Menu Close
[:pt]Um conto de fadas, é o que está a viver o ponta de lança brasileiro Matheus Matias, que começou a jogar profissionalmente apenas em Outubro de 2017.

Nasceu na cidade de Natal, do estado de Rio Grande Preto (nordeste brasileiro), no dia 16 de Junho de 1998. Fez formação nas camadas jovens de um clube muito modesto de Natal, o Santa Cruz de Cerrosada, da zona oeste de Natal.

Antes de assinar pelo ABC de Natal, clube no qual se estreou em Outubro de 2017, praticou futebol de 7 e futsal, chegando a jogar 5 jogos por dia para sustentar a família. Foi ainda convocado para a seleção Brasileira de futebol de 7, convite que teve que declinar por ter assinado pelo ABC.

Já nesta época desportiva (em 2018), carregou a equipa às costas no campeonato estadual, marcou 10 golos em 10 jogos. As suas performances chamaram desde logo à atenção de toda a gente, a mim inclusive, que quase por acaso acompanhei um dos primeiros jogos do ABC e em que o vi destruir por completo a equipa do Ferroviário, apontando dois dos três golos da equipa. Os interessados na sua contratação aumentaram à medida que ia marcando mais golos, Internacional de Porto Alegre, FC Porto, Santos foram alguns dos interessados, mas acabou por ser o Corinthians a ganhar a corrida, clube pelo qual assinou no dia 21 de Fevereiro de 2018 por sensivelmente 1M de euros.

 

O Matheus joga como ponta de lança e destaca-se principalmente pela sua capacidade de finalização, antecipação e posicionamento. Fisicamente é um jogador alto, 1,87m, mas com muito pouca massa muscular, algo que está a trabalhar especificamente no Timão desde que assinou. É também um jogador rápido e ágil, protege muito bem a bola e roda muito bem sobre os defesas adversários. Sendo um jogador tecnicamente evoluído no que ao passe diz respeito, possuiu também um excelente remate de longa distância, sobressaindo-se também pela facilidade com que o faz.

Taticamente é um ponta de lança que não gosta muito de jogar pelos flancos, preferindo claramente os terrenos centrais. Recua frequentemente no terreno para tentar tabelar ou procurar jogo, por outro lado, é também mestre a jogar na armadilha de fora-de-jogo.

Um dos seus maiores handicaps é o jogo aéreo, que é de facto muito fraco e deverá ser algo a trabalhar bastante para ser um ponta de lança mais completo, tal como o seu pé esquerdo, que raramente utiliza, o que poderá tornar os seus movimentos com bola um pouco mais previsíveis. Não é de todo um jogador explosivo e criativo, talvez por isso, raramente tenta o 1 para 1.

Em suma, é um finalizador nato, um jogador que apesar da fraca formação ao nível de camadas jovens, acaba por ser muito inteligente dentro de campo, uma vez que adaptou o seu jogo às suas virtudes e defeitos.

No Corinthians tem sido bastante elogiado pelo que tem feito nos treinos e apesar de já estar inscrito na Taça dos Libertadores, o clube não pretende apressar para já a sua estreia. É um jogador a seguir não só pelo seu potencial de evolução, mas também pela sua humildade e capacidade de trabalho que todos aqueles com quem ele trabalhou lhe reconhecem.

[:]