. Ainda assim, recuperam rapidamente para as suas posições defensivas.

Tanto Boateng como Hummels (ou Sule) são muito fortes no jogo aéreo, principalmente de frente para o jogo. Além de serem dois centrais muito experientes e com um sentido posicional muito forte. Os defesas laterais apesar de serem muito ofensivos são também rápidos e comprometidos a recuperar.

Uma das principais dúvidas no onze do Bayern tem a ver com o pivot defensivo. Se a escolha for Martinez a equipa perde em organização ofensiva mas ganha um jogador muito posicional e forte defensivamente.

 

Organização Ofensiva

O Bayern tem dominado nos últimos anos a nível interno e esta temporada não parece ser excepção. Nos três jogos já realizados na Bundesliga apresentou números que demonstram bem a sua hegomonia a nível nacional. Posse de bola a rondar 70%, mais de 87% de acerto de passes, 9 golos marcados e mais de 730 passes por jogo.

Ofensivamente conseguem oferecer muita largura em todos os setores do campo com movimentos permanentes de aproximação e rutura pelos interiores e extremos. A qualidade individual do Bayern faz com que a equipa tenha muita facilidade em aproximar jogadores da zona de finalização, várias vezes com 5 e 6 jogadores dentro da área.

Thiago é um jogador diferenciado. Consegue definir sempre de forma correta se deve temporizar em largura ou procurar o passe frontal ou ainda a condução rápida e posteriormente o passe.

A primeira fase de construção tem como protagonista Neuer que é um dos melhores guarda-redes do Mundo mas não se limita a defender. No processo ofensivo tem como função ser líbero e oferece qualidade na saída de bola. Outra das referências dos germânicos na fase de construção é Boateng. O central alemão é muito forte no passe para o apoio frontal (ponta de lança ou interiores e ainda extremos em movimentos de apoio dando a largura ao laterais).

A construção é feita normalmente através dos dois centrais e/ou o médio defensivo que ocupa espaço entre eles ou um pouco a frente. Com  os dois laterais bem projectados no meio campo adversário e os extremos bem subidos, as equipas adversárias abrem espaços no corredor central e a bola pode entrar no espaço entre sectores ou então circulam com paciência e de forma segura em largura.

Kimmich e Alaba oferecem profundidade e largura nos seus respectivos corredores. Pela capacidade e propensão ofensiva que oferecem à equipa são dois jogadores a ter em conta pelos desequilíbrios que promovem. Dois laterais muito forte em combinações com os seus extremos e conseguem rapidamente criar situações de 2×1.

Uma das grandes dúvidas para o embate de quarta-feira é a condição física de Robben e Ribery. No caso dos dois extremos recuperarem a tempo, deverão ser opções no onze titular de Niko Kovač o que faz com que toda a dinâmica ofensiva da equipa mude. Com James em campo, podemos assistir a permutas posicionais com Muller, com o médio colombiano a pisar terrenos interiores e o alemão a procurar mais zonas exteriores. Do outro lado, Gnabry oferece velocidade e verticalidade. No caso das escolhas incidirem sobre os dois jogadores mais experientes, o Bayern vai explorar muito as rotinas e dinâmicas que existem entre os extremos e laterais. Com Robben e Ribery a equipa ganha mais experiência, inteligência táctica e também explora mais as subidas dos seus laterais, com os extremos a procurarem mais terrenos interiores, abrindo espaços para as subidas de Kimmich e Alaba.

Lewandowski dispensa apresentações. É um dos melhores pontas de lança do Mundo e pode decidir o jogo a qualquer altura. Forte no jogo aéreo, em movimentos de ruptura ou com bola no pé. Consegue criar facilmente situações de finalização e é uma das referências dos alemães em todos os momentos da partida.

Foi desta forma que o Bayern Munique marcou alguns dos seus golos esta época na Bundesliga.

Bolas Paradas – Contra

O Bayern é uma das equipas mais competentes a defender neste momento do jogo. Não permitem muitas oportunidades aos adversários através das bolas paradas. Defendem com todos os elementos numa marcação à zona e contam também com Neuer que é um guarda-redes com excelente capacidade para sair aos cruzamentos, impedindo as equipas contrárias de finalizarem.

Bolas Paradas – Favor

Existem poucas equipas no Mundo que exploram tão bem as bolas paradas ofensivas como o Bayern Munique. Atacam com muitos homens e procuram essencialmente as referências ofensivas que são fortes no jogo aéreo como é o caso de Hummels, Boateng, Lewandowski e Muller que aparece bem no segundo poste. São várias as soluções que apresentam no decorrer do jogo e já marcaram 2 golos esta época na sequência de pontapés de canto. Muita atenção ao espaço desde o meio da baliza para o segundo poste, onde costumam aparecer vários jogadores a finalizarem.

Sobre o Autor

Paulo Gomes

Nascido em 1981, Treinador UEFA B, Licenciado em Ciências Militares pela Academia Militar e Mestre em Desporto - Treino Desportivo pela Escola Superior de Desporto de Rio Maior. Paralelamente à sua profissão desempenhou funções de treinador principal em várias equipas do Campeonato Distrital de Aveiro, bem como de Treinador Adjunto/Analista no Atlético Clube Riachense – Campeonato Nacional de Séniores. Apaixonado por treino, pela observação e análise do jogo, entende que esta é fundamental para a melhoria de competências enquanto treinador.

Artigos relacionados