Menu Close

Everton Sousa Soares, o Cebolinha, é o mais novo jogador do Benfica. Natural de Maracanaú, no Ceará, o extremo de 24 anos começou a sua formação nas categorias de base do Fortaleza EC, chegando ao Grêmio em 2013 com 16 anos. Já no ano seguinte estava a estrear pela equipa principal, figurando desde então como uma das grandes promessas do futebol brasileiro. Em 2018 assumiu a condição de destaque do conjunto gremista, sendo convocado recorrentemente para a seleção brasileira e chamando atenção dos clubes europeus. Pelo Grêmio, foram 273 jogos, 69 gols e 31 assistências, tendo como principais títulos a conquista da Copa do Brasil de 2016 e da Libertadores de 2017, com muita importância em ambas campanhas. Pela seleção nacional, conquistou a Copa América de 2019 sendo o artilheiro do torneio e estando na seleção do campeonato.  

De 1,74 m 72 kg, Everton chega aos encarnados como opção para o lado esquerdo do campo, onde esteve habituado a jogar desde que surgiu. Porém, dentro da mobilidade ofensiva e alta rotatividade posicional proposta por Renato Portaluppi no Grêmio, Cebolinha também desenvolveu aptidões para jogar em zonas interiores. Tecnicamente diferenciado e com essa ampla área de atuação, Everton consegue agregar constantemente com dribles, toques curtos e movimentos de ruptura, tendo vital influência nos ataques da equipe. Em condições de 1×1 é fatal, com aceleração e velocidade para eliminar adversários com facilidade e progredir com bola próxima ao pé. Ao chegar em terço-final, é realçada sua consistência técnica em últimos toques, tanto para finalizar de diferentes distâncias, quanto para assistir ao companheiro melhor posicionado. 

Por outro lado, pelo conjunto nacional, Tite optou por explorar suas valências sempre aberto e sendo acionado principalmente para desequilibrar através de dribles no último terço do campo. Denotando autoconsciência e interpretação de outro modelo, Cebolinha foi capaz de aguardar em amplitude permanente em vários momentos durante a Copa América do ano passado. Na ausência de Neymar, foi um dos jogadores mais agudos da equipa brasileira, servindo para verticalizar e conferir energia a cada ataque que participava em campo. 

Em momento defensivo acostumou-se a ter funções de recomposição e vigilâncias individualizadas aos laterais adversários, sendo responsável por auxiliar no preenchimento das lacunas pelo setor esquerdo. No entanto, por ter se tornado a grande referência ofensiva da equipe gremista, em muitas ocasiões poderia ficar resguardado desse trabalho defensivo para ser ativado em cenários de transição ofensiva, onde teria tempo/espaço suficientes para avançar com liberdade. Com vigor e intensidade, podia auxiliar em situações de pressão alta em terreno contrário, saltando sobre centrais ou laterais e dificultando a saída de bola rival.

Capaz de desestruturar defesas por meio de habilidade própria, o ponta brasileiro contempla qualidades intrínsecas do futebol canarinho. Sua imaginação com bola, uma certa insubordinação com ela nos pés, é das mais vibrantes e inventivas que surgiram no futebol sul-americano recentemente. Com Jorge Jesus poderá, por exemplo, potencializar movimentações coordenadas de duplas de atacantes em rupturas, como foi feito com Bruno Henrique no Flamengo, e manter o envolvimento de jogo a partir de corredores internos, ou até mesmo explorar sua versão em largura exterior. Em suma, Everton Cebolinha está entre as melhores contratações dos últimos anos das Águias, sendo um avançado com desenvoltura para agregar de vários modos em seu novo time.