Menu Close

Bruno Guimarães é um dos nomes do momento do futebol brasileiro. O jovem de 22 anos foi considerado o melhor médio do Brasil em 2019 e na ProScout temos seguido o seu percurso desde 2018 quando começou a aparecer no Athletico Paranaense e foi um dos responsáveis pela campanha na Sul-Americana 2018 e pela Copa do Brasil 2019. A equipa orientada por Tiago Nunes venceu ambas as provas com o médio brasileiro em grande destaque.

Como tivemos oportunidade de referencia no nosso report do Brasileirão 2019, Bruno Guimarães é dos jogadores mais completos da competição. Cresceu muito durante a temporada e hoje é seguido de perto por vários clubes europeus que procuram reforçar o meio-campo com a chegada do jovem de 22 anos. Tem sido associado ao Atlético de Madrid, Chelsea, Arsenal e Benfica.

É sobretudo o Benfica que tem procurado garantir os serviços do médio do Athletico Paranaense, de acordo com a comunicação social. O clube português tem seguido de perto a sua evolução e a avaliação tem sido muito positiva. Um jogador que tem potencial para ser uma referência na sua posição na selecção brasileira mas para isso necessita de continuar a jogar de forma regular. O médio aparece bem em zonas de finalização mas é em zonas mais recuadas que marca a diferença. Qualidade de passe com os dois pés. Um médio evoluído tecnicamente e com capacidade para ligar o jogo entre sectores. Tacticamente é um atleta maduro e pode desempenhar várias posições do meio-campo.

Tiago Nunes, actual técnico do Corinthians e antigo treinador do Athletico Paranaense deixou muitos elogios a Bruno Guimarães quando o entrevistámos no nosso podcast.

“O Bruno chegou ao clube no período de 2017, não jogou e veio directo para a equipa principal. Em 2018 participou comigo na equipa de Aspirantes onde fomos campeões no Estadual. Um jogador que tecnicamente ainda tinha algumas dificuldades, principalmente nas bolas longas, na identificação da troca de lado com a bola mais viajada na diagonal. Algumas dificuldades técnicas na fase defensiva mas com uma capacidade de jogar pressionado pelo adversário e pelos ambientes fora do comum. Um jogador que se sente muito à vontade num ambiente de stress. Um atleta que consegue identificar os espaços vazios e uma capacidade para se posicionar como poucos vi. Isso faz com que tenha a oportunidade de receber a bola com menos pressão e receber a bola em momentos onde pode ser decisivo. E a coragem que tem para jogar é fantástica! Muitas vezes alguns detalhes técnicos passam despercebidos porque ele tem uma capacidade de imposição técnica e de personalidade muito grande que fazem a diferença para ele estar vivendo este momento.” – Tiago Nunes, antigo treinador de Bruno Guimarães em entrevista no podcast Scout Talks

Variação do flanco de jogo com passe longo
Fase de construção com Bruno Guimarães numa zona mais recuada para ter espaço e tempo para decidir e iniciar o ataque

No sistema actual de Bruno Lage, o jovem brasileiro deve ser encarado como o médio de transição. O box-to-box que o Benfica encontrou no renovado Taarabt mas com características diferentes.

Bruno Guimarães demonstra maior capacidade defensiva na forma como pressiona os adversários logo após a perda e na agressividade durante a marcação e desarme. Apesar da qualidade defensiva que apresenta, é no momento com bola que se destaca sendo um jogador diferenciado. Gosta de queimar linhas em progressão, em drible ou em velocidade.

É um jogador muito inteligente, com qualidade de passe e com grande visão de jogo. Não apresenta o critério na decisão que o marroquino tem mas procura mais passes em profundidade e variações do centro de jogo com passes longos. Apesar disso a qualidade dos passes entre linhas e a forma como procuram os espaços para receberem tornam-os jogadores muito semelhantes. A nível da finalização, o jovem brasileiro aparece melhor no último terço.

Uma solução de futuro mas com garantias imediatas. Bruno Guimarães é um médio brasileiro com perfil europeu. Dinâmico, com grande intensidade a pensar e maduro tacticamente. Um jovem que não terá dificuldades em adaptar-se ao futebol europeu e cujo o investimento pode ser considerado baixo tendo em conta o seu potencial e aquilo que pode vir a valer nos próximos anos.