Menu Close

Quando nos tempos mais recentes, há já vários debates acerca da importância do Scouting no futebol atual, os franceses do Lille OSC são a prova provada de que ter uma boa equipa de Scouts a trabalhar num clube profissional de futebol, pode ser crucial para que com pouco dinheiro, se consiga construir uma equipa competitiva, recheada de talento e conseguir aliar a tudo isto, a obtenção de resultados bem positivos (4º classificado final da Ligue 1, ficando apenas a um ponto do 3º)

Orientados pelo seu diretor desportivo Luis Campos, conseguiram montar um plantel jovem, mas recheado de talento como são exemplos: Ikoné (22 anos), Osimhen (21 anos), o renascido Renato Sanches (22 anos), Gabriel (22 anos), Çelik (23 anos), entre outros.

Ao mesmo tempo, procurou-se incorporar uma “espinha dorsal” formada por alguns jogadores experientes que pudessem servir de suporte a toda esta juventude como: José Fonte (36 anos), Benjamin André (29 anos), o nosso bem conhecido Nico Gaitán (32 anos) ou Loic Rémy (33 anos).

Um misto, portanto, de experiência com a irreverência da juventude que tinha tudo para dar certo e sob um olhar muito atento e criterioso da sua equipa de Scouting, coordenado devidamente pelo seu diretor desportivo, fazendo depois o devido elo de ligação com o treinador principal.

LINEUPS

fonte zerozero.pt
4-4-2

Competência no processo defensivo

Orientado pelo técnico francês Christophe Galtier, revela-se do ponto de vista tático, uma equipa muito bem trabalhada nos vários momentos do jogo.

Assume o realizar de uma pressão Alta na tentativa de condicionar o adversário logo desde trás, acompanhada por uma defesa em linha e subida no terreno.

De referir ainda que o quarteto defensivo é composto por dois laterais Çelik e Bradaric´, que sabem defender bem: fortes na contenção, rápidos a recuperar a posição nas transições defensivas, raramente deixando a linha defensiva demasiada exposta.

Ambos os defesas centrais têm indicações para serem eles a realizar as coberturas e dobras aos laterais, pretendendo desta forma, não disposicionar em demasia os médios do corredor central e deixá-los mais atentos no auxílio aos extremos mais ofensivos e a fechar o corredor.

A organização, concentração, espírito de entreajuda, coordenação dos quatro defensores é tal que se pode observar na disponibilidade e capacidade em que um dos centrais demonstra, ao ir dobrar o outro para que a equipa não se desequilibre.

Jogar com uma linha defensiva tão subida e em linha, por vezes coloca o central José Fonte em sobressalto, pois não sendo conhecido como um central rápido e móvel, pode expo-lo em demasia à velocidade em profundidade dos atacantes adversários. Vai conseguindo colmatar essa carência, através do seu forte e rigoroso sentido posicional, experiência e leitura tática dos lances.

Ainda acrescentar a eficácia no jogo aéreo por parte do quarteto defensivo:

Pressão Alta: O condicionar do jogar adversário logo na sua 1ª fase

Um dos princípios presentes no seu modelo de jogo, passa por recuperar o mais alto possível a bola, ainda em meio campo adversário, se possível. Para tal, há um forte pressing sobre o portador da bola e a preocupação em fechar as linhas de passe mais próximas, ao redor do portador da bola:

Quanto ao momento defensivo de salientar apenas:

  • Rapidez nas transições defensivas, caso adversário consiga queimar a sua pressão alta. Isto, devido essencialmente ao poder de recuperação defensiva dos laterais, bem como dos rápidos médios centrais.
  • Obrigam várias vezes, adversário a ter de jogar longo, ganhando depois as segundas bolas.

Organização ofensiva

O que torna este Lille numa equipa bastante completa e atrativa, é a capacidade para ser competente e organizada em vários momentos de jogo.

