Menu Close

O Rei de tr(i)unfo, saiu da manga de Sérgio Conceição

O Vitória entrou muito bem no jogo, onde teve ontem 30 minutos de uma excelente Organização Defensiva 4-3-3 , em bloco médio alto, cortando basicamente as linhas de passe à construção do FC Porto.

O.D. do Vitoria muito bem definida em 4-3-3

Fruto dessa eficaz Organização Defensiva, o Vitória logrou ao adiantar-se no marcador, com uma excelente leitura de André André, e a culminar com uma Transição ofensiva muito rápida de Rochinha, que desferiu um remate forte ainda desviado em Diogo Leite, traindo Marchesin.

Primeiro golo do Vitória, Rochinha

Sérgio Conceição depois de estar em desvantagem, e depois de ver a sua equipa apática, sem ideias para contrariar o posicionamento do Vitória, com Romário Baró muito passivo, não se movimentando no espaço após efetuar um passe, muitas vezes a deslocar-se demasiado para meio do terreno de jogo, a ser visto perto de Pepe ou de Corona. Juntando a isso, Baró arriscou demasiado num segundo cartão amarelo sendo a gota de água para a sua substituição. Substituição essa que viria a ser fulcral para o desenrolar do jogo, onde Sérgio Conceição tirou da manga o rei do triunfo deste jogo – Luis Díaz.

Golo FC Porto 1-1, Taremi

No primeiro golo do FC Porto, Díaz com as sua movimentações permanentes, saindo de um espaço entre linhas e baixando até junto dos centrais, atraindo consigo Almeida, e deixando livre entre linhas Sérgio Oliveira, que recebe a bola e faz um passe magistral para Marega assistir Taremi para o golo do empate.

Golo empate Taremi 2-2, FC Porto

Díaz viria a ser preponderante na jogada do segundo golo Portista, com um primeiro toque de excelência, onde deixou Sacko cerca de 10m para trás.

Neste golo do FC Porto podemos ver também o desinteresse defensivo de Ricardo Quaresma, poderia ter seguido Díaz quando a falta foi batida e o desinteresse defensivo de Rochinha, que deveria estar junto de Corona, devido a não estar obrigou André André a posicionar-se mais à frente do que deveria e isso viria a ser fatal, pois chegaria atrasado à finalização de Taremi.

3-2 Golo de Diaz com colaboracão de Marega

Corona aproveita muito bem o espaço entre a linha da defesa e a do meio campo Vimaranense, e a aproveitar a comunicação deficiente entre Ricardo Quaresma e André André.

Marega a ter uma importância tremenda neste golo, arrastando consigo o DC do Vitória e outra vez Díaz no golo da vitória Portista utilizando o espaço que o seu colega Marega criou.

Mudança completa do jogo Portista após a entrada de Luis Díaz, que com o seu posicionamento e movimentação destrui um castelo sólido até então.