Menu Close

Sporting x SC Braga: Pragmatismo garante três pontos ao leão

No duelo mais aguardado da jornada 12, o Sporting bateu o SC Braga por 2-0. Os leões marcaram nas duas oportunidades que criaram e viram os minhotos esbarrarem em Adán por múltiplas ocasiões. A equipa de Carlos Carvalhal teve bons momentos e até criou o suficiente para sair de Alvalade com outro resultado, mas fica a oito ponto do líder.

O jogo:

O Sporting entrou melhor e durante 20 minutos controlou as operações. Carvalhal arriscou a deixar 3vs 3 na linha defensiva, situação que potenciou a exploração da profundidade pelos defesas leoninos. Esgaio e Raúl Silva tiraram duas vezes Nuno Santos do golo neste período.

A partir daí o Sp. Braga criou oportunidades e até final da primeira parte podia ter feito golo duas vezes, por Ricardo Horta – tentou o chapéu- e por Al-Musrati, que viu a bola bater no poste e acabar por sair para canto.

Na segunda parte, o Sporting chegou ao golo e geriu melhor as operações: esteve implacável em organização e transição defensiva e apesar de ter visto Adán fazer um punhado de boas defesas, acabou por sentenciar a partida com um golo de Matheus Nunes.

  1. – 3×3 entre Sporting e Sp. Braga na primeira fase de construção dos leões
  2. – 3×3 no último terço bracarense. Modelos táticos totalmente encaixados quando o Sporting esteve em organização ofensiva
  3. – Sporting não abdicou da linha de cinco na defesa, estando quase sempre em inferioridade no meio campo
  4. A qualidade técnica faz a diferença em jogos amarrados taticamente. Ricardo Horta quase fez golo mesmo não lhe tendo sido concedido espaço pela defensiva leonina

O golo do Sporting, que desbloqueou o jogo, surge num movimento típico de Rúben Amorim: rotura de extremo, solicitada por Nuno Mendes. Na conclusão, a mestria do «apagado» Pote fez a diferença.

Destaques individuais:

+

  • Adán – mostrou enorme qualidade entre os postes pelo segundo jogo consecutivo,
  • Pedro Porro – acabou como MVP depois de anular Galeno ao longo de todo o jogo,
  • Ricardo Esgaio – deu profundidade no seu corredor e ainda teve a capacidade de controlar Nuno Santos até à saída do extremo.

  • Pedro Gonçalves -passou ao lado do jogo (apesar do golo marcado),
  • Galeno – Perdeu o duelo 1vs1 do jogo frente a Porro,
  • Tiago Tomás – foi sujeito demasiadas vezes a duelos aéreos com Raúl Silva, situação em que é manifestamente inferior ao defesa bracarense,