Menu Close

Scouting: a busca pelas caras do Sporting 2021/22

O final da temporada 2020/21 trouxe um fim de ciclo para várias atletas do plantel feminino do Sporting. Apesar da Liga BPI ter terminado há pouco tempo, são várias as saídas já conhecidas no plantel leonino e, por isso, está na hora de pensar em alternativas.

Ao longo deste artigo, a ProScout vai recorrer aos dados estatísticos e à observação que tem à disposição para procurar potenciais jogadoras que encaixem em determinados perfis. Neste caso, vamos procurar caras para quatro posições específicas: guarda-redes (seguindo o perfil de Inês Pereira e Patrícia Morais), defesa central (seguindo o perfil de Nevena Damjanovic), extremo esquerdo (seguindo o perfil de Raquel Fernandes) e avançada, onde vamos apresentar soluções de acordo com dois perfis diferentes, o de Ana Capeta e o de Carolina Mendes.

[GUARDA-REDES] Inês Pereira e Patrícia Morais: os perfis

Primeiro de tudo, é importante esclarecer que decidimos ter como amostra em termos estatísticos apenas a última temporada, ou seja, 2020/21 (2020 no caso do Brasileirão, porque a época 2021 ainda é recente). Esta amostra será tida em conta ao longo de toda a análise.

Passando então aos perfis de Inês Pereira e Patrícia Morais, estes são parecidos. Ambas têm segurança no jogo de pés, são shot stoppers de qualidade e capazes fora dos postes. Ficam abaixo algumas das estatísticas utilizadas para filtragem e com o comparativo entre ambas:

Rute Costa

Internacional portuguesa vinculada ao FC Famalicão. Salta à vista no aspeto estatístico o facto de sofrer mais golos em média do que Inês Pereira e Patrícia Morais, mas aqui entra também em funcionamento o contexto em que cada uma delas está inserida. No caso de Rute Costa, é um guarda-redes muito mais testada ao longo dos encontros. Em média, o FC Famalicão consentiu nove remates a cada 90 minutos que Rute Costa jogou. Guardiã experiente no contexto de Liga BPI, muito forte entre os postes e também capaz fora deles.

Esther Sullastres

Guarda-redes titular de um Deportivo que luta pela permanência no primeiro escalão espanhol. Muito competente entre os postes, com bons reflexos. Fora dos postes, é suficientemente segura no jogo aéreo, faz bem a “mancha” nas saídas e é rápida a agir. Numa equipa do Deportivo que sofre para se manter entre as melhores de Espanha, certamente a culpa não será de Sullastres, que se apresenta como uma guarda-redes experiente e de qualidade. Poderia ser uma boa oportunidade de negócio.

Outras alternativas:

  • Montse Quesada (Espanyol, 20 anos)
  • Patricia Larqué (Rayo Vallecano, 29 anos)

[DEFESA CENTRAL] Nevena Damjanovic: o perfil

A estatística (a famosa big data) permitiu-nos traçar com relativa facilidade o perfil de Nevena Damjanovic, aquele que vamos seguir na busca de alguém que substitua a defesa central sérvia. Deixando de parte variáveis como os golos marcados e as oportunidades criadas, uma vez que seriam números inflacionados pelo facto de estarmos a falar de uma especialista em bolas paradas (vários golos de livre e de grande penalidade), focamo-nos em várias percentagens ao longo das últimas três épocas: passes acertados, duelos ganhos pelo chão, duelos ganhos pelo ar e desarmes bem sucedidos. Tivemos ainda em atenção a média de recuperações de bola.

Analisando os dados, chegamos à conclusão que uma defesa central fiel à imagem de Nevena Damjanovic terá que ser alguém forte nos duelos pelo chão e pelo ar e que garanta um elevado número de recuperações de bola por jogo. Ofensivamente, procuramos uma defesa central com capacidade de passe e competente a sair a jogar. No caso específico de Nevena, há ainda o bónus das bolas paradas, que nesta análise será descartado. Deixamos aqui alguns dados estatísticos de Nevena Damjanovic:

Lauren

Antes de tudo, alertamos para o facto de termos escolhido duas alternativas estrangeiras para o lugar de Nevena, uma vez que a nossa análise levou-nos a concluir que, em Portugal, apenas Diana Gomes seria um nome viável para ocupar o lugar da sérvia, mas ao mesmo tempo irrealista no mercado atual. Assim, encontramos Lauren no eixo da defesa do São Paulo. Defesa central de apenas 18 anos, com um futuro muito promissor. Imponente no jogo aéreo, forte no desarme e na pressão à portadora da bola. A nível de passe, tem qualidade q.b. para atuar numa equipa grande em Portugal, ainda que não seja tão construtora como Nevena era.

Myrthe Moorrees

Defesa central de 26 anos que atua pelo conjunto alemão do Sand. Joga pela esquerda da defesa – como Nevena – e, apesar de ser destra, consegue utilizar o pé esquerdo. Tem uma presença imponente em termos físicos, ganha a maioria dos duelos, sobretudo no jogo aéreo. Com bola, é uma jogadora que não arrisca tanto no passe, mas que tem qualidade suficiente para não dar bolas fáceis às adversárias.

