Menu Close

Antevisão Lech Poznan

XI Provável

O clube polaco tem várias ausências no eixo defensivo para o jogo contra o SL Benfica. Djordje Crnomarkovic e Lubomir Satka costumam ser os habituais titulares mas estão de fora do jogo desta quinta-feira. O primeiro contraiu Covid-19 e o segundo foi expulso na eliminatória de acesso à fase de grupos da Liga Europa. Tomasz Dejewski é a quarta opção e vai assumir a titularidade, tal como já fez no último jogo. Thomas Rogne é o capitão da equipa, mas nunca fez mais de seis jogos consecutivos como titular. Na última partida do campeonato polaco, lesionou-se no aquecimento e ainda está em dúvida, pelo que o técnico Dariusz Zuraw pode ter de utilizar um jogador adaptado como central.

Nas restantes posições não devem existir grandes surpresas no XI utilizado pelo conjunto polaco frente aos encarnados.

Momento Defensivo

O Lech procura subir as suas linhas e pressionar alto na primeira fase de construção do adversário. Podem pressionar com dois jogadores na frente, Dani Ramírez e Mikael Ishak. Caso não consigam recuperar a posse de bola no seu meio-campo ofensivo, descem o seu bloco mas demoram algum tempo a reagir, ficando a equipa partida e com espaços entre linhas.

A linha defensiva utiliza muito as referências individuais, saindo com facilidade das suas posições para acompanharem os jogadores contrários. Este arrastamento para fora das posições faz com as equipas adversárias consigam explorar bem os espaços no corredor central com combinações simples. Os extremos ajudam no processo defensivo quando a equipa consegue baixar as suas linhas e organizar-se mas no geral deixam os seus laterais expostos até porque procuram estar sempre preparados para transições rápidas.

Sentem dificuldades em passes em profundidade para as costas da linha, assim como cruzamentos laterais e lances de bola parada.

Momento Ofensivo

No processo ofensivo iniciam a fase de construção desde trás com a participação de um dos médios centro, Pedro Tiba ou Jakub Moder, a desempenharem o papel de terceiro central. Podem posicionar-se numa zona mais central ou mais descaídos para um dos corredores e vão alternando esta dinâmica ao longo da partida. Umas vezes baixa o médio português e noutras o médio polaco.

Se os adversários pressionam de forma mais intensa e com as linhas subidas, promovem alguns erros na saída de bola do Lech, num momento de jogo em que a equipa está exposta ofensivamente e com os laterais bem projetados no meio-campo contrário.

Mesmo saindo algumas vezes desde trás com construção a dois ou a três, o principal objetivo passa por jogar com processos simples e fazer a bola chegar rapidamente ao jogadores da linha ofensiva.

Os laterais projetam-se muito no meio-campo contrário, especialmente o lateral esquerdo Vasyl Kravets. Com a subida dos dois laterais, os extremos, Kaminski e Puchacz, promovem movimentos interiores para abrirem espaços nos corredores. O sistema base 4-2-3-1 pode transformar-se num 4-4-2, dependendo da posição de Dani Ramírez. O médio ofensivo espanhol aparece muitas vezes no apoio ao avançado e principal referência da equipa Mikael Ishak.

Perto da grande área, há ordem para rematar à baliza contrária. Pedro Tiba, Jakub Moder e Dani Ramírez apresentam uma excelente meia distância e não pedem permissão para rematar à baliza. Dani também tem a capacidade para sair da sua posição e receber a bola em zonas mais recuadas, trocando de posição com Pedro Tiba em algumas situações.

Moder é um dos elementos mais diferenciados deste conjunto polaco. O médio de 21 anos é um jogador acima da média, com enorme potencial pela sua capacidade para organizar jogo e chegar a zonas de finalização. Joga bem com os dois pés, demonstra qualidade no passe e visão de jogo. O sucesso dos encarnados no jogo desta quinta-feira passa por anular a linha intermédia do Lech Poznan, principalmente o médio polaco.