Menu Close
[:pt] 

França

Convocados:

Guarda-redes: Paul Bernardoni (Bordeaux), Quentin Braat (Nantes);

Defesas: Enock Kwateng (Nantes), Olivier Boscagli (Nice), Jérôme Onguéné (Sochaux), Issa Diop (Toulouse), Jérémy Gelin (Rennes), Clément Michelin (Toulouse), Christ-Emmanuel Maouassa (Nancy);

Médios: Lucas Tousart (Lyon), Ludovic Blas (Guingamp, Amine Hart (Nantes), Denis Will Poha (Rennes), Jeando Fuchs (Sochaux);

Avançados: Jean-Kévin Augustin (PSG), Florian Aye (Auxerre), Marcus Thuram (Sochaux), Kylian Mbappé (AS Monaco).

Bernardoni, Kwateng, Boscagli, Onguéné, Diop, Maouassa, Tousart, Blas, Fuchs, Augustin, Aye, Mbappé e Thuram já se estrearam nas equipas principais dos seus clubes, sendo que alguns deles já vão na segunda época a disputarem competições seniores, como Bernardoni, Boscagli, Onguéné, Diop, Tousart, embora este último, devido a transferência, tenha jogado menos esta época. A maioria destes já conta com um mínimo de 10 jogos disputados nos seus clubes, algo que os torna, certamente, mais competitivos.

Os jogadores que mais sobressaem neste lote são Tousart, Augustin e Mbappé. Tousart, a disputar pela segunda vez a competição, é um líder, médio defensivo muito culto em termos tácticos, e que entrega a bola quase sempre com qualidade. Augustin e Mbappé serão os quebra-cabeças da equipa gaulesa, usando a tremenda capacidade de aceleração que têm, assim como a facilidade com que deixam os adversários para trás em lances de 1×1, além de serem elementos com golo.

  

Croácia

Convocados:

Guarda-redes: Karlo Letica (Val Kastel Stari), Ivan Nevistić (Rijeka);

Defesas: Matej Hudećek (Dinamo Zagreb), Silvio Anočić (Roma), Martin Erlić (Sassuolo), Vinko Soldo (Dinamo Zagreb);

Médios: Karlo Plantak (Dinamo Zagreb), Bojan Kneževič (Dinamo Zagreb), Andrija Balić (Udinese), Luka Ivanušec (Lokomotiva), Nikola Moro (Dinamo Zagreb), Matija Fintić (Dinamo Zagreb), Kristijan Jakić (RNK Split);

Avançados: Josip Brekalo (Wolfsburg), Fran Brodić (Club Brugge), Davor Lovren (Dinamo Zagreb), Ivan Božić (Dinamo Zagreb), Marijan Čabraja (Dinamo Zagreb).

Soldo, Ivanušec, Jakić, Balić, Moro, Kneževič, Brekalo, Brodić, Božić e Lovren já todos se estrearam nas equipas principais dos seus clubes, mas apenas Balić e Brekalo tiveram utilização constante na época passada a esse nível e o primeiro, após ser transferido em Janeiro, não teve um único minuto no novo clube. Algo que pode ajudar a explicar esta situação é o facto da selecção croata ser a equipa mais jovem, constituída de forma quase equitativa por jogadores nascidos em 1997 e 1998, aproveitando parte da geração de 98 que fez uma óptima campanha no último Mundial de sub-17.

Os dois nomes que se destacam nesta convocatória são Balić e Brekalo. O primeiro pode actuar em qualquer posição do meio campo, mas, a longo prazo, deverá fixar-se na posição 6, onde poderá exibir a tremenda qualidade de passe e visão de jogo que o caracterizam. Brekalo é, talvez, a maior arma em termos ofensivos da equipa balcânica. Muito forte na ala esquerda a desequilibrar o adversário, por dentro, por fora, em iniciativas individuais ou em combinações, a assistir ou finalizar, é, de facto, um jogador de excelente categoria.