Outras alternativas:

  • Lina Hausicke (Werder Bremen, 23 anos)
  • Marina Georgieva (Sand, 24 anos)

[EXTREMO ESQUERDO] Raquel Fernandes: o perfil

Fomos também à procura de alternativas a Raquel Fernandes, que ocupava o lugar à esquerda do ataque leonino. Sempre com recurso aos dados e à observação em vídeo, fomos analisar as últimas duas épocas da brasileira para traçar o perfil, mas contabilizamos apenas a última época para efeitos de estatística.

De um modo muito sucinto, procurar alguém com o perfil de Raquel Fernandes é procurar uma extremo com golo, capaz de providenciar assistências, de criar oportunidades de golo e forte no drible e no passe. Os números abaixo comprovam isso mesmo.

Aline Milene

Não tem tanto golo como Raquel Fernandes, mas tem capacidade para ser uma desequilibradora de grande qualidade na Liga BPI. Internacional A brasileira por dez vezes, Aline Milene é uma jogadora com experiência, que joga da esquerda para dentro, forte no drible e com bom remate. Seria uma opção interessante para a equipa leonina e com capacidade para causar estragos em Portugal.

Outras alternativas:

  • Ana Teles (SC Braga, 20 anos)
  • Catyellen (Avaí/Kindermann, 24 anos)
  • Mylla (São Paulo, 26 anos)

[AVANÇADA] Ana Capeta e Carolina Mendes: os perfis

Nesta situação, vamos procurar avançadas que satisfaçam os perfis de Ana Capeta e Carolina Mendes, pelo que as sugestões que vamos dar são mais, uma vez que Capeta e Carolina Mendes são jogadoras diferentes, mas com algo em comum: a experiência.

Ao procurarmos uma avançada semelhante a Ana Capeta, procuramos uma avançada que ofereça mobilidade e que se envolva na manobra ofensiva através de chances criadas e de passes-chave para a equipa. No caso de Capeta, os golos ficam muitas vezes em segundo plano, porque é uma avançada que trabalha mais para os oferecer às colegas. Eis algumas das variantes usadas:

Valores médios p/ 90 minutos

Telma Encarnação

Aos 19 anos, Telma Encarnação é internacional A por Portugal e a jóia mais rara da formação do Marítimo. Movimenta-se na grande área como mais ninguém em Portugal, tem qualidade para recuar e participar na construção, um forte pontapé de meia distância e faro para o golo. Ainda não é uma jogadora totalmente maturada, mas já apresenta alguns anos de experiência na Liga BPI e apresenta um nível exibicional já muito interessante. Não há muitas jogadoras com as características de Telma. O facto de ter renovado durante a última época pelo Marítimo poderia ser um entrave a um possível negócio.

Duda

Internacional A brasileira e figura de proa no ataque do São Paulo. Joga bem com os dois pés, é rápida e tem bom jogo de cabeça. Posiciona-se bem na área, mas é também muito forte a atacar o espaço entre lateral e central. Para além dos golos que marca, assume também um papel importante na criação de oportunidades de golo para as companheiras de equipa, muitas das vezes através do ataque à profundidade para ganhar a linha de fundo e assistir.

Elín Metta Jensen

Avançada experiente, com carreira nos Estados Unidos e na Islândia. Internacional islandesa por 29 ocasiões, destaca-se pela mobilidade. É uma jogadora que não se fixa à área e que não tem problemas em recuar no terreno para participar na construção ofensiva da equipa. Apesar disso, não deixa de ser uma ameaça para as redes, já que também aparece em zona de finalização e para atirar a contar. Joga bem de costas para a baliza, tem uma leitura interessante e finaliza bem.

Outras alternativas:

  • Hannah Keane (SC Braga, 28 anos)
  • Tipa (São José, 26 anos)

Se por outro lado, olharmos ao perfil de Carolina Mendes, vamos à procura de uma avançada mais de área. No fundo, vamos à procura de uma ‘9’ mais pura, mais possante fisicamente e que possa jogar mais perto da baliza. Apesar dos estilos diferentes, as médias de Carolina Mendes não diferem muito das de Capeta (não só esta época, mas ao longo dos últimos três anos). Por isso, é também importante complementar a análise com observação em vídeo para perceber os estilos de jogo e deve ter-se em atenção o contexto onde estão inseridas e o grau de dificuldade de cada jogo:

Vitória Almeida

Chegou a Portugal pela porta do FC Famalicão e desde logo foi uma grande sensação. Finalizadora de extrema qualidade, é o tipo de jogadora a quem não se quer dar o mínimo de espaço dentro da área. É mais forte a atacar os espaços do que Carolina Mendes e consegue recuar no terreno para se associar com a restante equipa, mas a área é o seu habitat natural.

Outras alternativas:

  • Jhennifer (Corinthians, 19 anos)
  • Palominha (Valadares Gaia, 22 anos)


Para todos os clubes, treinadores, jogadores, olheiros, agentes, empresas e media que queiram saber mais sobre os nossos serviços de scouting, não hesitem em contactar-nos através de mensagem privada ou do nosso email geral@proscout.pt.