Já identificamos a sua organização defensiva e respetivas transições, agora iremos demonstrar como a equipa também é bastante versátil sob a ponto de vista ofensivo.

Na 1ª fase de construção de jogo desde trás, gostam de sair a jogar curto através da sua linha defensiva, procuram atrair a pressão rival a um dos corredores, para poder depois, poder sair pelo corredor contrário.

Saídas a 4 defesas e 2 médios centro, sendo que o central Gabriel assume mais o sair a jogar, tentando não expor em demasia José Fonte que tem algumas carências com bola.

Contudo, não assumem as saídas curtas como única opção. Também recorrem por iniciativa própria, ao jogo mais longo, sobretudo frente a blocos mais subidos, tentando desta maneira, alongá-los e colocá-los em constantes sobressaltos com a velocidade dos seus extremos e avançado Osihmen nas costas da defesa, forçando-os aos poucos e poucos, a ter de recuar no terreno.

No último terço do terreno em fase ofensiva, denotamos claramente que Galtier procura fazer proveito de todo o talento individual que tem à sua disposição, dando bastante liberdade ofensiva para os seus criativos puderem desequilibrar e incentivando-os a partir para as jogadas individuais.

As “jóias da casa” Ikoné e Osimhen são posicionados em zonas muito próximas no terreno de jogo para puderem combinar entre si e incentivar a trocas posicionais que baralhem as estruturas defensivas adversárias:

De reforçar a utilização de dois médios centro com qualidade de jogo para ter participação ofensiva importante, tanto um, como outro. Embora André se assuma como o médio mais recuado, em comparação com o posicionamento de Renato, não deixa de pautar o jogo ofensivo, através da sua evoluída visão de jogo e qualidade de passe.

Finalização

Apesar de conseguirem chegar a zonas de finalização com vários elementos (3/4), tendo quase sempre projetados os laterais que conseguem dar largura ao seu jogar e permitir aos extremos desequilibrar mais em zonas interiores, e também eles aparecerem em zonas de definição de jogadas, a equipa francesa pode e deve melhorar no momento de alvejar a baliza adversária. Contando com apenas 35 golos marcados, são a pior equipa do Top 5 da Ligue 1, sendo até superado pelo Nice (5º da classificação geral).

Os craques do Futuro oriundos do laboratório de Scouts

Fonte transfermarkt.pt

Aos 22 anos de idade é daqueles que não engana. Muito forte tecnicamente, grande capacidade no drible, fortíssimo no 1×1, rápido a pensar e a executar. Canhoto, joga na posição de extremo mas fugindo sempre para zonas interiores, onde também consegue mostrar toda a sua visão de jogo e qualidade no último passe.

Fonte transfermarkt.pt

Outro jovem de apenas 21 anos. As suas mudanças de velocidade e capacidade de aceleração com bola, fazem dele um perigo à solta em qualquer estádio do mundo. Muito forte também do ponto de vista técnico, no 1×1 é muito complicado ser travado. A melhorar, apenas o momento de finalizar as jogadas.

Fonte transfermarkt.pt

Centrais esquerdinos não se encontram muitos no mercado atual e com as capacidades deste brasileiro, ainda mais difícil de encontrar se torna. Rápido, muito forte fisicamente (1,90 m e 78 kg), bom jogo aéreo, boa capacidade de marcação e desarme, timings exatos na contenção, são os principais predicados deste jovem.

Fonte transfermarkt.pt

Não queríamos fechar este leque de jogadores sem mencionar o português. É certo que já à alguns anos que o conhecemos e sabemos da sua qualidade, mas foi em Lille que conseguiu encontrar a alegria pelo jogo! Parece renascido, mais maduro, melhorou o acerto no passe e manteve os melhores atributos. Agora, e novamente numa posição de box-to-box num duplo pivot, mostra toda a sua mais valia, com acelerações com bola transitando a equipa para os contra ataques, importante a recuperar posição defensiva nas transições defensivas, poder de choque e fisicamente imponente.