  

Inglaterra

Convocados:

Guarda-redes: Freddie Woodman (Newcastle), Sam Howes (West Ham);

Defesas: Jonjoe Kenny (Everton), Callum Connelly (Everton), Taylor Moore (Lens), Dael Fry (Middlesbrough), Kyle Walker-Peters (Tottenham), Fikayo Tomori (Chelsea), Reece Oxford (West Ham);

Médios: Jordan Rossiter (Rangers), Joshua Onomah (Tottenham), Oluwaseyi Ojo (Liverpool), Ryan Ledson (Cambridge United), Ainsley Maitland-Niles (Ipswich Town);

Avançados: Tammy Abraham (Chelsea), Dominic Solanke (Chelsea), Isaiah Brown (Chelsea), Ademola Lookman (Charlton Athletic).

Do grupo que esteve presente em Malta para disputar o Campeonato da Europa de sub-17, Woodman, Howes, Moore, Kenny, Fry, Ledson, Onomah, Solanke e Brown repetem a chamada e vão tentar adicionar mais um troféu aos seus currículos.

Woodman, Kenny, Connolly, Moore, Rossiter, Onomah, Ojo, Ledson, Oxford, Maitland-Niles, Abraham, Solanke, Brown e Lookman já se estrearam no escalão sénior, com a grande a maioria a ultrapassar as duas dezenas de jogos. A maioria jogou em divisões inferiores, mas é sabido como as divisões secundárias inglesas são competitivas.

São vários os jogadores com capacidade para fazer diferença na equipa inglesa, mas o tridente ofensivo do Chelsea é aquele que pode fazer mais danos: Abraham, Solanke e Brown. O primeiro foi quase sempre suplente dos dois últimos durante a formação, mas este ano aproveitou o empréstimo destes para brilhar na equipa que conquistou a Youth League. Rápido e com bom poder de aceleração, é muito perigoso nas imediações da área. Solanke esteve algo apagado durante o ano, talvez sentindo o choque com o futebol sénior durante o empréstimo ao Vitesse. Fortíssimo fisicamente, tem capacidade para se relacionar com os colegas ou para atacar a bola na profundidade. Tem um poder de finalização muito acima da média para idade e neste escalão, não terá as dificuldades que teve ao longo da época para se destacar. Brown é um dos abre-latas da selecção dos três leões. Com um poder de aceleração impressionante e facilidade no 1×1, promete ser um agitador constante do jogo e um criador de situações de golo para os ingleses.

  

Holanda

Convocados:

Guarda-redes: Yannick Van Osch (PSV), Maarten Paes (NEC);

Defesas: Deyoviso Zeefuik (Ajax), Hidde ter Avest (Twente), Calvin Verdonk (Feyenoord), Julian Lilieveld (Vitesse), Jurich Carolina (PSV), Carel Eiting (Ajax);

Médios: Pablo Rosario (Almere City), Laros Duarte (PSV), Abdelhak Nouri (Ajax), Jari Schuurman (Feyenoord), Kenneth Paal (PSV), Michel Vlap (Heerenveen):

Avançados: Steven Bergwjin (PSV), Sam Lammers (PSV), Gino Dekker (Ajax), Dennis van der Heijden (ADO Den Haag).

Da equipa finalista do Campeonato Europeu sub-17 de 2014 estão presentes: Van Osch, Verdonk, ter Avest, Paal, Schuurman, Nouri, Bergwjin.

Ter Avest, Verdonk, Lilieveld, Schuurman, van der Heijden, Bergwjin, foram os jogadores que já se estrearam nas equipas principais dos seus clubes, ter Avest já fez quase 40 jogos pelo seu clube, Bergwjin e van der Heijden fizeram perto de uma dezena.

Os dois jogadores que prometem levar a Holanda a um nível mais alto e quiçá levar a geração a mais uma final são Nouri e Bergwjin. Nouri é o criativo do meio campo. Ágil e forte nas fintas de corpo, é fortíssimo no passe e descobre colegas onde quase ninguém vê. É um assistente por natureza. Bergwjin é o rebelde. Pode jogar em qualquer posição da frente, embora seja na ala esquerda que consegue potenciar melhor as suas qualidades, fazendo uso da sua mudança de velocidade e das diagonais venenosas para o interior em busca do remate ou de assistência para um companheiro.

[:]